Arquivo da tag: Seleção

Massa comprova: falar é mais fácil do que vencer

Massa: "Se eu tivesse que escolher o técnico da Seleção, não ia pôr o Dunga"

Massa: “Se tivesse que escolher o técnico da Seleção, não ia pôr o Dunga”

Correr nas pistas, que é bom, como bem faziam Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna, ele não tem feito, tanto que é o sexto colocado nesta temporada da Fórmula 1, atrás até de seu companheiro Valtteri Bottas, mas falar ele falou e muito nesta manhã em Interlagos.

Elogiou e criticou o autódromo e estendeu a falação para os campos de futebol:

– Se eu tivesse que escolher o técnico da Seleção, não ia pôr o Dunga, pelo passado que a gente teve com ele, pela história que a gente tem no futebol. O Brasil precisa de mudança, não só no futebol.

O passado de Dunga inclui a conquista da Copa do Mundo de 1994 e o segundo lugar em 1998.

Como técnico da Seleção, Dunga não passou do quinto lugar na Copa de 2010.

Até o presente, o máximo que Massa conseguiu nas pistas, em 13 temporadas da Fórmula 1, foi o segundo lugar em 2008, pilotando uma Ferrari.

Antes, sempre pela Ferrari, tinha ficado com o terceiro lugar em 2006 e com o quarto em 2007. Nas demais temporadas, jamais passou do sexto lugar.

E se Dunga tivesse que escolher o piloto da Williams?

 

Um dia não resolve problema de Corinthians e Santos

A CBF informa que adiou para o dia 19, quinta-feira, os jogos Vasco x Corinthians e Santos x Flamengo, marcados anteriormente para o dia 18, apenas 24 horas depois de Brasil x Peru em Salvador.

O Corinthians tem quatro jogadores na Seleção – Cássio, Gil, Elias e Renato Augusto – e o Santos tem dois – Lucas Lima e Ricardo Oliveira.

O adiamento é mais do que justificado, mas insuficiente, pois o intervalo entre o fim de Brasil x Peru e começo dos dois jogos do Brasileirão será de menos de 48 horas.

Pergunte a um fisiologista o que isso significa para a musculatura dos jogadores…

O problema é que a CBF cuida mais do fisiologismo do que da fisiologia.

Pena que Suárez não seja brasileiro

Neymar: gols e assistência na parceria com Suárez

Neymar: gols e assistência na parceria com Suárez

Dizer que o jogo foi Neymar & Suárez seria um exagero, perdoável, para definir a atuação de um time que teve 70% de posse de bola e correu os 90 minutos para fazer o placar de 3 a 0 que o deixa praticamente garantido nas oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa.

Exageremos, então: Barcelona 3 x 0 BATE Borisov foi um show de Neymar & Suárez para a torcida que foi ao Camp Nou torcer pela independência da Catalunha. Não passava pela cabeça de ninguém que o time da Bielorrússia pudesse aprontar em Barcelona a surpresa que não aprontou em Borisov.

No primeiro gol do Barça, aos 30 minutos, Munir tabelou Suárez e foi empurrado na área por Mladenovic. Pênalti. Neymar cobrou e fez.

No segundo, aos 15 do segundo tempo, Neymar fez a assistência para Suárez.

No terceiro, aos 39, a assistência foi de Suárez para Neymar fechar o placar.

A classificação para as oitavas só não está matematicamente assegurada por que a Roma venceu o Bayer Leverkusen por 3 a 2 e foi para o segundo lugar do Grupo E, com cinco pontos, metade do que tem o Barça, um a mais do que o adversário alemão. Neymar & Suárez precisam, no máximo, de um empate nos dois jogos que lhes restam para fechar a conta.

 Pena que Suárez seja uruguaio.

É de um parceiro como ele que Neymar precisa na Seleção.

O Brasil é todo Barça

Neymar: hoje e Barça; semana que vem, Brasil

Neymar: hoje é Barça; semana que vem, Seleção Brasileira

A vitória no Camp Nou praticamente selará a classificação para as oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa e pode até garanti-la matematicamente, dependendo do resultado de Roma x Bayer Leverkusen, mas o Barcelona de Neymar não jogará apenas pelo resultado diante do BATE Borisov.

É o que deixa muito claro o treinador Luis Enrique:

– Como atuais campeões, temos de enviar uma mensagem de que estamos preparados para seguir em frente. O objetivo é a classificação e depois o primeiro lugar do grupo.

Na entrevista coletiva sobre o jogo das 17h45 (horário de Brasília) desta quarta-feira, um jornalista quis saber do treinador do Barça o que ele pede aos jogadores quando não pode contar com Messi em campo. Bate-pronto do meia de outros tempos:

– Peço-lhes sempre o mesmo: o máximo.

Hoje, o máximo do Barcelona é Neymar, como reconhece o zagueiro Thomas :

– É claro que sentimos a falta de Messi, é o melhor jogador do mundo, mas Neymar deu um passo em frente e, nos últimos jogos, tem sido muito importante e decisivo para nós. Neste momento, é essencial.

Luís Enrique deve concordar com o belga Vermaelen, tanto que há poucos dias fez questão de reconhecer:

– Neymar é único em todos os aspectos. Ele nos dá gols, assistências, trabalho defensivo… e vai continuar crescendo ainda mais.

O confronto de hoje com o BATE Borisov será o penúltimo compromisso do craque brasileiro pelo Barcelona antes de se reapresentar à Seleção para os jogos contra a Argentina e o Peru pelas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo de 2018.

O Brasil é todo Barça – ou melhor, é todo Neymar.

O que diria Nelson Rodrigues?

Vágner Love: dez gols em 25 jogos

Vágner Love: dez gols em 25 jogos

Lucas Pratto: 12 gols em 29 jogos

Lucas Pratto: 12 gols em 29 jogos

Bastou o argentino Lucas Pratto dizer há alguns dias que pensa em se naturalizar brasileiro para que se multiplicassem na mídia e nas redes sociais manifestações de comentaristas e internautas querendo-o na Seleção.

Na contramão, muitos dos querem o argentino vestindo a camisa de Romário e de Ronaldo gostariam que Vagner Love fosse desterrado para a Argentina ou, melhor ainda, para um destino mais longínquo.

É curioso. Em 29 jogos no Brasileirão, o atleticano Lucas Pratto marcou 12 gols, cinco em cobrança de pênaltis; em 25 jogos, o corintiano Vágner Love fez dez, nenhum de pênalti.

Nelson Rodrigues diria que é ululante o complexo de vira-latas.

Não vale para a Série A o que vale para a Série B?

Já na noitinha dqa sexta-feira, para fazer a vontade da Globo e seus satélites, a CBF mudou as data de alguns jogos das 30ª e 31ª rodadas de Série B e aproveitou para transferir dois compromissos do Botafogo para depois das partidas do Brasil contra o Chile e a Venezuela, com um argumento muito justo:

Os dois jogos foram adiados para evitar prejuízo técnico ao time por cessão do goleiro Jefferson, convocado para a Seleção.

Até agora, porém, a entidade não se manifestou sobre a 30ª rodada da Série, marcada para 3 e 4 de outubro, véspera do jogo Chile x Brasil em Santiago.

Não é o caso de também “evitar prejuízo técnico” ao Grêmio de Marcelo Grohe, ao Internacional de Alisson, ao Corinthians de Gil, Elias e Renato Augusto e ao Santos de Lucas Lima?

Dunga convoca Brasil de cara velha

Pode ser que ele mude alguns nomes desta lista para os amistosos com Costa Rica e Estados Unidos quando convocar o time para os jogos contra o Chile e a Venezuela pelas Eliminatórias, mas é evidente que Dunga está esboçando o time com que pretende garantir a vaga na Copa do Mundo de 2018.

Uma ótima novidade na lista divulgada há pouco na CBF é o santista Lucas Lima, meia com virtudes que faltam a outros jogadores testados até agora por Dunga.

Outro bom sinal é a convocação do zagueiro Gabriel Paulista, do Arsenal, que ainda vai fazer 25 anos e rejuvenesce uma lista que inclui trintões em demasia quando se pensa na próxima Copa e não apenas na caminhada até a Rússia: o goleiro Jeferson, o zagueiro Miranda, os laterais Daniel Alves e Luís Felipe, os volantes Fernandinho e Elias, e o meia Kaká.

E ainda se pode lembrar que, em 2018, já terão 30 ou mais anos o goleiro Marcelo Grohe, o zagueiro David Luiz, os volantes Luiz Gustavo e Ramires, o meia Willian e o atacante Hulk.

A doutora está certa: Robinho na Seleção!

Robinho: com ou sem Neymar - Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Robinho: com ou sem Neymar – Foto: Rafael Ribeiro/CBF

A sugestão é da psicóloga Sônia Román, que já trabalhou com Neymar, em entrevista à repórter Ana Paula Canhedo, da Gazeta Esportiva:

– Ele está irritado, sente que precisa resolver, precisa fazer mais. Sozinho não vai conseguir. Precisa, literalmente, chamar na chincha. Não pode ser bobo do treinador. Já está na hora de parar com essa submissão ao técnico, ele não é cobrado como um jogador normal. O que o Robinho está fazendo no banco? Os dois juntos podem fazer mais, ele não pode ser o herói sozinho de uma seleção.

Não se trata de uma questão apenas psicológica e talvez Neymar não deva correr o risco de peitar o treinador, mas a doutora Sonia tem razão em sugerir a escalação de Robinho nesta Seleção que fica com a bola mais tempo do que o adversário, mas não sabe o que fazer com ela entre a defesa e o ataque.

Fred é um jogador excessivamente confiante no próprio taco, que frequentemente espirra. Douglas Costa alterna bons e maus momentos num time que precisa fundamentalmente de constância. Philippe Coutinho ainda não se desinibiu com a camisa da Seleção. O que faz Robinho no banco?

O jogo contra a Venezuela dá a Dunga a chance de botar Robinho em campo, à frente de Fabinho e Elias, em linha com Willian à sua direita e Philippe Coutinho à sua esquerda, com Firmino (ou Tardelli) mais adiantado.

Mesmo não tendo se concretizado como o craque que se esperava, Robinho joga mais do que todos eles, está em boa forma, como vinha demonstrando com a camisa do Santos no Brasileirão, já foi campeão da Copa América, disputou duas Copas do Mundo e, portanto, tem a experiência internacional que falta a esta Seleção de muitos emergentes e raros talentos efetivamente estabelecidos no mundo da bola.

Se o Brasil chegar às quartas, o mínimo que se espera, e puder contar com Neymar, o que é possível em se tratando de um caso que será decidido nos corredores da Conmebol, Dunga poderá tirar  Philippe Coutinho ou até mesmo Firmino (ou Tardelli) e escalar a dupla que já fez sucesso no Santos e é pedida pela doutora Sônia, que pode até não ter dado jeito no impulsivo camisa 10, mas parece entender de futebol.

Hoje tem Neymar no Beira-Rio. E basta.

Neymar autografa camisa do filho de D'Alessandro - Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Neymar autografa camisa do filho de D’Alessandro – Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Neymar defenderá hoje no Beira-Rio, a partir das 22 horas, uma invencibilidade de 22 jogos com a camisa da Seleção em campos brasileiros.

São 17 vitórias e cinco empates nos quais marcou 16 dos 43 gols que o colocam como o quinto maior artilheiro da Seleção em jogos reconhecidos como oficiais pela Fifa.

Neymar está, pois, a cinco gols do quarto lugar, que hoje é de Zico, com 48.

O adversário da noite, no último jogo de preparação do Brasil para a Copa América, é Honduras, 75ª colocada no ranking de seleções da Fifa.

O maior feito da seleção hondurenha é ter participado de três Copas do Mundo. Estreou na Copa de 1982, com um surpreendente empate por 1 a 1 com a anfitriã Espanha. De lá para cá, jogou outras oito vezes, não venceu nenhuma. Em 2014, no Brasil, perdeu os três jogos.

Alguém duvida de que Neymar encurtará a distância para Zico logo mais?

Nem os torcedores de outros times e seleções.

Um exemplo da admiração generalizada pelo craque brasileiro: o goleiraço Buffon, antes de perder o título de campeão europeu para o Barcelona, confessou que um de seus filhos estava torcendo por Neymar.

Outro: nestes poucos dias de concentração em Viamão, Neymar recebeu a visita do argentino D’Alessandro, ídolo do Internacional, que levou o filho Santino, vestido com a camisa 11 do Barça, para pegar seu autógrafo.

O mundo da bola torce por Neymar.

Dunga já avisou que ele não vai trabalhar em tempo integral na noite desta quarta-feira, pois precisa recompor parte da energia despendida nos últimos dias na final da Liga dos Campeões da Europa e nas comemorações pela conquista do título, mas ele não precisa de muito tempo para fazer um ou dois golzinhos em Honduras, né?

É até bom para a Seleção que Neymar guarde a fome de gols para a Copa América. O Brasil vai precisar muito deles, pois no Chile a favorita é a Argentina de Messi. Essa, porém, é uma conversa para os próximos dias.

Hoje tem Neymar no Beira-Rio. E basta.

Muito estranho: Tite volta a barrar Elias

Elias: novamente na reserva

Elias: novamente na reserva

O corintiano Elias não vinha mostrando ultimamente o exuberante futebol dos primeiros jogos desta temporada, mas é um tanto estranho que Tite o tenha tirado do time que empatou com o Fluminense e não o escale contra o Palmeiras. Tão estranho que, ao tentar explicar a barração após o 0 a 0 no Rio, Tite apenas gaguejou:

– Falo da parte técnica. A opção foi técnica, mas vocês saberão mais coisas mais para frente. Eu estou dando uma parte da resposta. É um conjunto todo da obra.

Parece que o Corinthians quer se livrar de Elias, como já se livrou de Guerrero e está se livrando de Sheik, mas não se espera de Tite que se preste a desprestigiar o jogador, único corintiano convocado para a Seleção  que vai disputar a Copa América.