Arquivo da tag: Aléxis Sanchez

Brasil esquece no segundo tempo o que fez no primeiro

Dunga: "o jogo foi muito parelho”

Dunga, após Chile 2 x 0 Brasil: “o jogo foi muito parelho”

É difícil entender por que o Brasil desistiu de fazer no segundo tempo a marcação mais à frente que lhe dera maior posse de bola e obrigara tantas vezes o Chile a se encolher em seu campo para procurar o ataque quase sempre em bolas esticadas para a direita nos espaços  abertos pelos avanços do lateral Marcelo.

Foi até surpreendente ver o Brasil de Dunga bem agrupado, sem espaços vazios entre as linhas de defesa e ataque, insistindo  em tocar a bola de pé em pé, só muito raramente apelando para os chutões dos zagueiros.

É verdade que por muito pouco o Chile não fez 1 a 0 num chute venenoso de Alexis Sánchez que desviou no poste direito de Jeferson, mas o Brasil atacou bastante, sempre liderado tecnicamente por Willian, e maior sucesso poderia ter alcançado se Oscar, fazendo o papel que é de Neymar, não estivesse tão acanhado em campo.

No segundo tempo, curiosamente, Oscar se soltou mais, mas o Brasil resolveu se prender na defesa e apostar nos contra-ataques. Jorge Sampaoli, ainda no primeiro tempo, tinha substituído por Mark González e o Chile passou a atacar também pelo setor de Daniel Alves.

Como tantas vezes vimos nos amistosos depois da Copa do Mundo e nos jogos da Copa América, a Seleção foi se dividindo em setores estanques e cedendo espaços entre suas linhas para a livre e insinuante movimentação do bom time chileno.

A impressão, desde que a bola voltou a rolar no Estádio Nacional, era de que o gol chileno poderia sair a qualquer momento. E saiu aos 27 minutos com um toque de primeira do esperto Vargas em bola esticada na cobrança de uma falta lá do Pacífico.

Os 2 a 0, aos 44 minutos, com assinatura de Aléxis Sanchez após uma após uma tabelinha com Vidal entre brasileiros mais ou menos atarantados à frente da área foi mera consequência do que se viu durante todo o segundo tempo.

A Seleção desistiu de jogar, achando que o 0 a 0 seria bom negócio, o Chile resolveu se impor.

Vamos torcer para que os 45 minutos iniciais do Brasil em Santiago não tenham sido ilusão passageira.

O problema é que Dunga achou que “o jogo foi muito parelho”:

– O gol mudou tudo – disse, na entrevista coletiva.

Parece que não viu o segundo tempo. O jogo mudou e, por isso, o Chile chegou ao gol – aos gols, aliás.

Alexis Sánchez já não preocupa os chilenos

Alexis Sánchez, convocado por Jorge Sampaoli para os jogos do Chile contra o Brasil, no dia 5 de outubro em Santiago, e o Peru, dia 13 em Lima, ambos pelas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo de 2018, deslanchou de vez e marcou todos os gols do Manchester United na vitória deste sábado sobre o Sunderland.

Os 3 a 0 dão a liderança do Campeonato Inglês ao Manchester e encerram as preocupações dos chilenos com a aparente má forma de seu principal atacante, que ainda não havia marcado nenhum gol nesta temporada.

Que Messi, que nada! Chi Chi Chi le le le!!!

Aléxis Sánchez campeão 047x            Após bater pênalti decisivo, Aléxis Sánchez festeja o título da Copa América

Aléxis Sánchez foi o cara da decisão.

Jogou bem os 90 minutos, quase garantiu o título de campeão no finzinho do primeiro tempo da prorrogação após uma furada estrondosa de Mascherano no meio do campo que lhe abriu o caminho até o chute por cima do gol argentino, e matou o goleiro Romero no pênalti decisivo ao rolar a bola de mansinho no canto oposto a que ele se jogou.

O primeiro título da seleção chilena em mais de um século de tentativas deve-se ao futebol coletivo e corajoso posto em prática pelo argentino Jorge Sampaoli, mas principalmente ao talento e à disposição de jogadores como Aléxis Sánchez, Vidal, Bravo, Isla, Aránguiz, Medel, Valdivia e  Vargas.

Cafu, Jairzinho, Zetti e Mauro Galvão tinham razão: o Chile é merecidamente o campeão da Copa América e Messi, que tudo já conquistou nos campos com a camisa do Barcelona, continuará em jejum com a camisa da Argentina.

Nem adianta a gente fingir que não gostou.

Não foi fácil, mas o Chile está na final da Copa América

Vargas 1 a 0 296       Vargas garante a vitória por 2  a1 sobre o Peru e coloca o Chile na decisão do título

Foi o melhor jogo desta Copa América, muito mais difícil do que os chilenos esperavam. O Peru não entregou os pontos nem depois de ficae com dez em campo, logo aos 19 minutos, quando José Argote mostrou o segundo cartão amarelo a Zambrano e tirou-o do jogo.

Muito simpático aos anfitriões, o árbitro venezuelano foi rigoroso demais com os visitantes.Enquanto o jogo era de 11 contra 11, o Peru tinha chegado mais perto de abrir o placar. Com um homem a mais, o Chile retomou passou a ditar o ritmo da partida, embora sem a volúpia ofensiva de outras jornadas.

Aos 41, novamente beneficiados pela arbitragem, os chilenos finalmente fizeram 1 a 0.

Aléxis Sanchez fez boa jogada, entrando em diagonal na área de Gallese pelo lado esquerdo, e tocou com categoria para o gol. No caminho, Aránguiz fez um corta-luz, a bola bateu no poste esquerdo de Gallese e voltou para Vargas, impedido e meio atrapalhado, tocar de leve para o gol.

Estava decidido o jogo?

Talvez, se aos 3 minutos do segundo tempo um novo erro da arbitragem não tivesse beneficiado os peruanos. Vargas fez mais um para o Chile, desta vez em posição legal, mas Argote erradamente marcou o impedimento assinalado pelo bandeirinha.

Os peruanos redobraram a disposição de procurar o empate. E, aos 15, chegaram ao 1 a 1 com um gol contra de Medel.

Demorou pouco a alegria do Peru. Três minutos depois, com um chute forte e venenoso de muito longe, Vargas surpreendeu Gallese e fez 2 a 1 para o Chile.

Foi tudo. Agora os chilenos vão torcer pelo Paraguai amanhã contra a Argentina, guardando forças, porém, para a grande final do sábado.

É o Chile de Sampaoli contra o Santo Guerrero

Sampaoli: "Não podemos perder a bola"

Sampaoli elogia ataque peruano: “Não podemos perder a bola”

Um Paolo Guerrero, mesmo ajudado por Pizarro, Farfán e Cueva, não bastará ao Peru para tirar hoje do Chile de Aránguiz, Vidal, Valdivia, Alexis Sánchez e Vargas, no Estádio Nacional de Santiago, o sonho de chegar à final da Copa América, provavelmente contra a Argentina, e vencê-la.

Chegar à final, a esta altura da Copa América, não será tão difícil assim para os chilenos, haverão de concordar até os peruanos mais sensatos. Conquistar o caneco, que o Chile jamais conquistou, é que é o xis do problema.

Pelo futebol mostrado até agora nesta edição da mais antiga competição entre seleções de futebol em todo o mundo, nenhuma equipe merece mais o título do que o Chile que Jorge Sampaoli vem cuidadosamente azeitando desde 2012.

O problema dos chilenos é que o time da Argentina lhes é tecnicamente superior e tem um tal de Lionel Messi.

O estilo ofensivo e corajoso, às vezes temerário, adotado a partir de 2007 por Marcelo Bielsa e retrabalhado nos últimos anos por seu pupilo Sampaoli, implica em riscos defensivos que os argentinos não costumam perdoar.

Basta, no entanto, de levar este papo como se peruanos, hoje, e paraguaios, amanhã, não estivessem também buscando nos campos chilenos o caneco ou, pelo menos, a participação na grande final marcada para o sábado, 4 de julho.

Uma olhada no vídeo  em que a Federação Peruana de Futebol propagandeia seu otimismo nos mostra que os chilenos enfrentarão às 20h30, em seu Estádio Nacional, 11 guerreiros dispostos a provar que favoritismo não decide jogo.

Sampaoli sabe o que vem pela frente:

– O Peru tem um quarteto ofensivo muito difícil de enfrentar, com Guerrero, Farfán, Cuevas e Pizarro, e dois volantes bastante aguerridos. Não podemos perder a bola e permitir que ela chegue aos atacantes deles.

Tradução: o Chile, como tem feito até agora, vai brigar pela bola o mais próximo possível da meta de Gallese; o Peru vai apostar nos contra-ataques, esperando que eles se encerrem nos pés do seu Santo Guerrero.

Chile busca em casa a alegria dos campeões

Campanha na Copa América anima a torcida chilena

Campanha na Copa América faz a torcida chilena sonhar com título inédito

Os melhores momentos desta medíocre Copa América foram proporcionados pela Argentina de Messi no primeiro tempo do 2 a 2 com o Paraguai e  em boa parte do 1 a 0 sobre o Uruguai, mas a melhor seleção até agora é a do Chile, que  joga futebol e se arrisca durante os 90 minutos de cada jogo.

O jogo das 20h30 em Santiago, contra o aguerrido e defensivo Uruguai, vai mostrar se o Chile é mesmo candidato ao título que jamais conquistou em quase um século de Copa América. Até porque vale a sobrevivência na competição.

Quem perder, seja com a bola em jogo seja na disputa por pênaltis, cai fora. E quem vencer terá vida bem mais fácil do que os demais adversários nas semifinais. Pegará Bolívia ou Peru. Do outro lado, pode dar um Brasil x Argentina, por exemplo.

Voltemos às quartas. O Chile de Aránguiz, Vidal, Valdivia e Alexis Sánchez marcou dez gols nos três jogos da primeira fase, levou três. Nenhuma outra seleção fez mais de quatro. O Uruguai de Cavani, que pode até não jogar hoje, fez dois e levou outros dois.

É verdade que os chilenos pegaram tripla moleza: Equador, México e Bolívia. Depois do embalo ao som do reggae jamaicano, os uruguaios encararam duas paradas duras: Argentina e Paraguai.

Mais do que os números, o que diferencia os adversários desta noite no Estádio Nacional é o futebol que estão jogando nos últimos tempos.

O Uruguai de Óscar Tabárez se agrupa quase todo na defesa, esperando matar o jogo nas poucas oportunidades em que contra-ataca, receita que tem chances bem maiores de dar certo quando joga um certo Luis Suárez. Sem seu grande craque, o atual campeão da Copa América precisaria pelo menos de um Cavani menos discreto do que se tem visto no Chile, mas corre o risco de tê-lo em campo com a cabeça longe, ligada no drama vivido por seu pai desde o acidente provocou a morte de um motociclista no Uruguai.

O Chile de Jorge Sampaoli corre riscos permanentes na defesa, mas pressiona incessantemente o adversário no meio de campo e no ataque e procura o gol com a obsessão que não se vê em outras equipes nesta Copa América. O argentino Sampaoli explica:

– O grupo está convencido de que a forma de ganhar é jogando. Por isso, fica poderoso no ataque.

Ele sabe muito bem o que tem pela frente:

– A partida é uma final, uma oportunidade única contra um adversário que conhece muito bem esse tipo de jogo. Temos de pensar o melhor para o Chile. E o melhor é jogar.

Vamos ao jogo, então.

Chile goleia em ritmo de treino para as quartas de final

Alexis Sánchez: finalmente, o primeiro gol na Copa América

Alexis Sánchez: finalmente, o primeiro gol na Copa América

Correu tudo do jeito que os chilenos queriam: no primeiro jogo, em Rancagua, o Equador bateu o México por 2 a 1 e já garantiu matematicamente a classificação dos anfitriões da Copa América para as quartas de final.

No Estádio Nacional de Santiago, o Chile liquidou a fatura logo nos 45 minutos iniciais, fazendo 2 a 0 na Bolívia e, satisfeito, poupou Alexis Sánchez e Vidal no segundo tempo.

A facilidade que a equipe teve para fechar a primeira fase na liderança isolada do Grupo A, com sete pontos, foi completada pela felicidade de ver o astro Alexis Sánchez, após acertar duas vezes o travessão do boliviano Romel Quiñonez, finalmente marcar um gol na Copa América.

Fatura liquidada, o Chile tratou de levar o segundo tempo em ritmo de treinamento sem perder o apetite no ataque.

O colorado Aránguiz, que tinha aberto o placar logo aos 2 minutos do jogo, fez 3 a 0. Medel fez 4 a 0 após receber um passe perfeito de Valdivia, que já tinha feito a assistência para o gol de Alexis Sánchez no primeiro tempo. O boliviano Ronald Raldés resolveu aderir à festa e, desviando um cruzamento de Angelo Henríquez para o próprio gol, fechou o placar: 5 a 0 para o Chile.

Agora, enquanto espera a definição do adversário nas quartas de final, que será o melhor dos terceiros colocados, Jorge Sampaoli terá tempo para azeitar ainda mais as já bem azeitadas linhas do time que vai confirmando a condição de candidato ao título. O jogo será na quarta-feira, dia 24, novamente em Santiago.

A Bolívia também se classificou para as quartas e vai enfrentar o segundo colocado do Grupo C, do Brasil, na quinta-feira, 25, em Temuco.

Não está tão fácil quanto o Chile imaginava

Valdivia: gol anulado erradamente

Valdivia: gol anulado erradamente

A tabela não poderia ser mais camarada com os anfitriões: estreia contra o fraquinho Equador, segundo jogo contra o mediano México e decisão do grupo contra a Bolívia de sempre. Dando tudo certo, ou Brasil ou Argentina cairia no meio do caminho e assim estaria escancarado o caminho do Chile até a final.

O problema é que as coisas começaram a embolar já na segunda rodada do Grupo A desta Copa América, com a vitória da Bolívia sobre o Equador por 3 a 2 e, surpresa das surpresas, o 3 a 3 entre Chile e o México meio reserva no jogo de fundo da noite.

Assim, Chile e Bolívia chegarão à última rodada da fase de grupos empatados em pontos, ambos com quatro, e postos em ordem de classificação pelo saldo de gols. O México, com dois pontos, também continua na briga, até porque dois dos terceiros colocados em cada grupo chegarão às quartas de final. O Equador, zerado,  é o único do quarteto que já pode ir tratando de arrumar as malas da viagem de volta para casa.

É verdade que o árbitro peruano Víctor Carrillo do 3 a 3 em Santiago tirou parte da vantagem que a tabela da Copa América tinha generosamente oferecido aos anfitriões, anulando um gol de Valdivia e outro de Aléxis Sanchez, que lhes dariam justa vitória sobre os mexicanos.

É igualmente verdade que o time comandado pelo argentino Jorge Sampaoli adota um modelo quase suicida de jogo, quase sempre com muitos jogadores à frente da linha da bola, o que se configura em irrecusável convite ao contra-ataque dos adversários.

E o México soube aproveitar o terreno despovoado entre a vanguarda e a retaguarda chilena para ameaçar muitas vezes o gol de Bravo. O futebol moderno, mesmo o praticado pelos times muito ofensivos, pede compactação. O Chile, ao contrário, espalha seus jogadores entre as duas áreas.