Arquivo da tag: Beira-Rio

Um Gre-Nal como não se vê há mais de um século

Argel Fucks ainda trabalhava no Figueirense, mas sete dos 11 colorados que ele deve mandar a campo para enfrentar o Grêmio às 17 horas no Beira-Rio estão entre as vítimas do massacre de 9 de agosto: Alisson; William, Ernando, Rodrigo Dourado, Anderson, Vitinho e Lisandro López.

Foi pela 17ª rodada deste Brasileirão, diante de 46.010 torcedores, na Arena Grêmio. O Inter ainda procurava um substituto para Diego Aguirre, o Grêmio tinha trocado Luiz Felipe Scolari por Roger Machado 13 rodadas antes.

Mal o jogo começou, o gremista Douglas perdeu um pênalti. Mal sinal? Não para os gremistas.

Dali em diante, o Grêmio massacrou o Inter, enfiando-lhe 5 a 0, sua mais escancarada vitória num Gre-Nal desde 1912, quando tinha vencido por 6 a 0. Foi um dos três maiores vexames colorados na história do Campeonato Brasileiro, igual às derrotas 5 a 0 para a Chapecoense em 2014 e para o São Caetano em 2003.

Além do comandante Roger Machado, oito dos algozes gremistas daquele 9 de agosto vão se reencontrar com as vítimas daqui a pouco. São Marcelo Grohe, Rafael Galhardo, Pedro Geromel, Erazo, Marcelo Oliveira, Giuliano, Douglas e Luan.

O jogo vale para os colorados a última chance de continuar sonhando com uma vaga na Libertadores em 2016. Para o Grêmio, a permanência no terceiro lugar do Brasileirão,  a três pontos, no máximo, do Atlético Mineiro, uma semana antes de recepciona-lo em Porto Alegre em confronto direto pela vice-liderança.

Na verdade, o Gre-Nal deste domingo se basta como revanche daquele 9 de agosto.

Anúncios

Gol no finalzinho mantém Inter perto do G-4

Internacional e Ponte Preta prometeram uma coisa e fizeram outra no Beira-Rio.

Nada de muita disposição ofensiva. Foi um jogo de marcação muito forte e pouca criatividade e dava a impressão que acabaria num 0 a 0 desastroso para as pretensões dos dois times no Brasileirão.

Aos 42 do segundo tempo, depois de muito circular na área da Ponte, a bola sobrou para Vitinho fazer o 1 a 0 que mantém o Inter na briga por uma vaga no G-4, com 53 pontos, como o Santos, que amanhã enfrentará o Joinviille em Santa Catarina, e o São Paulo, que pegará o Cruzeiro em Minas.

Sorte de Argel Fucks que, dez minutos antes, ia substituir Vitinho por Alisson Farias, mas na hora agá preferiu tirar o inoperante Lisandro López.

Enquanto o Corinthians espera, Inter e Ponte sonham

Poderia ser o sábado da grande festa corintiana, mas a definição matemática do título brasileiro de 2015 não se dará hoje nem que Tite e sua rapaziada trucidem o Coritiba em Itaquera às 19h30, e assim o jogo do dia é o Internacional x Ponte Preta das 17 horas.

Os dois ainda aspiram ao G-4 – ou, quem sabe, G-5 – e vão fazer no Beira-Rio um jogo em que o empate não vale. Ou vale a morte conjunta.

Três pontos atrás do São Paulo e do Santos na ordem de classificação, colorados e pontepretanos não têm opção: estão obrigados a vencer hoje para continuar sonhando.

Argel escala D'Alessandro: respeito

Argel escala D’Alessandro: respeito de adversários e árbitros

Embora esconda a escalação do time, confirmando apenas a volta do meia D’Alessandro, “que impõe respeito ao adversário e ao árbitro”, o técnico  Argel Fucks prometeu, durante a semana, um Inter será menos cauteloso do que tem sido até agora:

– É um confronto direto, um jogo decisivo para nós, de seis pontos. Vamos jogar em casa, precisamos fazer o dever de casa. Esse é o nosso pensamento.

Juninho:

Juninho: “vamos buscar três pontos”

Parece que a Ponte, depois de três vitórias e um empate nos cinco últimos jogos fora de casa, não pensa diferente. É que revela o volante Juninho, que ainda não sabe se vai jogar ou ficará no banco:

– O jogo vai decidir o que queremos no campeonato. Temos a possibilidade de entrar no G-4. Sempre falam nesse negócio de que tem de jogar retrancado contra times grandes, mas já demonstramos que não é bem assim. Vamos lá para jogar e buscar mais três pontos. Precisamos jogar da mesma maneira que estamos jogando.

Não parece papo furado.

Como vencer é obrigatório, Internacional e Ponte Preta devem fazer um jogão no sábado em que o Corinthians, mesmo alcançando sua 23ª vitória neste Brasileirão , ainda não poderá gritar que é campeão.

Alguns mais apressadinhos, como Vagner Love, até gostariam, mas a banda dos sensatos, puxada por Renato Augusto e abençoada por Tite, só quer saber de festa depois que o caneco estiver matematicamente garantido.

Fim de semana decisivo para o quinteto que briga pelo G-4

Pode até vir a ser uma luta vã, pois o quarto colocado no campeonato só terá direito a uma vaga na Libertadores de 2016 se o campeão da Copa Sul-Americana não for um time brasileiro, Atlético Paranaense ou Chapecoense, mas cinco jogos deste fim de semana serão fundamentais para a definição do G-4 do Brasileirão:

♦ Internacional x Sport, hoje, às 18h30, no Beira-Rio

♦ São Paulo x Atlético Paranaense, hoje, às 21h, no Morumbi

♦ Flamengo x Joinville, amanhã, às 11h, no Maracanã

♦ Santos x Fluminense, amanhã, às 16h, no Maracanã

♦ Chapecoense x Palmeiras, amanhã, às 18h30, na Arena Condá

O Palmeiras, com 45 pontos, lidera o bloco dos pretendentes ao G-4, seguido pelo Santos e pelo São Paulo, ambos com 43, e, mais atrás, pelo Flamengo e pelo Internacional, que têm 41 pontos e podem sair da briga se forem derrotados nesta 29ª rodada.

Em vantagem na disputa, o trio paulista precisa vencer seus jogos antes da parada de 11 dias que lhes dará algum fôlego para, da 31ª rodada em diante, se dividirem entre o Brasileirão e as semifinais da Copa do Brasil.

De 17 de outubro a 1º de novembro, a vida será puxada para o Palmeiras, o Santos e o São Paulo, com dois jogos por semana, no mínimo. E os times que chegarem à final da Copa do Brasil ainda terão dois jogos pela frente até 8 de novembro.

Continuar na Copa do Brasil tem sua recompensa, que não é pequena – o campeão disputará a Libertadores no ano que vem.

O acúmulo de jogos, no entanto, é um grande risco para os times que precisarão garantir, pelo menos, o quarto lugar no Brasileirão e torcer para que Atlético Paranaense e Chapecoense se deem mal na Copa Sul-Americana.

É na Vila que rolará o grande jogo desta rodada

Duelo de artilheiros na Vila: Lucas Pratto visita Ricardo Oliveira

Duelo de artilheiros na Vila Belmiro: Lucas Pratto visita Ricardo Oliveira

Invicto há 17 rodadas, o Corinthians é o líder absoluto e indiscutível deste Brasileirão:  tem mais pontos (54) e mais vitórias (16), marcou mais gols (42, como o Atlético Mineiro), levou menos gols (19), ganhou mais jogos em casa (11), perdeu só uma vez em casa (1, como o Grêmio, o São Paulo, o Atlético Paranaense, o Santos e o Sport), e venceu  cinco vezes fora de casa (menos apenas do que o Flamengo e o Atlético Mineiro).

Antes que a bola comece a rolar às 22 horas, no entanto, não se pode apostar em vida fácil para o Corinthians em Porto Alegre.

O Internacional vem se reorganizando e se reanimando sob o comando de Argel Fucks, reaprendeu a ganhar e precisa da vitória nesta quarta-feira para manter as chances mínimas que ainda tem de chegar ao G-4.

Sendo bom para ambas as partes, deve-se esperar um jogo difícil e pegado no Beira-Rio, de difícil prognóstico, embora um pouco mais favorável aos corintianos.

É na Vila Belmiro, porém, que veremos as maiores emoções e o mais promissor jogo da noite.

Depois da arrancada no Brasileirão após a chegada de Dorival Júnior e da derrota para a Ponte Preta por 3 a 1, ambas surpreendentes, o Santos corre o risco de perder valiosas posições na ordem de classificação se não vencer o vice-líder Atlético Mineiro na Vila.

Os mineiros precisam da vitória para se manter na briga pelo título com o Corinthians – ou, dependendo do resultado do Beira-Rio, até mesmo encostar um pouco mais no líder.

O momento é mais favorável ao Santos.

Nos últimos dez jogos, o Atlético venceu cinco, perdeu três e empatou dois, com um aproveitamento de cerca de 57%; o Santos venceu seis, empatou três e perdeu apenas um, com aproveitamento de 70%.

Mais ainda: o Santos só foi derrotado na Vila pelo Grêmio, em 5 de julho, e de lá para cá venceu os sete jogos que lá disputou, tendo marcado 20 gols e sofrido apenas três.

E o Atlético do vice-artilheiro Lucas Pratto adianta muito as suas linhas para marcar o adversário praticamente a partir do meio do campo, o que abre espaços generosos espaços a contra-ataques.

Isso é coisa que o Santos do artilheiro Ricardo Oliveira não costuma perdoar.

Inter bobeia e leva para o México vantagem muito pequena

D'Alessandro: gol aos 4 minutos

D’Alessandro: gol logo aos 4 minutos

O desenho do jogo foi todo favorável ao Internacional: um gol logo aos 4 minutos, marcado por D’Alessandro, outro aos 9, de Valdívia, indicavam que a classificação para a final da Libertadores poderia se decidir na noite destaquarta, 15, no Beira-Rio.

E não era só o placar. O volume de jogo do Inter no ataque e o encolhimento do Tigres na defesa sugeriam uma vitória tranquila, talvez por goleada.

Falsa impressão. Feito o reconhecimento do terreno, apesar do prejuízo acumulado em tão poucos minutos, o Tigres foi se acertando e, num de seus primeiros ataques, conseguiu o gol de Ayala.

E mais teria conseguido nos minutos seguintes se não fosse o goleiro Alisson fazer dois milagres.

O jogo ficou difícil, mas o zagueiro Ayala tratou de facilitar a vida do Inter ao receber um segundo cartão amarelo logo aos 12 minutos do segundo tempo.

Nem com 11 contra 10 em campo, porém, os colorados tiveram competência para ampliar a vantagem.

A decisão da vaga na final ficou para a próxima quarta-feira, dia 22, no México. O Internacional precisa apenas de um empate. Ao Tigres, basta vencer por 1 a 0.

O Inter vai ter de mostrar em Monterrey muito mais do que mostrou nos 2 a 1 em Porto Alegre para ir à final contra o River Plate – ou você acredita que o Guaraní descontará em Assunção a derrota por 2 a 0 que sofreu na terça em Buenos Aires?

Antes de Everaldo, houve Oreco

Denise Helena recebe de Clodoaldo homenagem  a  Everaldo - Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Denise Helena recebe de Clodoaldo homenagem a Everaldo – Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Denise Helena, filha de Everaldo, o lateral esquerdo da Seleção que conquistou o tricampeonato mundial em 1970, recebeu ontem no gramado Beira-Riouma réplica da camisa usada naquela gloriosa campanha em campos mexicanos e uma camisa atual autografada por todos os jogadores chamados por Dunga para disputar a Copa América.

Companheiro de Everaldo naquele timaço que tinha Pelé, Carlos Alberto, Gérson, Rivellino e Tostão, Clodoaldo entregou as camisas a Denise Helena antes de Brasil 1 x 0 Honduras.

A merecida homenagem está registrada pelo site da CBF com um erro factual ao se referir ao lateral gremista como “primeiro jogador gaúcho a ser campeão do mundo”.

Na verdade, o primeiro foi Valdemar Rodrigues Martins, gaúcho de Santa Maria, conhecido no mundo da bola como Oreco, que jogou sete anos pelo Internacional e oito pelo Corinthians, campeão do mundo em 1958, como reserva do mitológico Nilton Santos.