Arquivo da tag: Arena Condá

E Jailson fez Egídio sofrer até o fim

Egídio: cinco minutos depois de expulsão, é chamado de volta ao jogo pelo árbitro

Egídio: cinco minutos depois de expulso, é chamado de volta pelo árbitro

A comissão de arbitragem da CBF inaugurou nesta 29ª rodada do Brasileirão a arbitragem por controle remoto.

Coube ao baiano Jailson Macedo Freitas a desonra de ser o primeiro a receber ordens de fora do campo para voltar atrás em lance que ele julgara por contra própria – erradamente, reconheça-se – e, assim, chamar de volta ao gramado o palmeirense Egídio que tinha mandado para os chuveiros da Arena Condá.

Aconteceu aos 15 minutos de Chapecoense 2 x 0 Palmeiras. William Barbio, em arrancada rumo ao gol de Fernando Prass, driblou Vitor Hugo e foi desarmado em seguida por Egídio com um carrinho perfeitamente legal. Jailson marcou falta e expulsou o lateral palmeirense.

Cercado por jogadores do Palmeiras, o árbitro se rendeu às reclamações e foi conversar com o bandeirinha até que apareceu na rodinha o quarto árbitro, o gaúcho Daniel Nobre Bins, para convencê-lo de que ele tinha errado na marcação da falta e na expulsão.

Jailson mandou chamar Egídio de volta, voltou ele mesmo ao campo, anulou tudo o que fizera e recomeçou o jogo com uma bola ao chão.

Tudo certo. Cinco minutos depois de errar em dose dupla, o árbitro corrigira os erros.

Fica uma pergunta, porém: de sua mesinha ao lado do campo, como o quarto árbitro enxerga melhor do que o árbitro principal lá dentro?

A tecnologia eletrônica, cujo uso não é autorizado pelas regras do futebol e foi oficialmente negado à CBF pela Fifa  há poucos dias, talvez explique.

O jogo teve outros quiproquós produzidos pela arbitragem, que felizmente acabaram não influindo no resultado: acachapantes 5 a 1 para a Chapecoense.

Se tivesse direito de escolha, muito provavelmente Egídio teria preferido continuar no vestiário.

Anúncios

Fim de semana decisivo para o quinteto que briga pelo G-4

Pode até vir a ser uma luta vã, pois o quarto colocado no campeonato só terá direito a uma vaga na Libertadores de 2016 se o campeão da Copa Sul-Americana não for um time brasileiro, Atlético Paranaense ou Chapecoense, mas cinco jogos deste fim de semana serão fundamentais para a definição do G-4 do Brasileirão:

♦ Internacional x Sport, hoje, às 18h30, no Beira-Rio

♦ São Paulo x Atlético Paranaense, hoje, às 21h, no Morumbi

♦ Flamengo x Joinville, amanhã, às 11h, no Maracanã

♦ Santos x Fluminense, amanhã, às 16h, no Maracanã

♦ Chapecoense x Palmeiras, amanhã, às 18h30, na Arena Condá

O Palmeiras, com 45 pontos, lidera o bloco dos pretendentes ao G-4, seguido pelo Santos e pelo São Paulo, ambos com 43, e, mais atrás, pelo Flamengo e pelo Internacional, que têm 41 pontos e podem sair da briga se forem derrotados nesta 29ª rodada.

Em vantagem na disputa, o trio paulista precisa vencer seus jogos antes da parada de 11 dias que lhes dará algum fôlego para, da 31ª rodada em diante, se dividirem entre o Brasileirão e as semifinais da Copa do Brasil.

De 17 de outubro a 1º de novembro, a vida será puxada para o Palmeiras, o Santos e o São Paulo, com dois jogos por semana, no mínimo. E os times que chegarem à final da Copa do Brasil ainda terão dois jogos pela frente até 8 de novembro.

Continuar na Copa do Brasil tem sua recompensa, que não é pequena – o campeão disputará a Libertadores no ano que vem.

O acúmulo de jogos, no entanto, é um grande risco para os times que precisarão garantir, pelo menos, o quarto lugar no Brasileirão e torcer para que Atlético Paranaense e Chapecoense se deem mal na Copa Sul-Americana.

Torcida prestigia estreia de Mano e vê Willian golear

Desta vez foi uma vitória cristalina, sem ajuda da arbitragem, bem diferente daqueles 2 a 1 sobre a Ponte Preta na quarta-feira, vistos de uma cabine do Moisés Lucarelli por Mano Menezes.

Com Mano no comando e quatro gols de Willian, o Cruzeiro acaba de golear o Figueirense por 5 a 1 no Mineirão. Willian tinha marcado seu último gol em 21 de abril, contra o Sucre, na fase de grupos da Libertadores. Marcelo Oliveira ainda era o treinador.

Ao derrotar o Figueirense, o Cruzeiro ultrapassou a Ponte na ordem de classificação do Campeonato Brasileiro.

A Ponte largou bem na competição, mas desandou desde que perdeu o camisa 10 Renato Cajá, não vence há cinco rodadas e empatou agora, na matinê da Arena Condá, com a Chapecoense por 0 a 0.

Cruzeiro, em 13º lugar, e Ponte, em 14º, têm 28 pontos, mas os mineiros levam vantagem no número de vitórias – 10 a 8.

Parece que a torcida do Cruzeiro volta a acreditar no time. Os 5 a 1 foram vistos por 39.040 pagantes.