Chile busca em casa a alegria dos campeões

Campanha na Copa América anima a torcida chilena

Campanha na Copa América faz a torcida chilena sonhar com título inédito

Os melhores momentos desta medíocre Copa América foram proporcionados pela Argentina de Messi no primeiro tempo do 2 a 2 com o Paraguai e  em boa parte do 1 a 0 sobre o Uruguai, mas a melhor seleção até agora é a do Chile, que  joga futebol e se arrisca durante os 90 minutos de cada jogo.

O jogo das 20h30 em Santiago, contra o aguerrido e defensivo Uruguai, vai mostrar se o Chile é mesmo candidato ao título que jamais conquistou em quase um século de Copa América. Até porque vale a sobrevivência na competição.

Quem perder, seja com a bola em jogo seja na disputa por pênaltis, cai fora. E quem vencer terá vida bem mais fácil do que os demais adversários nas semifinais. Pegará Bolívia ou Peru. Do outro lado, pode dar um Brasil x Argentina, por exemplo.

Voltemos às quartas. O Chile de Aránguiz, Vidal, Valdivia e Alexis Sánchez marcou dez gols nos três jogos da primeira fase, levou três. Nenhuma outra seleção fez mais de quatro. O Uruguai de Cavani, que pode até não jogar hoje, fez dois e levou outros dois.

É verdade que os chilenos pegaram tripla moleza: Equador, México e Bolívia. Depois do embalo ao som do reggae jamaicano, os uruguaios encararam duas paradas duras: Argentina e Paraguai.

Mais do que os números, o que diferencia os adversários desta noite no Estádio Nacional é o futebol que estão jogando nos últimos tempos.

O Uruguai de Óscar Tabárez se agrupa quase todo na defesa, esperando matar o jogo nas poucas oportunidades em que contra-ataca, receita que tem chances bem maiores de dar certo quando joga um certo Luis Suárez. Sem seu grande craque, o atual campeão da Copa América precisaria pelo menos de um Cavani menos discreto do que se tem visto no Chile, mas corre o risco de tê-lo em campo com a cabeça longe, ligada no drama vivido por seu pai desde o acidente provocou a morte de um motociclista no Uruguai.

O Chile de Jorge Sampaoli corre riscos permanentes na defesa, mas pressiona incessantemente o adversário no meio de campo e no ataque e procura o gol com a obsessão que não se vê em outras equipes nesta Copa América. O argentino Sampaoli explica:

– O grupo está convencido de que a forma de ganhar é jogando. Por isso, fica poderoso no ataque.

Ele sabe muito bem o que tem pela frente:

– A partida é uma final, uma oportunidade única contra um adversário que conhece muito bem esse tipo de jogo. Temos de pensar o melhor para o Chile. E o melhor é jogar.

Vamos ao jogo, então.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s