Arquivo diário: 11 de junho de 2015

Chile abre a Copa América vencendo o Equador

Bachelet e seleção do ChileMichelle Bachelet festeja com jogadores a vitória chilena – Foto: Twitter@GobiernodeChile

A seleção chilena, que vem sendo pacientemente armada há três pelo argentino Jorge Sampaoli, sofreu um pouco, mas acabou vencendo com inteira justiça o Equador por 2 a 0 na abertura da Copa América, agora à noite, no Estádio Nacional de Santiago.

Um dos principais candidatos ao título, que jamais conquistou, da mais antiga competição entre seleções do futebol mundial, o Chile dominou o jogo e mostrou que pode dificultar a vida de Argentina e Brasil, as seleções que puxam a fila dos favoritos.

Vai depender muito do comportamento de sua defesa, que no jogo desta noite não teve problemas a enfrentar.

Os próximos adversários, o México quase todo reserva e a Bolívia, também não devem criar problema, e assim o Chile terá toda esta primeira fase para azeitar suas linhas e encarar, em seguida, a mata-mata das fases finais.

Arturo Vidal lidera o Chile nos 2 a 0 sobre o Equador

Arturo Vidal lidera o Chile nos 2 a 0 sobre o Equador

Era fundamental vencer na estreia e, liderado por Arturo Vidal, destaque do meio de campo da Juventus, chegou aos 2 a 0 no segundo tempo.

O primeiro gol foi do próprio Vidal, cobrando pênalti que ele mesmo sofreu, e o segundo foi de Eduardo Vargas, que substituiu o apagado Beausejour nos 45 minutos finais.

A vitória foi celebrada nos vestiários com a presidente chilena Michelle Bachelet, que depois fez questão de postar a foto com os jogadores na conta do governo no Twitter.

Vidal ganhou motivação extra para repetir o que disse ao se apresentar para a disputa desta Copa América:

– Essa é a melhor geração chilena. Sim, falta ganhar algo importante, mas acho que é esse o momento.

Pode ser. Seria mais fácil, porém, se a geração atual tivesse um dom Elias Figueroa, o maior jogador chileno que já vi nos campos de futebol, para reinar soberanamente nas cercanias da grande área.

Anúncios

Eles não sabem o que é ganhar uma Copa América

Messi e Neymar 116Multicampeões pelo Barça, Messi e Neymar brigam por primeiro título da Copa América

Os dois ganharam tudo o que disputaram com o Barcelona e agora, um com a camisa da Argentina e o outro com a do Brasil, vão buscar em campos do Chile fechar a temporada com o título de campeão das Américas.

Será a terceira Copa América de Lionel Messi, que foi campeão mundial Sub-20 e campeão olímpico pela Argentina, mas ainda se deve um título com a seleção.

Em sua primeira Copa América, a de 2007, disputada na Venezuela, Messi perdeu o título para o Brasil de Dunga por um placar acachapante na final: 3 a 0.

Em sua segunda tentativa, a Copa América de 2011, em Buenos Aires, Messi não fez um gol sequer e a Argentina caiu fora da disputa nas quartas de final, eliminada pelo Uruguai na cobrança de pênaltis.

Na terceira tentativa, de novo ao lado de Mascherano e Tévez, Messi começará enfrentando paraguaios, uruguaios e jamaicanos.

A única Copa América disputada por Neymar foi a de Buenos Aires. O Brasil também acabou eliminado nas quartas de final, igualmente nos pênaltis, pelo Paraguai. Em compensação, dois anos depois, Neymar conquistaria com a Seleção o título da Copa das Confederações.

Messi precisa, pois, mais do que Neymar vencer a Copa América que começa nesta quinta-feira, às 20h30 do Brasil, com o jogo Chile x Equador. E a Argentina é generalizadamente considerada a favorita.

Dunga discorda, como deixou claro após o 1 a 0 de ontem sobre Honduras, colocando os argentinos atrás dos anfitriões na ordem de favoritismo, embora à frente do time que ele comanda:

– Brasil e Uruguai vêm logo atrás.

Estará nos pés de Neymar a chance de chutar o favoritismo para o alto, começando pelos jogos contra o Peru, a Colômbia e a Venezuela.

A disputa entre os craques do Barcelona terá uma dose extra de emoção garantida por uma tabela muito generosa com o Chile: se Brasil e Argentina fecharem no primeiro lugar de seus respectivos grupos a primeira fase da competição, só um chegará à final.

Passando pelas quartas, Neymar e Messi se enfrentarão obrigatoriamente nas semifinais.

Eles sabem como é perder uma Copa América

Quarteto Montagem 116Alex, Juninho, Belletti e Denílson: dos gramados em 2001 para os estúdios em 2015

Será curioso acompanhar na TV o trabalho de Belletti, Juninho Pernambucano, Alex e Denilson como comentaristas da Copa América.

Nos tempos em que dava trato à bola dentro do campo, o ilustre quarteto estava no time que perdeu para Honduras por 2 a 1 na Colômbia e caiu fora da Copa América de 2001 já nas quartas de final.

Foi a única derrota do Brasil diante dos hondurenhos em toda a história do futebol.

O quarteto embute uma dupla que também sabe o que é ganhar uma Copa América: Denílson foi campeão em 1997; Alex, em 1999 e em 2004.

Essa Alemanha é de brincadeirinha

Muito tititi na rede em torno da vitória de ontem dos EUA sobre a Alemanha por 2 a 1.

Parece que os norte-americanos tiraram dos alemães o título de campeões mundiais!

Só parece.

A Alemanha do amistoso em Colônia entrou em campo com Zieler,  Mustafi, Jonas Hector, Rudy, Rüdiger, Khedira, Özil,  Kramer,  Kruse, Podolski e Bellarab.

Para refrescar a memória dos mais esquecidinhos, a Alemanha que venceu os EUA por 1 a 0 na fase de grupos da Copa de 2014 e é campeão mundial jogou com Neuer, Boateng, Mertesacker, Hummels, Höwedes, Philipp Lahm, Schweinsteiger, Toni Kroos, Özil, Podolski e Thomas Müller.

A verdadeira seleção alemã não estava em Colônia.

Antes de Everaldo, houve Oreco

Denise Helena recebe de Clodoaldo homenagem  a  Everaldo - Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Denise Helena recebe de Clodoaldo homenagem a Everaldo – Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Denise Helena, filha de Everaldo, o lateral esquerdo da Seleção que conquistou o tricampeonato mundial em 1970, recebeu ontem no gramado Beira-Riouma réplica da camisa usada naquela gloriosa campanha em campos mexicanos e uma camisa atual autografada por todos os jogadores chamados por Dunga para disputar a Copa América.

Companheiro de Everaldo naquele timaço que tinha Pelé, Carlos Alberto, Gérson, Rivellino e Tostão, Clodoaldo entregou as camisas a Denise Helena antes de Brasil 1 x 0 Honduras.

A merecida homenagem está registrada pelo site da CBF com um erro factual ao se referir ao lateral gremista como “primeiro jogador gaúcho a ser campeão do mundo”.

Na verdade, o primeiro foi Valdemar Rodrigues Martins, gaúcho de Santa Maria, conhecido no mundo da bola como Oreco, que jogou sete anos pelo Internacional e oito pelo Corinthians, campeão do mundo em 1958, como reserva do mitológico Nilton Santos.

Sub-20: Brasil x Portugal vale vaga nas semifinais

A garotada do Brasil mandou no jogo, insistiu, insistiu, mas não saiu do 0 a 0 nos 120 minutos de bola em jogo. Na cobrança pênaltis, deu Brasil 5 x 4 Uruguai.

E assim, talvez sem o cruzeirense Judivan, tirado de campo por um entrada duríssima do uruguaio Lemos, o Brasil vai as quartas de final do Mundial Sub-20 para disputar com a boa seleção portuguesa uma vaga nas semifinais.