Arquivo da tag: Abby Wambach

Nesta sexta, entram em campo as campeãs

Começam amanhã, dia 26, as quartas de final do Mundial de Futebol Feminino:

♦ China x EUA

♦ Alemanha x França

No sábado, mais dois jogos:

♦ Austrália x Japão

♦ Inglaterra x Canadá

Dando de barato que norte-americanas e alemãs vencerão amanhã, as semifinais serão marcadas pelo confronto entre as maiores favoritas ao título.

Exercício de adivinhação é sempre um jogo de altíssimo risco no futebol, mas dificilmente a campeã mundial não será a vencedora de EUA x Alemanha na primeira partida das semifinais, no dia 30, terça-feira que vem, em Montréal.

Dê o quer de daqui para frente, a gente fica na torcida para que a norte-americana Abby Wambach não marque mais nenhum gol até a final e, assim, continue atrás da nossa Marta na artilharia dos Mundiais (Leia mais em Marta 15 x 14 Abby Wambach).

Anúncios

Marta 15 x 14 Abby Wambach

Abby Wambach: 14 gols em Mundiais - Foto: Twitter/@AbbyWambach

Abby Wambach: 14 gols em Mundiais – Foto: Twitter@AbbyWambach

A norte-americana Abby Wambach, que aos 39 anos é a mais velha jogadora do Mundial Feminino disputado no Canadá, marcou o gol da vitória sobre a Nigéria que classificou os EUA para as oitavas de final e igualou-se à alemã Birgit Prinz em segundo lugar na lista das artilheiras da competição em todos os tempos.

A alemã deixou os campos em 2011. Com seus 14 gols, Abby Wambach está a um da brasileira Marta, artilheira dos Mundiais.

Tudo indica que Marta estará em campo logo mais, às 20 horas do Brasil, para enfrentar a Costa Rica num jogo que nada mais vale para as brasileiras, já classificadas primeiras colocadas do Grupo E para as oitavas do Mundial.

Oswaldo Alvarez o Vadão, vai poupar algumas titulares, como Fabiana e Thaisa, mas deixará que Marta continue na briga pela artilharia e afie no Estádio de Moncton as garras para a partida contra a Austrália pelas oitavas – no domingo, lá mesmo.

Atualização – 1

Vai começar Brasil x Costa Rica no Estádio de Moncton e Vadão mudou de ideia: Marta não está escalada. O Brasil jogará com Luciana; Poliana, Mônica, Rafaelle e Tamires; Raquel, Maurine, Andressinha e Rosana; Gabi Zanotti e Darlene.

Do time que venceu a Espanha por 1 a 0, começarão jogando apenas Luciana, Mônica, Rafaelle e Tamires.

Informa a CBF no Twitter : “Vadão aproveita a classificação antecipada para dar mais tempo de recuperação física às jogadoras que já disputaram duas partidas na Copa”.

Atualização – 2

Resultado: Brasil 1 x 0 Costa Rica, gol de Raquel Fernandes.

E, assim, o placar histórico das artilheiras continua: Marta 15 x 14 Abby Wambach.

Marta: um sonho feito de gols

Marta  96Marta: maior goleadora da história dos Mundiais sonha com  título de campeã no Canadá

Ela já disse mais de uma vez que trocaria todos os prêmios e honrarias pessoais conquistados ao longo da carreira, inclusive os cinco troféus de melhor jogadora do mundo, pelo título de campeã mundial ou campeã olímpica.

Não é impossível, embora difícil, que seu desejo seja finalmente atendido nos campos do Canadá, onde a seleção brasileira estreia nesta terça feira no Mundial de Futebol Feminino enfrentando, como favorita, a seleção da Coreia do Sul.

Bem mais provável, no entanto, é que a alagoana Marta Vieira da Silva, aos 29 anos, enriqueça sua riquíssima biografia no Mundial que, em sua sétima edição, tem as alemãs, as norte-americanas e as japonesas como principais candidatas ao título.

Marta, que já levou o Brasil à final em 2007, divide com a alemã Birgit Prinz, a marca de maior artilheira dos Mundiais – cada uma com 14 gols.

Em seguida, com 13, aparece a norte-americana Abby Wambach, que ontem não fez nenhum gol na vitória por 3 a 1 sobre as australianas.

Como a alemã Birgit Prinz deixou os campos em 2011, a brasileira Marta precisa apenas fazer tantos gols quanto a americana Wambach no Canadá para se isolar nas estatísticas como a maior goleadora da história dos Mundiais.

Se fizer pelo menos um hoje, já larga em vantagem. E será fazendo gols que a nossa eterna camisa 10, agora também capitã, pode conduzir o Brasil ao título com que tanto sonha.