Arquivo da tag: Di Stéfano

Veja só quem é fã de Tostão

Blatter e Tostão 266             Blatter sobe Tostão: “a vida não se acaba depois de descalçar as chuteiras”

Talvez Tostão nem imagine, mas tem um fã ardoroso em Zurique.

Ardoroso e ainda poderoso, embora deva se afastar da presidência da Fifa em breve. É isso mesmo: o fã do craque Tostão é Joseph Blatter, que escreveu em sua coluna na The FIFA Weekly (leia em espanhol  ou em inglês), disponibilizada hoje no site da entidade:

♦Pessoalmente, sempre me fascinaram dois jogadores: Alfredo Di Stéfano, o genial cérebro ofensivo do Real Madrid, e Tostão, o elegante e rapidíssimo meio-campista da seleção brasileirão campeã do mundo em 1970.

♦ Minhas lembranças pessoais estão inextrincavelmente ligadas à figura de Tostão.

♦ O brasileiro de Belo Horizonte foi um futebolista cujo horizonte, justificadamente, se estendia muito além das inhas de cal: formou-se em medicina e, após se retirar do futebol, trabalhou como médico. Depois, tornou-se escritor e chegou a ser um dos colunistas mais conhecidos da imprensa brasileira, dando um exemplo fascinante de que a vida não se acaba depois de descalçar as chuteiras.

Publicidade

Todos queremos o Vasco de volta

Muro de São Januário 146Pichação nos muros de  São Januário na madrugada após Vasco 1 x 3 Cruzeiro

Foi há 58 anos. Eu tinha nove, mas me lembro bem do 14 de junho de 1957 e, em homenagem à imensa maioria vascaína que trabalha neste Benebol.com, vamos reviver sucintamente aquele dia de glória do campeão carioca em campos da França:

Dois dias depois de vencer por 3 a 1 o anfitrião Racing, o Vasco decidiu com o Real Madrid, que havia se sagrado campeão europeu duas semanas antes, o título do Torneio de Paris.

Resultado: depois de sair perdendo por 1 a 0, com um gol de Di Stefano no comecinho do jogo, o Vasco reagiu e venceu por 4 a 3, com dois gols de Válter Marciano, um de Vavá e um de Livinho, ficando com o caneco disputado no Parc des Princes.

Assim L’Équipe descreveu a reação vascaína ao gol relâmpago do Real:

E então, de maneira brusca, o Real desapareceu literalmente. Seriam as camisas de um vermelho pálido ou os calções de um azul triste que enfraqueciam a soberba equipe espanhola? Não; é que, antes, apareceram subitamente do outro lado os corpos maravilhosos, apertados nas camisas brancas com a faixa preta, de onze atletas de futebol, de onze diabos negros que tomaram conta da bola e não a largaram mais.

Durante a meia hora seguinte, a impressão incrível, prodigiosa que se teve foi de que o grande Real Madrid campeão da Europa, o intocável Real vencedor de todas as constelações europeias estava aprendendo a jogar futebol.

O quadro é bem diferente do que se viu ontem em São Januário no Vasco 1 x 3 Cruzeiro, né?

E aquele Vasco de Orlando, Válter, Sabará, Vavá e Pinga não pode contar com Paulinho e Bellini, que estavam a serviço da Seleção nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1958.

Por todas estas lembranças não tenho como discordar de quem pichou durante a madrugada os muros de São Januário com um pedido: “QRO MEU VASCO DE VOLTA”.

Eu também.

Acima de Messi, outro argentino: Di Stéfano

Se Messi fizer gol no Barcelona x Juventus do sábado, dia 6, entrará para a história como o primeiro jogador a deixar a marca de goleador em três finais da Liga dos Campeões da Europa.

Não é pouco, mas ainda ficará devendo a seu compatriota Di Stéfano, que marcou gols pelo Real Madrid nas finais de 1956, 1957, 1958, 1959 e 1960.

Eram outros tempos e, claro, outro o formato da Liga dos Campeões.