Arquivo da tag: Futebol feminino

Como se nada estivesse acontecendo em Paris

A comissão técnica do futebol feminino do Paris Saint-Germain marcou um treino para a manhã deste sábado.

As 13 estrangeiras do elenco, incluindo as brasileiras Cristiane e Érika, se recusaram a participar.

O Paris Saint-Germain, como sabe, tem dono: o catariano Nasser Al-Ghanim Khelaïfi.

Anúncios

CBF, um exemplo de utilidade pública

O site da CBF traz uma notícia, postada às 22 horas da quinta-feira, 20 de agosto, que vai mudar a história do futebol e, certamente por isso, ganhou chamada, com direito a foto, na primeira página:

O presidente Federação Bahiana de Futebol, Ednaldo Rodrigues, recebeu nesta quinta-feira (20), uma camisa da Seleção Brasileira Feminina – campeã dos Jogos Pan-Americanos de Toronto 2015 – das mãos do coordenador de Futebol Feminino da CBF, Marco Aurélio Cunha.

A informação é acompanhada por quatro fotos e um vídeo que registram o encontro histórico.

Goleadora alemã desiste do futebol aos 27 anos

Celia Sasic: adeus ao futebol

Celia Sasic: adeus ao futebol

Está se despedindo dos campos a alemã Celia Sasic, filha de camaronês e de uma francesa e casada com o jogador croata Marko Sasic, artilheira da última Liga das Campeãs da Europa com a camisa do campeão Frankfurt, tendo marcado 14 gols, e do recente Mundial de Futebol Feminino com a camisa da Alemanha, com seis gols.

Aos 27 anos, uma das 12 candidatas ao prêmio de melhor jogador europeia da última temporada, Célia Sasic anunciou ontem sua decisão e justificou-a em entrevista ao site da Uefa:

– Estou ansiosa por fazer muitas coisas novas na vida – os meus estudos universitários, uma nova orientação profissional e começar uma família, entre muitas outras coisas.

Não é só por aqui que o futebol feminino carece de força, principalmente econômica, para segurar suas estrelas.

Acabou-se a frustração de Verónica Boquete

Veronica Boquete 145aE se fez realidade, há pouquinho, o desejo da espanhola Verónica Boquete, registrado aqui em 19 de abril na nota Como é mesmo o nome dela?, de apagar em Berlim a frustração que vivera um ano antes com a camisa do sueco Tyresö ao ser derrotada,  em companhia da brasileira Marta,  na final da Liga das Campeãs da Europa de 2014 pelas alemãs do Wolfsburg:

 – Aquela final ainda dói por tudo que o Tyresö significava para mim. Sempre carregarei esta frustração, mas agora ela vai me servir de motivação e me dará um gás extra.

Defendendo o Frankfurt, Verónica Boquete acaba de conquistar  o título europeu com uma vitória por 2 a 1 sobre as meninas do Paris Saint-Germain.

Acabou-se a frustração.

Vadão acalenta os sonhos de Marta

Marta 1 Cinco vezes eleita melhor jogadora, Marta sonha com título mundialImagem: Beneclick

A alagoana Marta Vieira da Silva, cinco vezes eleita a melhor jogadora de futebol do mundo, já disse várias vezes que trocaria todos os prêmios que ganhou em sua carreira por uma medalha de ouro – de campeã mundial ou campeã olímpica.

Uma e outra estarão novamente ao alcance de Marta nos próximos tempos – daqui a pouco, entre 6 de junho e 5 de julho, no Canadá, o Brasil disputará a Copa do Mundo; pouco mais de um ano depois, na Rio 2016, brigará em casa pelo ouro olímpico.

Embora se satisfaça com um, Marta merece os dois troféus, não apenas pelo muito que  que já fez nos campos de futebol pelo mundo afora, mas também pelo que representa para a seleção do Brasil, como atesta o treinador Oswaldo Alvarez, o Vadão, em entrevista publicada hoje no site da Fifa (leia em espanhol  ou em inglês):

– Ela é o melhor exemplo do futebol feminino mundial. É constante, está sempre à disposição da equipe e em boas condições físicas. Não usa o nome nem o prestígio em benefício próprio, mas sempre em benefício da equipe. Além de ser uma jogadora extraordinária, tem um caráter excepcional.

Vadão tem uma avaliação que interessa muito a Marta, vice-campeã do mundo em 2007 e prata olímpica tanto em Atenas como em Pequim:

– Acho que as favoritas para ganhar o Mundial são as seleções que estão no topo do ranking da Fifa, o que inclui o Brasil. Estamos trabalhando para isso e temos confiança em chegar bem preparados ao Canadá. Num Mundial, porém, além de está bem preparado, é preciso ter sorte nos cruzamentos. Muitas vezes, uma equipe cai no meio do caminho por cruzar muito cedo com um grande adversário.

Vadão deixa transparecer, na entrevista, que o sonho dourado de Marta talvez esteja guardado para o ano que vem:

– Para nós, o maior objetivo é a Olimpíada de 2016.

Bem que nossa estrela maior merece os dois.

Como é mesmo o nome dela?

Foto: @VeroBoquete/Twitter

Foto: @VeroBoquete/Twitter

Começaram ontem as semifinais da Liga das Campeãs da Europa com a derrota em casa do Wolfsburg para o Paris Saint-Germain por 0 a 2.

O confronto de hoje, Frankfurt x Brøndby, novamente na Alemanha, tem um sabor todo especial para uma jogadora espanhola de 28 anos, companheira de Marta no sueco Tyresö, derrotado na final de 2014 pelo Wolfsburg.

Meia e atacante, fã declarada da brasileira quatro vezes eleita a melhor jogadora do mundo, ela mesma candidato ao título no ano passado, a espanhola confessa ao site da Fifa:

– Aquela final ainda dói por tudo que o Tyresö significava para mim. Sempre carregarei esta frustração, mas agora ela vai me servir de motivação e me dará um gás extra.

Mais conhecida no mundo da bola pelo sobrenome do que pelo prenome, a estrela espanhola se chama Verónica Boquete e revelou, em antiga entrevista à jogadora e blogueira portuguesa Sandra Costa, como descobriu o significado do seu nome do lado de cá do Atlântico:

– Quando cheguei ao Chicago Red Stars nos Estados Unidos, em 2010, a Formiga e a Cristiane jogavam lá. Nos primeiros dias, elas não disseram nada. Depois, quando tínhamos mais intimidade, elas me perguntaram se eu sabia o que quer dizer o meu sobrenome no Brasil. E eu: “Não, em espanhol significa buraco, não é nada demais”. Aí elas me disseram o significado em português, e eu: “Nãããooo!”

E brincou:

– Ainda bem que não tive de jogar no Brasil…

Pois é: capitã da seleção espanhola, Boquete terá o nome muitas vezes repetido por narradores brasileiros durante o mês de junho. Afinal, Brasil e Espanha, além de Coréia e Costa Rica, estão no mesmo grupo da Copa do Mundo de Futebol Feminino que será disputada no Canadá.

Mineira vai bandeirar na Copa do Mundo

A mineira Janette Mara Arcanjo será a única representante da arbitragem brasileira na Copa do Mundo de futebol feminino que será disputada no Canadá de 6 junho a 5 de julho.

A brasileira é uma das sete árbitras sul-americanas que trabalharão como bandeirinha na Copa do Mundo.

O apito está reservado a outras quatro representantes da Conmebol – uma argentina, uma colombiana, uma paraguaia e uma uruguaia.

Curiosamente, as seleções de Argentina, Paraguai e Uruguai não se classificaram para o Mundial.