Arquivo da categoria: Sem categoria

Acabou a energia

Estamos sem energia elétrica. A Eletropaulo informa que está fazendo um trabalho de manutenção da rede no bairro paulistano de Pinheiros.

Voltaremos a atualizar o blog logo que a energia voltar – antes que a bola role na última rodada do Brasileirão, esperamos.

Atualização

Às 13 horas, a Eletropaulo voltou a prestar aos seus clientes o serviço pelo qual cobra tão caro. Refez-se a luz.

Anúncios

Este é o trio que disputa a Bola de Ouro

Bola de Ouro @3011@@@Lionel Messi, Cristiano Ronaldo e Neymar são os candidatos à Bola de Ouro que será entregue em 11 de janeiro – acaba de anunciar a Fifa. É muito difícil que o grande prêmio individual desta temporada não vá para Lionel Messi, o supercraque que conquistou pelo Barcelona os títulos da Liga dos Campeões, do Campeonato Espanhol, da Copa do Rei e da Supercopa da Europa. Em todas as conquistas, teve a valiosa parceria com Neymar, claro, e por isso temos de novo um brasileiro entre os três finalistas, o que não acontecia desde 2007, quando Kaká ganhou o prêmio. De lá para cá, a Bola de Ouro ficou sempre com Messi ou com Cristiano Ronaldo, estrela do Real Madrid que a ganhou na temporada anterior e novamente está na briga.

Outro brasileiro estará na festa de 11 de janeiro, também concorrendo com Messi, e com o italiano Alessandro Florenzi, da Roma, ao Prêmio Puskas, concedido ao autor do gol mais bonito da temporada: Wendell Silva Lira, autor de um golaço do Goianésia na vitória por 2 a 1 sobre o Atlético Goianiense pela nona rodada do Campeonato Goiano, jogo visto por 389 pagantes no dia 11 de março.

Se quiser saber mais, releia a nota postada neste blog em 6 de novembro: Você sabe quem é Wendell Lira? 

Valbuena se diz ‘mais do que desapontado’ com Benzema

Valbuena, sobre Benzema: "Achei uma falta de respeito"

Valbuena, sobre Benzema: “Achei uma falta de respeito”

O que Mathieu Valbuena, meia do Lyon, conta aos repórteres Gérard Davet e Fabrice Lhomme em reportagem publicada hoje pelo jornal francês Le Monde (clique aqui  para ler) sobre a chantagem de que foi vítima para que não fossem divulgados vídeos íntimos de suas relações com a esposa não deixa nada bem o colega Karim Benzema, que teria insistido com ele para que cedesse aos chantagistas:

Durante nossas conversas, eu disse a Karim: ‘Você viu Djibril, que passou pelo mesmo em 2008’. Ele me respondeu: ‘Ele pagou?’. Eu lhe disse: ‘Sim, ele pagou’. Ele: ‘E vazou?’. Eu disse a ele que não, e ele repetiu muitas vezes que eu estava lidando com bandidos da pesada. Ele disse: ‘O vídeo é quente. Eu sei como é:  família e tudo… Deve ser difícil’. E  me disse também: ‘Se você não quer, deixe rolar, não tem problema. Depois, eu posso te apresentar ao meu amigo’. Eu fiquei mais do que desapontado. Achei uma falta de respeito. Você não pode se comportar assim com ninguém. No fim, quando estava indo embora, Karim me disse: ‘O que eu faço? Dou seu número a ele? Dou o número dele a você?’

Para tentar entender as estranhas razões do comportamento do atacante do Real Madrid, acusado formalmente por promotores franceses de ter participado da chantagem ao companheiro de seleção francesa, vale a pena ler um texto do espanhol Diego Torres publicado na edição brasileira de El País em 7 de novembro – Benzema, refém das suas origens.

Palmeiras não pode reclamar da torcida

Não são poucos os palmeirenses decepcionados com a campanha do time no Brasileirão. Depois do empate por 1 a 1 com o Cruzeiro, o Palmeiras dormiu em nono lugar, mas hoje vai para a cama em décimo, ultrapassado pela Ponte ou pelo Flamengo, dependendo do resultado do jogo das 18 horas entre os dois no Mané Garrincha.

A torcida esperava muito mais, boa parte até sonhava com o título brasileiro, mas nem os resultados frustrantes do returno a afastaram do time.

O Palmeiras não pode reclamar de seus torcedores, como se viu ontem à noite, mais uma vez, no Allianz Parque.

Foi o menor público do Palmeiras como mandante em todo o campeonato, apenas 19.395 pagantes. Apenas? Em jogo que não valia nada, bate em mais de 2 mil a média de pagantes do Brasileirão.

Bota é campeão e vai fazer festa com Maitê

Num campinho ruim de doer, vinte anos depois de ter sido verdadeiramente campeão brasileiro, o Botafogo acaba de se sagrar antecipadamente campeão da Série B de 2015 ao derrotar o ABC por 2 a 1.

Foi no Mané Garrincha, em Brasília. A festa será sábado que vem no Nilton Santos, o Engenhão,  na partida contra o América Mineiro.

Maitê Proença estará lá – ainda não se sabe com que traje.

Hoje é dia de jogo, bebê!

Concentração do Brasil @1711@@@

Em 12 jogos que já fez desde 1969 na velha e na atual Fonte Nova, a Seleção Brasileira jamais foi derrotada. Que bom!

Contados amistosos e jogos oficiais da Copa América e da Copa das Confederações, foram sete vitórias e cinco empates. Não tão bom assim, né?

Dos empates, um foi com o Peru, por 0 a 0, na Copa América de 1989. Dunga estava em campo, como volante. Que mau!

Dunga e Taffarel, nosso goleiro no 0 a 0, bem poderiam relembrar aos seus jogadores a tristeza que foi aquele 3 de julho em que pouco mais de 13 mil torcedores foram à velha Fonte Nova e passaram boa parte da noite vaiando a Seleção.

Podem relembrar também que, em rodadas seguintes, o Brasil se recuperou e acabou sendo o campeão daquela Copa América, com direito a festa diante de mais de 100 mil torcedores no Maracanã.

Afinal, a Seleção atual também precisa se recuperar do início capenga nas Eliminatórias e se instalar logo entre os primeiros aspirantes às quatro vagas que a América do Sul tem direito assegurado na Copa do Mundo de 2018.

O Brasil está em quarto lugar, com quatro pontos, à frente do Paraguai e da Colômbia apenas no número de gols, e pode até sair desta quarta rodada como vice-líder, mas também corre o risco, embora remoto, de despencar para o nono lugar.

É cedo demais para festa, festinha e demais formas de badalação, como a animada visita dos onipresentes e deslumbrados Ivete Sangalo, Léo Santana e David Brazil à concentração do Brasil na noite desta segunda-feira.

É de concentração que a Seleção anda precisando. Afinal, está em Salvador para trabalhar. E hoje é dia de trabalho duro para que a torcida faça festa na Fonte Nova.

Neymar, Lucas Lima, Hulk e companhia precisam ouvir de Dunga como foi a noite de 3 de julho de 1989 na Fonte Nova.

(As fotos foram reproduzidas das contas de Ivete Sangalo e David Brazil no Instagram)

Altitude ajuda Equador e Bolívia

Desta vez não deu para o Uruguai. Em Quito, a 2.800 metros de altitude, o Equador continua praticamente imbatível e venceu há poucos os uruguaios por 2 a 1, mantendo a liderança nas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa de 2018 com 100% de aproveitamento.

A última vez que a seleção equatoriana perdeu em casa um jogo das Eliminatórias foi em 2009, coincidentemente contra o Uruguai. De lá para cá, venceu nove vezes e empatou uma.

O Equador não se classificou para a Copa de 2010, mas veio ao Brasil em 2014 e, pela largada nestas Eliminatórias, deve ir à Rússia em 2018. Não é só em casa que o time tem mostrado força. Na primeira rodada, em Buenos Aires, venceu a Argentina por 2 a 0.

O Uruguai, com seis pontos, tem uma parada difícil na próxima rodada: recebe o Chile, que está jogando agora com a Colômbia, e precisará da vitória em Montevidéu para se manter firme entre os candidatos às quatro vagas reservadas, sem a necessidade de passar pela repescagem, aos sul-americanos na Copa de 2018.

Em La Paz, a 3.600 metros de altitude, diante da fraquinha Venezuela, a Bolívia teve vida ainda mais fácil e venceu por 4 a 2. Foram os três primeiros pontos ganhos pelos bolivianos, que estiveram numa Copa do Mundo pela última vez em 1994 e certamente também não estarão na Rússia.

Os venezuelanos continuam no fundão, a zero. Talvez de lá não saiam até o fim das Eliminatórias.