Arquivo diário: 4 de junho de 2015

Parece que o Flu venceu no Maracanã

Marcos Júnior 46Marcos Júnior: gol no jogo em que só não apareceram as marcas de Fluminense e Coritiba

Não deu pra ver direito: a camisa era verde e, na frente, tinha duas vezes a marca Guaraviton, outras duas a marca Frescatto, e ainda a marca Matteviton; atrás, mais duas vezes Guaraviton e, ampliada, Guaravita.

Nem sei como cabe tanto anúncio neste outdoor ambulante e mambembe.

Será algum time de fábrica em torneio de várzea?

Pela escalação, parece que não. O time fez 1 a 0, gol de Vinícius após receber uma bola açucarada de Fred.

Parece o Fluminense contra outro time também com a camisa carregada de anúncios, embora em menor quantidade.

No segundo tempo, o time de camisa verde, que o narrador insistia em identificar como tricolor carioca, fez mais um gol, assinado por Marcos Junior.

É, deve ser mesmo o Flu.

Fui conferir na tabela do Brasileirão e lá está: no Maracanã, Fluminense 2 x 0 Coritiba.

Muita gente foi ao jogo: 28.041, no total; 23.004 pagantes.

Se o jogo foi no Maracanã e juntou tantos pagantes e penetras, com certeza é o Flu, agora quinto colocado no Brasileirão, com os mesmos dez pontos de Atlético Mineiro, o terceiro, e São Paulo, o quarto, pelo menos até o Sport x Goiás de daqui a pouco.

Os grandes estão chegando, mas o Coritiba continua lá embaixo, no Z-4, à frente apenas de Vasco, Flamengo e Joinville.

Um brasileiro na final de Roland Garros – e não é Guga

Marcelo Melo: dupla com croata Ivan Dodig

Marcelo Melo: dupla com croata

Boa notícia, vinda de Paris: o brasileiro Marcelo Melo e o croata Ivan Dodig vão fazer, no sábado, a final de duplas do Torneio de Roland Garros contra os irmãos norte-americanos Bob e Mike Bryan.

Melo e Dodig venceram, há pouco, o holandês Jean-Julien Rojer e o romeno Horia Tecau, por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 7/5. Os norte-americanos venceram os italianos Simone Bolelli e Fabio Fognini, com um duplo 6/3.

É a primeira vez que um brasileiro fará a final de duplas em Roland Garros.

A má notícia é que Bob e Mike venceram todos os últimos confrontos com Melo e Dodig.

Militares fecham Federação Venezuelana de Futebol

Nesta quarta-feira, dia 3, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, sem que ninguém lhe tivesse pedido a opinião, havia comentado a anunciada renúncia de Joseph Blatter à presidência da Fifa:

– Tenho seguido com objetividade o que está se passando com a Fifa. Tudo é obscuro. É obscura a operação do procurador que acredita ser procurador do mundo; e a do juiz, que acredita ser juiz do mundo a partir Nova York.

Na véspera, o Ministério Público venezuelano tinha ordenado o congelamento dos bens e das contas bancárias do presidente da Federação de Futebol, Rafael Esquivel, um dos sete dirigentes detidos em Zurique pelas autoridades suíças, na semana passada, a pedido da justiça norte-americana.

Ontem, depois do pronunciamento de Maduro, a sede da Federação Venezuelana de Futebol foi lacrada por militares, que deixaram na porta uma faixa com o aviso:  “Perigo, não passe”.

Parece que nem toda a ação de procuradores e juízes norte-americanos era tão obscura quanto achou Maduro, né?

PS: Maduro quer que Maradona presida a Fifa.

Corinthians? Só no ano que vem

Tite: passo para trás

Tite: com o presidente, um passo para trás

Guerrero já se foi, Emerson Sheik está indo, Elias, Ralf e Danilo preparam-se para ir embora e Tite não esconde mais o jogo.

Depois de ser derrotado por 3 a 1 pelo Grêmio, ontem à noite, o treinador foi claro sobre o processo de desmanche que conta com sua colaboração:

– O presidente deu um passo para trás agora para dar dois à frente no ano que vem.

Está dada a dica: a torcida corintiana pode guardar seu dinheirinho para comprar ingressos no ano que vem.

  O Corinthians desistiu de 2015.

O que é que a Bélgica e a Colômbia têm?

Não é só em seus departamentos financeiras que as contas da Fifa nem sempre batem com a realidade.

No seu ranking de seleções, patrocinado pela Coca-Cola e atualizado mensalmente, a Fifa também costuma surpreender. Veja as cinco primeiras seleções, segundo o ranking divulgado hoje:

  • 1º – Alemanha
  • 2º – Bélgica
  • 3º – Argentina
  • 4º – Colômbia
  • 1º – Brasil

Como entender um ranking que coloca a Bélgica à frente da Argentina, vice-campeã mundial, e a Colômbia à frente do Brasil, quarto colocado na Copa do Mundo? Belgas e colombianos caíram nas quartas de final.

A esquisitice vem de longe, apenas se agravou desde que, há dois meses, este blog registrou em A Bélgica de Courtois voa no ranking da Fifa e você pode ler ou reler clicando aqui. A Bélgica estava, então, em terceiro lugar.

Confira o ranking. Para tentar entender os critérios da Fifa, escolha a explicação em espanhol  ou em inglês.

Continua valendo a promoção: quem entender ganhará uma assinatura vitalícia deste Benegol.

Assim rola a bola na Nova Zelândia

Nesta madrugada, a garotada brasileira sofreu, mas acabou vencendo os húngaros, de virada, por 2 a 1 e já garantiu a presença nas oitavas de final do Mundial Sub-20.

A Alemanha também está garantida nas oitavas, após vencer o Uzbequistão por 3 a 0.

Amanhã, sexta-feira, no comecinho da madrugada brasileira, a Argentina enfrenta a Áustria e, se não vencer, volta para casa.

Luxemburgo estreia como queria: 1 a 0 no Fla

Era tudo o que Vanderlei Luxemburgo, alma rubro-negra à parte, queria em sua reestreia no comando técnico do Cruzeiro nesta quarta-feira, dia 3: 1 a 0 sobre o Fla.

O bicampeão brasileiro continua na zona de confusão, como diria seu novo/velho treinador, apenas um ponto acima da fronteira do rebaixamento, mas o Flamengo está bem pior, pior até que o Vasco, melhor só do que o Joinville.

É o que Luxemburgo queria, embora dificilmente confesse.

Tudo indica que Rogério vai ficar mais um pouquinho

Rogério Ceni 46Rogério Ceni: para o bem e para o mal, protagonista de São Paulo 3 x 2 Santos

São Paulo 3 x 2 Santos, apesar da fria noite paulistana desta quarta-feira, merecia um público maior do que os 13.847 torcedores que foram ao Morumbi e viram um jogo de reviravoltas e emoções, com um protagonista que se destacou para o bem e para o mal: Rogério Ceni.

O São Paulo dominou o primeiro tempo, fez 1 a 0 numa cobrança de falta graças a uma falha do goleiro Vladimir e acabou cedendo o empate no último minuto na sequência de um pênalti cobrado por Ricardo Oliveira e defendido parcialmente por Rogério Ceni. O próprio Ricardo aproveitou o rebote e decretou o 1 a 1.

 Antes do intervalo, Rogério ainda recebeu um cartão amarelo por reclamar do cartão amarelo que o árbitro Thiago Duarte Peixoto havia mostrado ao seu reserva Renan Ribeiro.

 O segundo tempo começou em toada diferente e logo no primeiro minuto Ricardo Oliveira fez 2 a 1 num chute enviesado e de longe que Rogério aceitou com demasiada facilidade.

Três minutos depois, aproveitando um escanteio, Paulo Miranda empatou.

Era o jogo das bolas paradas. E foi de pênalti que Rogério virou o placar aos 39 minutos, salvando-se das cobranças que certamente lhe fariam se o São Paulo não tivesse vencido. Foi seu 128º gol com a camisa tricolor, número igual ao de outro ídolo histórico, o meia Raí.

Na saída de campo, câmeras e microfones eram todos dele. E Rogério admitiu que pode estender o contrato até o fim do ano, adiando mais uma vez a data de aposentadoria, mas fez uma ressalva:

 – Eu quero ficar pelas minhas qualidades em campo. Não quero ficar por marketing. Quero ajudar o São Paulo Futebol Clube, entidade, mas o principal é que o treinador queira que eu fique dentro de campo.

De um camarote no Morumbi, o colombiano Juan Carlos Osorio acompanhou o jogo em que o São Paulo voltou ao G-4 em companhia do Atlético Mineiro, que goleou o Avaí por 4 a 1, e certamente viu que Rogério é um mito tricolor acima dos próprios erros.

Dificilmente Osório não desejará que ele fique em campo por mais um tempo. Afinal, o São Paulo começa a mostrar que é um dos candidatos ao título brasileiro, embora não pratique o futebol envolvente que vem jogando o Atlético Mineiro.