Arquivo diário: 7 de junho de 2015

Brasileirão: dos grandes, só o São Paulo está no G-4

Com exceção do São Paulo, agora sob direção do colombiano Juan Carlos Osorio, os mais badalados candidatos ao título brasileiro de 2015 saem da sexta rodada fora do G-4, que abriga o Atlético Paranaense, a Ponte Preta e o Sport, que acaba de empatar por 0 a 0 com o Fluminense no Maracanã.

Na vizinhança da zona nobre, seguem-se, pela ordem, o próprio Flu, o Atlético Mineiro, o Avaí, que bateu o Goiás no Serra Dourada por 1 a 0 agora há pouco, e o Corinthians.

Chapecoense e Internacional, que hoje cedo venceu o Coritiba por 2 a 0 no Beira-Rio, fecham a metade de cima da tabela.

Na metade inferior, Goiás e Grêmio abrem a fila, seguidos por Cruzeiro, Figueirense, Palmeiras e Santos, separados o 11º colocado do 16º por apenas dois pontos. O Figueirense derrotou o Palmeiras por 2 a 1 no Orlando Scarpelli no jogo desta noite.

Na zona de rebaixamento, estão Flamengo, Coritiba, Vasco e, único que nunca foi campeão brasileiro, o lanterninha Joinville.

Anúncios

A Seleção precisa mostrar mais na Copa América

Brasil 2 x 0 México 76Brasil 2 x 0 México, no Allianz Parque: gols de Philippe Coutinho e Diego Tardelli

Deu pro gasto, mas o garoto Fred ficou devendo. Com Neymar, seria até covardia bater neste México fraquinho, fraquinho.

Foi uma oportunidade para Dunga conferir como se comporta o seu time sem o craque do Barça.

Viu-se no gramado bem ruinzinho do Allianz Parque um time um tanto burocrático, quase acomodado, até os 27 minutos, quando Philippe Coutinho abusou da categoria para fazer 1 a 0.

Nove minutos depois, na conclusão de uma bela jogada iniciada por Willian e burilada por Elias, Diego Tardelli fez 2 a 0.

O segundo tempo foi mais difícil de suportar, tal a lerdeza dos dois times em campo. Nada mais natural do que os 2 a 0 do primeiro fossem tenham sido o placar do jogo.

Não chegou a ser um teste para a Seleção que vai disputar a Copa América, mas foi um razoável treino diante de 34.659 pagantes, confirmação do que falou Dunga na véspera desta primeira apresentação no Brasil após o vexame nos dois últimos jogos da Copa do Mundo de 2014:

– O que aconteceu na Copa do Mundo ficará marcado para sempre. Não tem como mudar. Mas lembro que o Brasil ficou 24 anos sem ser campeão mundial,  e nem por isso a amor pela Seleção Brasileira diminuiu. O torcedor brasileiro jamais vai abandonar a Seleção.

Dunga tem razão, mas a Seleção também não pode abandonar o torcedor. Precisa mostrar mais.

O ‘jornal global’ cai no bairrismo ao falar do Barça

Texto de El País, o jornalão espanhol editado em Madri, publicado também na edição digital brasileira, com especial destaque no bloco de chamadas sobre a decisão da Liga dos Campeões da Europa:

A estabilidade do Barcelona é precária mesmo depois de ganhar a Copa da Europa, a Liga e a Copa do Rei, e firmar o segundo triplete de sua história, depois do obtido em 2009. Há várias dúvidas abertas na instituição, no time e no banco do Camp Nou. A única certeza, em todo caso, é que a referência do Barça continuará sendo Messi.

Para ler o texto todo, clique aqui.

Na véspera de Barça 3 x 1 Juve, o jornalão espanhol já havia dado ao jogo um mal disfarçado tratamento de torcedor no texto Por que a Juventus não vai ser fácil para o Barcelona. Clique aqui para ler.

Aproveite a viagem e dê uma busca em ‘Real Madrid’ no site. Se você encontrar matérias semelhantes sobre o time da capital, ganha uma assinatura vitalícia deste Benebol.com.

É curioso constatar como o bairrismo, fenômeno arraigado na imprensa esportiva espanhola, também frequenta as páginas do mais importante e prestigiado jornal do país.

E isso porque  El País se proclama “o jornal global”.

Fred, surpresa de Dunga, quer surpreender a torcida

Fred: na vaga de Neymar

Fred: na vaga de Neymar

O meia Fred, de 22 anos, é a grande novidade da Seleção que enfrentará o México no primeiro amistoso de preparação para a Copa América.

Mineiro de Belo Horizonte, o canhoto Frederico Rodrigues Santos começou nas divisões de base do Atlético como lateral, mas aos 16 anos já estava no Internacional, tendo estreado entre os titulares, com 19, no Gauchão de 2012.

O garoto Fred passou pelas seleções brasileiras de base e joga desde 2013 no Shakhtar Donetsk. Foi convocado pela primeira vez para a Seleção no fim do ano passado na vaga aberta pela contusão do volante Rômulo  e vai para a Copa América na vaga do volante Luiz Gustavo, também cortado por lesão.

Neste domingo, no Allianz Parque, entra no time na vaga de Neymar, que só amanhã se apresentará à Seleção. Já sabe, portanto, que o jogo contra o México é experiência passageira, pois a Seleção atual tem escalação mais do que conhecida: Neymar e mais dez.

Fred é uma aposta de Dunga para a seleção olímpica que vai tentar a inédita conquista do ouro na Rio-16. É um jogador que alia força e habilidade e chuta bem, principalmente de canhota.

Hoje, no meio de campo, à frente de Fernandinho e Elias e ao lado de Willian, deve dar mais liberdade a Philippe Coutinho para que ele trabalhe no ataque com Diego Tardelli.

Não deixa de ser uma surpresa sua escalação entre os titulares, mas, quem sabe, Fred nos surpreenda logo mais contra os mexicanos.

Um sábado inesquecível

Foi um sábado que deixará pelo menos dois registros importantes na história do esporte brasileiro, relativos ambos a eventos em campo e quadro da Europa:

  • Ao conquistar no Estádio Olímpico de Berlim o título de campeão europeu pelo Barcelona, Neymar não apenas realizou um sonho de criança, mas também consolidou a imagem de supercraque, capaz de se superar a cada temporada, batendo sucessivamente recordes pessoais. Aos 23 anos, com os títulos da Libertadores e da Liga dos Campeões da Europa, artilheiro das duas competições, tendo feito gol nas finais de ambas, é o primeiro jogador a também marcar em todos os jogos das quartas, das semifinais e da final na era moderna da competição europeia.
  • Ao vencer, em parceria com o croata Ivan Dodig, os norte-americanos Bob e Mike Bryan por dois sets a 1 (parciais de 6/7, 7/6 e 7/5), Marcelo Melo se transformou no primeiro tenista brasileiro a conquistar o título de duplas do Torneio de Roland Garros, a quadra predileta do nosso Guga em seus bons tempos. Foi a primeira vez que Marcelo Melo, de 31 anos, ganhou um Grand Slam em sua longa carreira.

Também em campos do Brasil, o 6 de junho não foi um sábado qualquer:

  • No Morumbi, Rogério Ceni saudou a estreia do treinador Juan Carlos Osorio com mais um gol, ajudando o São Paulo a vencer o Grêmio por 2 a 0, e já é o décimo artilheiro da história tricolor, com 129 gols no total.
  • Em Santa Catarina, o Corinthians voltou a sentir o gosto da vitória, batendo o Joinville por 1 a 0, e a se aproximar do pelotão de frente no Brasileirão.
  • No Estádio Independência, finalmente o Cruzeiro quebrou um tabu de 11 jogos sem vencer seu grande rival e bateu o Atlético por 3 a 1. Parece ter se afastado definitivamente da zona de rebaixamento.
  • No Maracanã, o Flamengo conseguiu a primeira vitória neste Brasileirão: 1 a 0 na Chapecoense.
  • Na Vila Belmiro, o Santos mostrou mais uma vez que não é fácil a vida sem Robinho e empatou por 2 a 2 com a Ponte Preta, que continua no G4.
  • Na Arena da Baixada, nada de novo: o Vasco perdeu como sempre, agora por 2 a 0, e o Atlético Paranaense continua firme na liderança do Brasileirão, com 15 pontos, dois a mais do que o São Paulo, que pode perder o segundo ugar neste domingo se o Sport vencer o Fluminense no Rio.

Como já cantou o poetinha Vinicius de Moraes, com a sabedoria de bom botafoguense, “há um renovar-se de esperanças porque hoje é sábado”. Menos para os vascaínos, registre-se.