Arquivo da tag: Cavani

Uruguai x Chile ou Cavani x Jara?

Jara x Cavani @1711@@@Uruguai x Chile, às 21 horas (de Brasília), pode definir nesta terça-feira muita coisa na ordem de classificação das Eliminatórias Sul-Americanas, até mesmo a liderança se os chilenos vencerem em Montevidéu e, muito pouco provável, o Equador perder para a Venezuela em Ciudad Guayana.

Com sete pontos ganhos nas três primeiras rodadas, dois a menos do que o Equador, o Chile é o vice-líder da competição, à frente do Uruguai, que tem seis. Uma vitória uruguaia em casa inverterá as posições e deixaria o Brasil em condições de  igualar a pontuação dos chilenos.

É disso que deveríamos estar falando, mas o que mais chama a atenção da mídia no jogo do Centenário é o reencontro entre o uruguaio Cavani e o chileno Jara, protagonistas na Copa América de uma cena que, no dia seguinte a Chile 1 x 0 Uruguai, valeu a bem humorada manchete do jornal La República:

Meteram-nos o dedo e a mão

A capa do jornal, reproduzida acima, explica a primeira parte da manchete. A segunda se refere à atuação do árbitro brasileiro Sandro Meira Ricci. Aquele 1 a 0 tirou o Uruguai da Copa América e pavimentou o caminho do Chile rumo ao título.

Expulso naquele jogo após revidar de leve a provocação do chileno, o uruguaio Cavani garante que já esqueceu o que aconteceu:

– Está superado. Eu também já cometi erros na vida.

Jara também contemporiza:

– Talvez isso seja o assunto das pessoas antes da partida, que certamente será diferente e jogada com muito mais intensidade.

Óscar Tabárez, treinador uruguaio, não gostou de ouvir, na entrevista coletiva que concedeu após o treino de ontem, uma pergunta sobre o episódio:

– É verdade que vocês querem continuar falando sobre isso? Me nego a comentar, já ouvi bobagens demais.

Anúncios

Imagem do dia: Uruguai perde vaga, mas não perde humor

 La Republica 256

A manchete do jornal La República ajuda a entender a frustração uruguaia com a derrota de ontem para o Chile e a consequente eliminação da Copa América, mas mostra igualmente que nem só de mau humor é feita a imprensa continental.

Chile abre o caminho até a final da Copa América

Islas fez 1 a 0 para o Chile a dez minutos do final

Islas fez 1 a 0 para o Chile a dez minutos do final e liquidou ilusões  uruguaias

Faltavam dez minutos para o fim do jogo e, embora os chilenos tivessem amplo predomínio em campo, já não era despropositado imaginar que mais uma vez os uruguaios aprontariam uma surpresa na Copa América, expulsando do salão nas quartas de final o dono da festa.

Desde os 17 minutos do segundo tempo, o Uruguai tinha apenas dez em campo: Cavani, que já recebera um cartão amarelo no primeiro tempo, deu um tapinha no zagueiro Jara e foi expulso por Sandro Meira Ricci.

Com um jogador a menos, o Uruguai apertou a marcação e, curiosamente, ameaçou mais o gol de Bravo do que nos 60 minutos em que se defrontaram 11 contra 11.

Aos 35, no entanto, Islas acabou com as ilusões uruguaias.

O 1 a 0 combina mais, embora não inteiramente, com o domínio chileno, expresso nos percentuais da posse de bola: 80% a 20%.

O Uruguai, valente como sempre, abdicou do jogo durante um bom tempo, se defendeu demais e acabou com apenas nove no gramado, pois o árbitro brasileiro expulsou, desta vez injustamente, o lateral Fucile.

O Chile não mostrou o brilho dos jogos anteriores, mas mereceu a vitória e, assim, escancarou o caminho para chegar à final.

Pelo menos em teoria, a semifinal será uma moleza – contra o vencedor de Bolívia x Peru.

Chile busca em casa a alegria dos campeões

Campanha na Copa América anima a torcida chilena

Campanha na Copa América faz a torcida chilena sonhar com título inédito

Os melhores momentos desta medíocre Copa América foram proporcionados pela Argentina de Messi no primeiro tempo do 2 a 2 com o Paraguai e  em boa parte do 1 a 0 sobre o Uruguai, mas a melhor seleção até agora é a do Chile, que  joga futebol e se arrisca durante os 90 minutos de cada jogo.

O jogo das 20h30 em Santiago, contra o aguerrido e defensivo Uruguai, vai mostrar se o Chile é mesmo candidato ao título que jamais conquistou em quase um século de Copa América. Até porque vale a sobrevivência na competição.

Quem perder, seja com a bola em jogo seja na disputa por pênaltis, cai fora. E quem vencer terá vida bem mais fácil do que os demais adversários nas semifinais. Pegará Bolívia ou Peru. Do outro lado, pode dar um Brasil x Argentina, por exemplo.

Voltemos às quartas. O Chile de Aránguiz, Vidal, Valdivia e Alexis Sánchez marcou dez gols nos três jogos da primeira fase, levou três. Nenhuma outra seleção fez mais de quatro. O Uruguai de Cavani, que pode até não jogar hoje, fez dois e levou outros dois.

É verdade que os chilenos pegaram tripla moleza: Equador, México e Bolívia. Depois do embalo ao som do reggae jamaicano, os uruguaios encararam duas paradas duras: Argentina e Paraguai.

Mais do que os números, o que diferencia os adversários desta noite no Estádio Nacional é o futebol que estão jogando nos últimos tempos.

O Uruguai de Óscar Tabárez se agrupa quase todo na defesa, esperando matar o jogo nas poucas oportunidades em que contra-ataca, receita que tem chances bem maiores de dar certo quando joga um certo Luis Suárez. Sem seu grande craque, o atual campeão da Copa América precisaria pelo menos de um Cavani menos discreto do que se tem visto no Chile, mas corre o risco de tê-lo em campo com a cabeça longe, ligada no drama vivido por seu pai desde o acidente provocou a morte de um motociclista no Uruguai.

O Chile de Jorge Sampaoli corre riscos permanentes na defesa, mas pressiona incessantemente o adversário no meio de campo e no ataque e procura o gol com a obsessão que não se vê em outras equipes nesta Copa América. O argentino Sampaoli explica:

– O grupo está convencido de que a forma de ganhar é jogando. Por isso, fica poderoso no ataque.

Ele sabe muito bem o que tem pela frente:

– A partida é uma final, uma oportunidade única contra um adversário que conhece muito bem esse tipo de jogo. Temos de pensar o melhor para o Chile. E o melhor é jogar.

Vamos ao jogo, então.

Liga dos Campeões: quem corre é o craque

Suárez, Neymar e MessiSuárez, Neymar e Messi: para tenta alegria, é preciso correr muitoImagem: Beneclick

Já vão longe os tempos em que os craques decretavam e as arquibancadas aplaudiam: ‘quem corre é a bola”.

Hoje em dia, quem corre é o craque.

E os craques correm muito, como se vai poder ver daqui a pouco na definição dos dois primeiros semifinalistas da Liga dos Campeões da Europa, tanto no Bayern x Porto quanto no Barça x PSG.

Mais claro favorito do quarteto que hoje estará em campo para começar a decidir as quartas de final da Liga, o Barça é ótimo exemplo do quanto têm de correr os craques no futebol atual.

Considerando apenas os jogos na Liga dos campeões, eis os números de seu trio ofensivo no levantamento, geralmente confiável, da própria Uefa:

  • Messi: nove jogos, 787 minutos em campo, 74.074 metros percorridos – 94,12 metros por minuto.
  • Neymar: 666 minutos em campo, 79.646 metros percorridos – 119,58 metros por minuto.
  • Suárez: 527 minutos em campo, 63.021 metros percorridos – 119,58 metros por minuto.

O PSG tem craques que correm mais ainda. Por exemplo:

  • Cavani: nove jogos, 840 minutos em campo, 103.117 metros percorridos – 122,75  metros por minuto.
  • Matuidi: nove jogos, 786 minutos em campo, 102.035 metros percorridos – 129,81 metros por minuto.

Para ter uma ideia mais precisa do que significam tais distâncias, lembre-se: o comprimento máximo de um campo de futebol, definido pela Regra 1, é de 120 metros.

Atualmente, os craque percorrem por minuto praticamente a extensão do campo e quem se movimenta menos, supercraque no caso, corre 8.5 quilômetros por partida, um absurdo para cracaços da era Pelé que se admiravam com jogadores como Zagallo e Zito que, incansáveis, chegavam a percorrer 3 quilômetros durante os 90 minutos de um jogo difícil.

O futebol mudou e nada mudou tanto quanto a velocidade do jogo. É o que mostram os números da mais importante competição de clubes em todo o mundo da bola.