Arquivo da categoria: F1

Brasileiros fazem figuração na festa da Fórmula 1

GP de Abu Dhabi: ordem de chegada da última prova de 2015

GP de Abu Dhabi: ordem de chegada da última prova da F-1 em 2015

E, pela terceira vez desde que Lewis Hamilton conquistou antecipadamente o título da temporada, seu parceiro Nico Rosberg venceu uma corrida – hoje, o GP de Abu Dhabi, última prova de 2015.

Kimi Räikkönen, da Ferrari, juntou-se à dupla da Mercedes no pódio.

Felipe Massa, em quarto, terminou bem à frente de Valtteri Bottas, seu parceiro de Williams, oitavo colocado na corrida. Mesmo assim, no campeonato, o brasileiro ficou em sexto lugar, com 117 pontos, e o finlandês em quarto, com 136.

Hamilton, campeão com 363 pontos, é seguido por Rosberg, com 297, e Sebastian Vettel, da Ferrari, com 266.

Nosso Felipe Nasr, da Sauber, foi o 15º em Abu Dhabi e ficou em 13º lugar na temporada, com 27 pontos, cinco posições à frente do parceiro Marcus Ericsson.

Vão longe os bons tempos dos pilotos brasileiros na elite do automobilismo mundial.

Anúncios

Espectador privilegiado em Interlagos

A corrida de Interlagos, que o campeão Lewis Hamilton jamais venceu, será prestigiada por três ilustres espectadores brasileiros:

♦ Emerson Fittipaldi, vencedor em 1973 e 1974, estará circulando pelo paddock

♦ Nelson Piquet, vencedor em 1983 e 1986, estará mais uma vez no pódio, ao final da prova, para conduzir com o bom humor de sempre as entrevistas dos três primeiro colocados.

São ambos campeões da Fórmula 1: Emerson foi bi, em 1972 e 1974; Piquet, tri, em 1981, 1983 e 1987.

Massa: de olho na pista

Massa: de olho na pista

O outro ilustre espectador aguardado em Interlagos nunca conquistou o título da categoria, mas foi vice em 2008 e venceu duas vezes o Grande Prêmio do Brasil, em 2006 e 2008.

É quem vai acompanhar a corrida desta tarde da posição mais privilegiada, a bordo de uma Williams, com direito a largar ao lado de seu companheiro Valtteri Bottas na quarta fila.

Felipe Massa é o nome dele.

Atualização

Pelo segundo ano consecutivo, Nico Rosberg, da Mercedes, ganhou o GP do Brasil.

Foi sua 13ª vitória na carreira, a quinta na temporada, a segunda consecutiva, garantindo matematicamente o vice-campeonato da Fórmula 1.

O campeão Lewis Hamilton, que ainda não conseguiu vencer em Interlagos, foi o segundo na prova deste domingo. Sebastian Vettel, em terceiro, completou o pódio.

Nosso Felipe Massa largou em oitavo e em oitavo ficou até o fim. Depois da prova, no entanto, foi desclassificado por ter usado pneus fora das especificações permitidas. Já tinha lamentado antes:

– P’ra falar a verdade, foi uma corrida para esquecer.

Seja feita a sua vontade: está esquecido.

Eles e elas no Grande Prêmio do Brasil

A igualdade de gêneros chegou à largada do GP do Brasil: aquelas moçoilas contratadas para circular entre o paddock e os boxes e acompanhar os pilotos no grid estão ganhando concorrência masculina.

Em Interlagos, neste fim de semana, dez grid boys se juntarão às dez grid girls, para desgosto de alguns pilotos que não são tão politicamente corretos quanto pretendem ser os organizadores da corrida. Eles e elas farão o Grid Team.

Quando os motores roncarem, tudo será como sempre na Fórmula 1: a pista de Interlagos virará exclusividade dos meninos.

Antes e depois dos treinos e da corrida, as pistas de certas casas noturnas paulistanas também vão dividir a animação entre meninos e meninas, cada um na sua, como deixam explícitas algumas desinibidas mensagens publicitárias que até ganharam citação na prestigiadíssima coluna da coleguinha Mónica Bergamo na Folha de ontem:

 O pit stop número 1 de São Paulo – proclama-se o Hotel Bahamas no “anúncio com uma mulher de shorts e sandália agachada diante das pernas de um homem com roupa parecida com o uniforme dos pilotos”.

 Venha curtir as verdadeiras curvas da Fórmula 1 – convida o Café Photo em texto colado à “foto de uma mulher exibindo parte do seio ao lado de um carro de corrida”.

Massa comprova: falar é mais fácil do que vencer

Massa: "Se eu tivesse que escolher o técnico da Seleção, não ia pôr o Dunga"

Massa: “Se tivesse que escolher o técnico da Seleção, não ia pôr o Dunga”

Correr nas pistas, que é bom, como bem faziam Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna, ele não tem feito, tanto que é o sexto colocado nesta temporada da Fórmula 1, atrás até de seu companheiro Valtteri Bottas, mas falar ele falou e muito nesta manhã em Interlagos.

Elogiou e criticou o autódromo e estendeu a falação para os campos de futebol:

– Se eu tivesse que escolher o técnico da Seleção, não ia pôr o Dunga, pelo passado que a gente teve com ele, pela história que a gente tem no futebol. O Brasil precisa de mudança, não só no futebol.

O passado de Dunga inclui a conquista da Copa do Mundo de 1994 e o segundo lugar em 1998.

Como técnico da Seleção, Dunga não passou do quinto lugar na Copa de 2010.

Até o presente, o máximo que Massa conseguiu nas pistas, em 13 temporadas da Fórmula 1, foi o segundo lugar em 2008, pilotando uma Ferrari.

Antes, sempre pela Ferrari, tinha ficado com o terceiro lugar em 2006 e com o quarto em 2007. Nas demais temporadas, jamais passou do sexto lugar.

E se Dunga tivesse que escolher o piloto da Williams?

 

Hamilton garante o tri em Austin

Lewis Hamilton: novo tricampeão da F- 1 - Foto: Studio Colombo/Pirelli

Lewis Hamilton: novo tricampeão da F-1 – Foto: Studio Colombo/Pirelli

Não há temporal que pare Lewis Hamilton, novo tricampeão da Fórmula 1 ao vencer o Grande Prêmio dos Estados Unidos, encerrado há pouco em Austin.

O piloto inglês da Mercedes, três provas antes do final da temporada, se junta a Jack Brabham, Jackie Stewart, Niki Lauda, Nelson Piquet e Ayrton Senna no clube dos tricampeões da mais importante categoria do automobilismo mundial.

Desde 2000, quando o heptacampeão Michael Schumacher conquistou o tri, Hamilton é o sexto piloto a conquistar o título da Fórmula 1.

Schumacher foi também campeão em 2001, 2002, 2003 e 2004; Fernando Alonso, em 2005 e 2006; Kimi Räikkönen, em 2007; o próprio Hamilton, em 2008 e 2014; Jenson Button, em 2009;  Sebastian Vettel, em 2010, 2011, 2012 e 2013.

Hamilton ultrapassa Senna e é quase tri

Lewis Hamilton venceu o Grande Prêmio da Rússia, chegando à 42ª vitória na história da Fórmula 1, uma a mais do que o seu e nosso ídolo Ayrton Senna, e, a quatro corridas do final da temporada, é já quase tricampeão.

Em 2015, Hamilton tem 302 pontos, 66 a mais do que o vice-líder Sebastian Vettel.

Depois do péssimo resultado no treino de classificação, tendo de largar na 15ª posição em Sochi, Felipe Massa deu a volta por cima e terminou a corrida em quarto lugar.

Massa continua em sexto lugar no campeonato, agora a apenas dois pontos de Valtteri Bottas. Beneficiado ao longo da corrida por outras quebras, o brasileiro estava atrás do companheiro de Williams e de Kimi Raikkonen, da Ferrari, mas, na última volta, uma batida entre os dois finlandeses lhe deu o quarto lugar.

Desta vez, Massa não reclamou de nada. Em compensação, Bottas estrilou com Raikkonen:

– Que merda ele fez? Eu estava na frente e daí alguém bateu por trás. É muito desapontador porque arruinou meu dia.

Massa vai ficando para trás

Sem ter marcado pontos em Cingapura e no Japão, o que o derrubou do quarto para o sexto lugar  no Mundial de Pilotos, o brasileiro Felipe Massa corre o risco de piorar ainda mais de posição no GP da Rússia de amanhã

No treino de classificação desta manhã no circuito de Sochi, ficou em 15º lugar, três posições atrás do compatriota Felipe Nasr, da Sauber, e 13 do companheiro de Williams, Valtteri Botas, que é o quinto colocado no campeonato e vai largar na segunda fila neste domingo. Na primeira, Nico Rosberg e Lewis Hamilton, a dupla quase imbatível da Mercedes.

Massa, sexto colocado na atual temporada da Fórmula 1, estacionou nos 97 pontos, 14 a menos do que Bottas, 24 à frente de Daniel Ricciardo, da RBR, sétimo colocado.

Cada vez mais reclamão, como se estivesse reencarnando Rubinho Barrichello também nas entrevistas, Massa chiou depois do treino, com desculpa em dose dupla: “eu peguei trânsito”, “meus pneus traseiros estavam já completamente sem aderência”.

explicado.