Arquivo da tag: Grupo A

Isto é Cristiano Ronaldo

Cristiano Ronaldo: 501 gols na carreira

Cristiano Ronaldo: 501 gols na carreira, 323 pelo Real

O goleador voltou.

Cristiano Ronaldo marcou há pouco os gols da vitória por 2 a 0 sobre o Malmö, confirmou o Real Madrid na liderança do Grupo A da Liga dos Campeões da Europa e quebrou mais algumas marcas pessoais.

Depois de duas semanas de seca, foi na Suécia que o craque português do Real finalmente marcou o 500º e o 501º gols da carreira.

Ninguém fez tantos gols quanto ele com a camisa do Real Madrid: são 323 gols, recorde que agora ele divide com Raúl. Diferença gritante: a partida em Malmö foi a 308ª de Cristiano Ronaldo; Raúl jogou 741 vezes pelo Real.

Ninguém fez tantos gols quanto ele na Liga dos Campeões da Europa: são 82 gols em 117 jogos, média de 0,70 por jogo, ainda inferior ao do rival Lionel Messi (77 gols em 100 jogos).

Desta vez, Cristiano Ronaldo reagiu aos próprios feitos com incomum humildade:

– Tenho de admitir que estou feliz por ter atingido mais essas marcas, ter-me tornado o maior goleador do Real Madrid, que é o maior clube da história. Estou muito orgulhoso e feliz, é um grande momento para mim, mas o mais importante foi a equipe ter vencido o jogo.

Anúncios

Chile goleia em ritmo de treino para as quartas de final

Alexis Sánchez: finalmente, o primeiro gol na Copa América

Alexis Sánchez: finalmente, o primeiro gol na Copa América

Correu tudo do jeito que os chilenos queriam: no primeiro jogo, em Rancagua, o Equador bateu o México por 2 a 1 e já garantiu matematicamente a classificação dos anfitriões da Copa América para as quartas de final.

No Estádio Nacional de Santiago, o Chile liquidou a fatura logo nos 45 minutos iniciais, fazendo 2 a 0 na Bolívia e, satisfeito, poupou Alexis Sánchez e Vidal no segundo tempo.

A facilidade que a equipe teve para fechar a primeira fase na liderança isolada do Grupo A, com sete pontos, foi completada pela felicidade de ver o astro Alexis Sánchez, após acertar duas vezes o travessão do boliviano Romel Quiñonez, finalmente marcar um gol na Copa América.

Fatura liquidada, o Chile tratou de levar o segundo tempo em ritmo de treinamento sem perder o apetite no ataque.

O colorado Aránguiz, que tinha aberto o placar logo aos 2 minutos do jogo, fez 3 a 0. Medel fez 4 a 0 após receber um passe perfeito de Valdivia, que já tinha feito a assistência para o gol de Alexis Sánchez no primeiro tempo. O boliviano Ronald Raldés resolveu aderir à festa e, desviando um cruzamento de Angelo Henríquez para o próprio gol, fechou o placar: 5 a 0 para o Chile.

Agora, enquanto espera a definição do adversário nas quartas de final, que será o melhor dos terceiros colocados, Jorge Sampaoli terá tempo para azeitar ainda mais as já bem azeitadas linhas do time que vai confirmando a condição de candidato ao título. O jogo será na quarta-feira, dia 24, novamente em Santiago.

A Bolívia também se classificou para as quartas e vai enfrentar o segundo colocado do Grupo C, do Brasil, na quinta-feira, 25, em Temuco.

Mexico x Equador pode esvaziar Chile x Bolívia

Arturo Vidal: atração de Chile x Bolívia

Arturo Vidal: após acidente, atração de Chile x Bolívia

O México desembarcou no Chile com uma seleção alternativa àquela que está se preparando para disputar a Copa Ouro em julho e ainda deu o azar de perder por contusão os experientes Rafa Márquez e Adrián Aldrete, mas sobreviverá na Copa América se vencer o Equador no jogo que abre em Rancagua a terceira rodada da fase de grupos da competição.

Se perder, vai embora. Se empatar, ainda pode sobreviver como um dos dois terceiros colocados em seus respectivos grupos que irão às quartas de final. Ficando no Chile ou indo embora, este arremedo de México pouca falta fará à Copa América, mas curiosamente pode decidir às 18 horas (de Brasília) a classificação de Chile e Bolívia, que se enfrentarão apenas às 20h30.

Além de injusto, o calendário de jogos da Copa América é burro.

Se o México não vencer no começo da noite, chilenos e bolivianos estarão antecipadamente garantidos nas quartas e jogarão no Estádio Nacional de Santiago apenas para definir a ordem de classificação no Grupo A – ou para que a torcida confira em campo como Arturo Vidal está de saúde depois do acidente em que contundiu sua mulher e destroçou sua Ferrari.

Não está tão fácil quanto o Chile imaginava

Valdivia: gol anulado erradamente

Valdivia: gol anulado erradamente

A tabela não poderia ser mais camarada com os anfitriões: estreia contra o fraquinho Equador, segundo jogo contra o mediano México e decisão do grupo contra a Bolívia de sempre. Dando tudo certo, ou Brasil ou Argentina cairia no meio do caminho e assim estaria escancarado o caminho do Chile até a final.

O problema é que as coisas começaram a embolar já na segunda rodada do Grupo A desta Copa América, com a vitória da Bolívia sobre o Equador por 3 a 2 e, surpresa das surpresas, o 3 a 3 entre Chile e o México meio reserva no jogo de fundo da noite.

Assim, Chile e Bolívia chegarão à última rodada da fase de grupos empatados em pontos, ambos com quatro, e postos em ordem de classificação pelo saldo de gols. O México, com dois pontos, também continua na briga, até porque dois dos terceiros colocados em cada grupo chegarão às quartas de final. O Equador, zerado,  é o único do quarteto que já pode ir tratando de arrumar as malas da viagem de volta para casa.

É verdade que o árbitro peruano Víctor Carrillo do 3 a 3 em Santiago tirou parte da vantagem que a tabela da Copa América tinha generosamente oferecido aos anfitriões, anulando um gol de Valdivia e outro de Aléxis Sanchez, que lhes dariam justa vitória sobre os mexicanos.

É igualmente verdade que o time comandado pelo argentino Jorge Sampaoli adota um modelo quase suicida de jogo, quase sempre com muitos jogadores à frente da linha da bola, o que se configura em irrecusável convite ao contra-ataque dos adversários.

E o México soube aproveitar o terreno despovoado entre a vanguarda e a retaguarda chilena para ameaçar muitas vezes o gol de Bravo. O futebol moderno, mesmo o praticado pelos times muito ofensivos, pede compactação. O Chile, ao contrário, espalha seus jogadores entre as duas áreas.