Arquivo da tag: Chile x Brasil

Quem vai fazer companhia a Neymar?

Chile x Brasil: Douglas Costa e Elias, titulares; Lucas Lima, reserva? - Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Chile x Brasil: Douglas Costa e Elias, titulares; Lucas Lima, reserva? – Foto: Rafael Ribeiro/CBF

É bem provável, embora seja difícil apostar, pois Dunga vem fazendo o que pode para esconder o jogo, que o Brasil enfrente o Chile em Santiago, na noite desta quinta, com Jefferson no gol, Daniel Alves, Miranda, David Luiz, Filipe Luís, Luiz Gustavo, Elias, Oscar, Willian, Douglas Costa e Hulk.

Os muito pessimistas e/ou debochados dirão que teremos no gramado do Estádio Nacional cinco motivos – ou sete, se Dunga escalar Fernandinho e não Elias, Marcelo e não Filipe Luís – para relembrar os 7 a 1 das semifinais da Copa do Mundo de 2014 há exatos 15 meses.

Certo é que a Seleção vai estrear nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 sem ter ainda uma cara definida, problema que se agrava enormemente com a ausência de Neymar.

Já deveríamos estar esboçando o time que pretende lutar pelo hexa, mas nem sequer temos ainda o time que precisa lutar por uma das 31 vagas na Rússia.

Nossos adversários, incluindo o Chile e talvez excluindo a Argentina, escalarão na rodada de abertura das Eliminatórias Sul-Americanos times muito parecidos com aqueles que pretendem desembarcar em campos russos.

Nós ainda não temos certeza no gol, nas duas laterais, na zaga, no meio de campo e no ataque.

Nós não temos certeza nenhuma? Exagero, mas se parece certo que David Luiz, Luiz Gustavo, Elias, Oscar, Willian e Douglas Costa estarão na Seleção até 2018, quantos continuarão titulares até lá?

Jogadores que estão na fila (como o zagueiro Gil, o lateral Marcelo, os meias Renato Augusto e Lucas Lima), saíram da fila (como o zagueiraço Thiago Silva) ou ainda não entraram na fila (como o volante/meia Danilo e o atacante Gabriel Jesus) podem e devem sonhar com a camisa titular na Rússia, mas precisam correr desde já para ajudar o Brasil a chegar lá.

Por enquanto, o jogo que vale é o das Eliminatórias. Serão 18 chances de mostrar que o Brasil, ao contrário do que proclamam alguns, ainda é o país do futebol. O desafio começa às 20h30 desta quinta-feira, 8 de outubro.

Anúncios

Não há freguês como o Chile nas Eliminatórias

Parece surpreendente, mas a verdade é que, dos cinco confrontos da rodada de abertura das Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo, Chile x Brasil é historicamente o mais desequilibrado – a favor do Brasil, pode acreditar, mesmo que você esteja pensando o contrario de tanto ler e ouvir os temores de grande parte da mídia.

Foram dez jogos até agora pelas Eliminatórias, com sete vitórias brasileiras, dois empates e uma vitória chilena.

Como mandante, o Chile conseguiu sua única vitória e os dois empates, e foi derrotado duas vezes.

Bolívia e Uruguai já se enfrentaram 18 vezes, com oito vitórias uruguaias, cinco bolivianas e cinco empates.

O Uruguai não venceu nenhum dos nove jogos disputados na Bolívia.

Colômbia e Peru também fizeram 18 jogos pelas Eliminatórias, com dez vitórias colombianas, três peruanas e cinco empates.

Curiosamente, das três vitórias do Peru, duas foram obtidas em campos colombianos.

Em 12 jogos entre Venezuela e Paraguai, venceram nove, empataram um e foram derrotados em dois, um em casa e um como visitante.

Argentina e Equador também se enfrentaram 12 vezes nas Eliminatórias, com sete vitórias argentinas, três equatorianas e três empates.

Como anfitriã, a Argentina jamais perdeu do Equador. São cinco vitórias e um empate.

Em resumo: a história mostra que, embora a seleção do Chile esteja vivendo seus melhores momentos, os chilenos têm bons motivos para temer os adversários que receberão amanhã no Estádio Nacional. Afinal, o Chile é um bom freguês.

Seleção ainda está chegando

Kaká, na chegada: “Vamos encontrar um Chile supermotivado” - Foto: Leo Correa/Mowa Press

Kaká: “Vamos encontrar um Chile supermotivado” – Foto: Leo Correa/Mowa Press

Chamado por Dunga no domingo para ocupar a vaga aberta pela contusão de Philippe Coutinho, Kaká desembarcou na manhã desta terça-feira em Santiago e já vai participar do treino da tarde para a partida contra o Chile que abrirá, quinta, a participação do Brasil nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. Sem saber se será escalado, e provavelmente não será, Kaká espera “um jogo muito difícil”:

– Vamos encontrar um Chile super motivado, campeão da Copa América, com uma seleção experiente, que joga junto há muito tempo. São jogadores maduros, um time muito perigoso e tarimbado.

Kaká nem se lembrou de que o Brasil não perde para o Chile há mais de 15 anos. São 14 jogos de invencibilidade desde os 3 a 0 em 15 de agosto de 2000, lá mesmo em Santiago, pelas Eliminatórias da Copa do Japão e da Coreia, que nos daria pela última vez o título mundial, o penta.

Hoje, a seleção chilena vive em melhor momento do que a brasileira e, para piorar a situação, só nesta terça Dunga terá todos os 23 convocados à sua disposição.

Além do ‘norte-americano’ Kaká, também chegaram hoje a Santiago do Chile os ‘franceses’ David Luiz, Marquinhos e Lucas. O ‘alemão’ Douglas Costa ainda é esperado por Dunga.

Seleção não terá Neymar

O Tribunal Arbitral do Esporte negou hoje o pedido da CBF para livrar Neymar de cumprir nos jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 a suspensão que lhe foi imposta na Copa América.

Portanto, o Brasil enfrentará o Chile, no dia 8, e a Venezuela, no dia 13, sem sua maior estrela.

Seleção viaja em bandos para estreia nas Eliminatórias

Daqui a uma semana, exatamente no dia 8, o Brasil estreará nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 enfrentando em Santiago a seleção do Chile, campeã da América do Sul.

Dunga e companheiros da comissão técnica embarcarão para a capital chilena na tarde do domingo, dia 3.

Os goleiros Jefferson, que jogará amanhã pelo Botafogo no Maranhão, e Alison, que defenderá o Internacional no sábado contra o Sport em Porto Alegre, viajarão com a comissão técnica.

Os corintianos Gil, Elias e Renato Augusto, os santistas Lucas Lima e Ricardo Oliveira, o gremista Marcelo Grohe, que têm jogos pelo Brasileirão no domingo, e os 14 jogadores que atuam no futebol europeu vão chegar a Santiago durante a segunda-feira, de um em um ou em pequenos bandos.

Ainda suspenso pela Fifa & Conmebol, Neymar pode até aparecer, dependendo do que decida o Tribunal Arbitral de Esporte, talvez amanhã, e da boa vontade posterior do Barcelona. Se for  ao Chile, nem ele sabe quando.

Adivinhe quem não vai de jeito nenhum. É a única certeza da Seleção pentacampeã mundial às vésperas de começar a disputa por uma vaga na próxima Copa.

Alexis Sánchez já não preocupa os chilenos

Alexis Sánchez, convocado por Jorge Sampaoli para os jogos do Chile contra o Brasil, no dia 5 de outubro em Santiago, e o Peru, dia 13 em Lima, ambos pelas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo de 2018, deslanchou de vez e marcou todos os gols do Manchester United na vitória deste sábado sobre o Sunderland.

Os 3 a 0 dão a liderança do Campeonato Inglês ao Manchester e encerram as preocupações dos chilenos com a aparente má forma de seu principal atacante, que ainda não havia marcado nenhum gol nesta temporada.

O momento é de Ricardo Oliveira. E o futuro?

Ricardo Oliveira @249@                                     Ricardo Oliveira: artilheiro do Brasil volta à Seleção

Aos 35 anos, completados no dia 6 de maio, o santista Ricardo Oliveira está de volta à Seleção, chamado há pouco por Dunga para substituir Roberto Firmino, que tria se contundido nos poucos minutos que jogou no Liverpool 1 x 1 Norwich City da sexta rodada do Campeonato Inglês.

Se futebol é momento, como pregam tantos, Ricardo Oliveira é o homem certo para o Brasil que vai estrear nas Eliminatórias contra o Chile em Santiago e, em seguida, pegará a Venezuela em Fortaleza.

Artilheiro disparado do Campeonato Brasileiro, com 17 gols, em ótima forma física e técnica, nada deslumbrado, Ricardo Oliveira certamente contribuirá agora com a Seleção que já defendeu sob o comando de Carlos Alberto Parreira na Copa América de 2004 e na Copa das Confederações de 2005, tendo ficado de fora da Copa do Mundo de 2006 por ter se lesionado pouco antes da convocação.

Com a camisa do Santos, ele foi o artilheiro da Libertadores de 2003, do Paulistão deste ano e quase certamente será do Brasileirão, pois tem seis gols a mais do que o vice-artilheiro Jádson. Deve fechar a temporada repetindo o feito único de um jogador santista na história do futebol, um certo Pelé, artilheiro das três competições – em doses bem mais elevadas (11 vezes do Paulistão, quatro do Campeonato Brasileiro, então disputado como Taça Brasil, e uma da Libertadores).

Pelé é de outro mundo, a gente sabe. No mundo dos meramente mortais, Ricardo Oliveira está com a bola toda.

Só não pode ser encarregado da cobrança de pênaltis, fardo que ontem finalmente transferiu ao garoto Gabigol na vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Figueirense pela Copa do Brasil.

Se pensarmos que o Brasil tem de se classificar para a Copa da Rússia e simultaneamente montar um time minimamente capaz de brigar pelo sexto título mundial, o goleador Ricardo Oliveira talvez já tenha passado do ponto. Afinal, terá 38 anos em 2018.