Arquivo diário: 19 de junho de 2015

Chile goleia em ritmo de treino para as quartas de final

Alexis Sánchez: finalmente, o primeiro gol na Copa América

Alexis Sánchez: finalmente, o primeiro gol na Copa América

Correu tudo do jeito que os chilenos queriam: no primeiro jogo, em Rancagua, o Equador bateu o México por 2 a 1 e já garantiu matematicamente a classificação dos anfitriões da Copa América para as quartas de final.

No Estádio Nacional de Santiago, o Chile liquidou a fatura logo nos 45 minutos iniciais, fazendo 2 a 0 na Bolívia e, satisfeito, poupou Alexis Sánchez e Vidal no segundo tempo.

A facilidade que a equipe teve para fechar a primeira fase na liderança isolada do Grupo A, com sete pontos, foi completada pela felicidade de ver o astro Alexis Sánchez, após acertar duas vezes o travessão do boliviano Romel Quiñonez, finalmente marcar um gol na Copa América.

Fatura liquidada, o Chile tratou de levar o segundo tempo em ritmo de treinamento sem perder o apetite no ataque.

O colorado Aránguiz, que tinha aberto o placar logo aos 2 minutos do jogo, fez 3 a 0. Medel fez 4 a 0 após receber um passe perfeito de Valdivia, que já tinha feito a assistência para o gol de Alexis Sánchez no primeiro tempo. O boliviano Ronald Raldés resolveu aderir à festa e, desviando um cruzamento de Angelo Henríquez para o próprio gol, fechou o placar: 5 a 0 para o Chile.

Agora, enquanto espera a definição do adversário nas quartas de final, que será o melhor dos terceiros colocados, Jorge Sampaoli terá tempo para azeitar ainda mais as já bem azeitadas linhas do time que vai confirmando a condição de candidato ao título. O jogo será na quarta-feira, dia 24, novamente em Santiago.

A Bolívia também se classificou para as quartas e vai enfrentar o segundo colocado do Grupo C, do Brasil, na quinta-feira, 25, em Temuco.

Anúncios

Não há do que reclamar

O Tribunal Disciplinar da Conmebol suspendeu Neymar por quatro jogos. O craque está fora da Copa América.

Não se pode falar em injustiça nem sequer em punição exagerada.

Quem exagerou foi Neymar.

Brasil ataca a Sérvia em busca do hexa

Boschilia e Zivkovic determinam o ritmo de Brasil e Sérvia

Sub-20: Boschilia e Zivkovic determinam o ritmo de Brasil e Sérvia

O Brasil  é levemente favorito, mas não espere um jogo fácil se você está disposto a acompanhar de madrugada – a partir das 2 horas – a decisão do título mundial sub-20:

– Tenho 21 leões – lembra o treinador Veljko Paunovic, exigindo que a Sérvia faça em Auckland sua melhor partida neste Mundial.

O brasileiro Rogério Micale aposta na força ofensiva de sua equipe, como mostra a escalação do meio de campo para a frente: Danilo, Jajá e Boschilia; Gabriel Jesus, Jean Carlos e Marcos Guilherme.

A ideia é pressionar a defesa sérvia e dificultar a ligação com o seu meio de campo, limitando o raio de ação dos criativos Zivkovic, Maksimovic e Milinkovic.

Em busca do hexa, o Brasil leva a vantagem física de ter feito um jogo fácil nas semifinais, goleando por 5 a 0 a seleção do Senegal, após cumprir jornadas de 120 minutos nas quartas (3 a 1 sobre Portugal nos pênaltis, 0 a 0 no jogo) e nas oitavas (5 a 4 sobre o Uruguai nos pênaltis, 0 a 0 no jogo).

A Sérvia não venceu nenhum jogo do mata-mata nos 90 minutos, mas nas oitavas bateu a Hungria por 2 a 1 na prorrogação, nas quartas derrotou os EUA por 6 a 5 na cobrança de pênaltis e nas semifinais venceu Mali por 2 a 1 também na prorrogação.

Os meias Andrija Zivkovic e Boschilia devem dar o tom ao jogo como principais artífices das manobras ofensivas da Sérvia e do Brasil.

Zivkovic ainda vai fazer 19 anos em julho, é um dos destaques do Partizan, já atuou em algumas partidas da seleção sérvia principal e é cobiçado por grandes clubes europeus, como o Real Madrid e o Chelsea.

O são-paulino Gabriel Boschilia fez 19 anos em março, estreou no Mundial sentado no banco de reservas, mas, desde que entrou no segundo tempo dos 4 a 2 sobre a Nigéria, não saiu mais do time. Tem a total confiança de Rogério Micale:

– Ele é o responsável por determinar nosso ritmo, sabe perfeitamente quando é preciso acelerar e quando temos de diminuir a intensidade de jogo.

Boschlia tamém sabe o que quer, como deixou claro em entrevista ao site da Fifa (leia em espanhol  ou em inglês):

– Estamos aqui para ganhar o Mundial. Queremos recuperar a imagem do futebol brasileiro. Depois da Copa do Mundo de 2014, parece que se perdeu um pouco o respeito pelos jogadores brasileiros. Queremos mostrar ao mundo inteiro que continuamos sabendo jogar futebol. Tivemos jogadores como Pelé, Ronaldo e Ronaldinho. Nós somos a próxima geração.

É o que a torcida espera que comece a ser comprovado daqui a algumas horas na Nova Zelândia.

Mexico x Equador pode esvaziar Chile x Bolívia

Arturo Vidal: atração de Chile x Bolívia

Arturo Vidal: após acidente, atração de Chile x Bolívia

O México desembarcou no Chile com uma seleção alternativa àquela que está se preparando para disputar a Copa Ouro em julho e ainda deu o azar de perder por contusão os experientes Rafa Márquez e Adrián Aldrete, mas sobreviverá na Copa América se vencer o Equador no jogo que abre em Rancagua a terceira rodada da fase de grupos da competição.

Se perder, vai embora. Se empatar, ainda pode sobreviver como um dos dois terceiros colocados em seus respectivos grupos que irão às quartas de final. Ficando no Chile ou indo embora, este arremedo de México pouca falta fará à Copa América, mas curiosamente pode decidir às 18 horas (de Brasília) a classificação de Chile e Bolívia, que se enfrentarão apenas às 20h30.

Além de injusto, o calendário de jogos da Copa América é burro.

Se o México não vencer no começo da noite, chilenos e bolivianos estarão antecipadamente garantidos nas quartas e jogarão no Estádio Nacional de Santiago apenas para definir a ordem de classificação no Grupo A – ou para que a torcida confira em campo como Arturo Vidal está de saúde depois do acidente em que contundiu sua mulher e destroçou sua Ferrari.

A doutora está certa: Robinho na Seleção!

Robinho: com ou sem Neymar - Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Robinho: com ou sem Neymar – Foto: Rafael Ribeiro/CBF

A sugestão é da psicóloga Sônia Román, que já trabalhou com Neymar, em entrevista à repórter Ana Paula Canhedo, da Gazeta Esportiva:

– Ele está irritado, sente que precisa resolver, precisa fazer mais. Sozinho não vai conseguir. Precisa, literalmente, chamar na chincha. Não pode ser bobo do treinador. Já está na hora de parar com essa submissão ao técnico, ele não é cobrado como um jogador normal. O que o Robinho está fazendo no banco? Os dois juntos podem fazer mais, ele não pode ser o herói sozinho de uma seleção.

Não se trata de uma questão apenas psicológica e talvez Neymar não deva correr o risco de peitar o treinador, mas a doutora Sonia tem razão em sugerir a escalação de Robinho nesta Seleção que fica com a bola mais tempo do que o adversário, mas não sabe o que fazer com ela entre a defesa e o ataque.

Fred é um jogador excessivamente confiante no próprio taco, que frequentemente espirra. Douglas Costa alterna bons e maus momentos num time que precisa fundamentalmente de constância. Philippe Coutinho ainda não se desinibiu com a camisa da Seleção. O que faz Robinho no banco?

O jogo contra a Venezuela dá a Dunga a chance de botar Robinho em campo, à frente de Fabinho e Elias, em linha com Willian à sua direita e Philippe Coutinho à sua esquerda, com Firmino (ou Tardelli) mais adiantado.

Mesmo não tendo se concretizado como o craque que se esperava, Robinho joga mais do que todos eles, está em boa forma, como vinha demonstrando com a camisa do Santos no Brasileirão, já foi campeão da Copa América, disputou duas Copas do Mundo e, portanto, tem a experiência internacional que falta a esta Seleção de muitos emergentes e raros talentos efetivamente estabelecidos no mundo da bola.

Se o Brasil chegar às quartas, o mínimo que se espera, e puder contar com Neymar, o que é possível em se tratando de um caso que será decidido nos corredores da Conmebol, Dunga poderá tirar  Philippe Coutinho ou até mesmo Firmino (ou Tardelli) e escalar a dupla que já fez sucesso no Santos e é pedida pela doutora Sônia, que pode até não ter dado jeito no impulsivo camisa 10, mas parece entender de futebol.