Arquivo da tag: Futebol carioca

Flamengo de Muricy é a esperança do futebol carioca

Muricy Ramalho no Fla: "O clube está pronto para crescer"

Muricy Ramalho no Fla: “O clube está pronto para crescer”

Não se pode dizer que a primeira gestão de Eduardo Bandeira de Mello tenha feito sucesso no futebol: 12º colocado no Brasileirão de 2015, décimo em 2014, 16º em 2013, o Flamengo patina na mediocridade geral em que se afundou o futebol carioca nas últimas temporadas.

Tendo perdido o apoio do ídolo Zico ao longo do primeiro mandato, Bandeira se reelegeu nesta segunda-feira com a promessa de que vai recolocar o Flamengo no topo do futebol brasileiro. Começou bem ao confirmar o que todo mundo já sabia: Muricy Ramalho vai comandar o trabalho de ressurreição do futebol rubro-negro.

Com as contas em dia e as dívidas devidamente equacionadas, pelo menos segundo os seus dirigentes, o Flamengo teria fôlego para montar um time mais forte em 2016, construir finalmente um centro de treinamento, modernizar a precária estrutura do departamento de futebol e voltar a sonhar com títulos.

Muricy Ramalho está animado, talvez até demais:

– O Flamengo não atrasou salário nenhum dia esse ano. A parte administrativa está estruturada, a parte da dívida está estruturada. O clube está pronto para crescer. Me falaram que a estrutura do CT não é boa, mas nós vamos melhorar isso. Com certeza, o Flamengo em pouco tempo será fortíssimo em termos de estrutura e títulos. O Flamengo é grande, quem não quer dirigir o Flamengo? Por isso aceitei esse desafio. É um gigante do futebol mundial, tem uma gestão profissional e muito séria.

Se conseguir tempo e tranquilidade para realizar os sonhos do clube que demitiu três treinadores na atual temporada, Muricy estará ajudando todo o futebol carioca, que chega ao fim de 2015 com o Vasco rebaixado, o Flamengo e o Fluminense colocados na metade inferior da tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, abaixo de todos os seus concorrentes de São Paulo, Minas e Rio Grande do Sul.

O quadro esportivo é tão grave que a melhor notícia do ano é botafoguense: a conquista do título da Segundona.

A crise técnica se reflete fora de campo, claro.

A torcida do Flamengo não tem negado força do time, tanto que, em casa, é responsável pela segunda melhor média de público no Brasileirão: 30.962 pagantes por jogo, apenas 3.187 a menos do que o campeão Corinthians. Acontece, porém, que o Corinthians faturou quase R$ 39 milhões nas bilheterias; o Fla, pouquinho mais de R$ 26 milhões. Os jogos do Corinthians têm 73% dos assentos vendidos; os do Flamengo, 41%.

Bem mais grave é a situação do Fluminense, com média de 16.351 pagantes por jogo em casa, e do Vasco, com apenas 12.874.

Ou Muricy muda as coisas no Flamengo e o Flamengo dá partida numa mudança radical na gestão dos clubes do Rio ou o futebol carioca vai virar logo, logo uma mera referência histórica.

Ou Muricy salva o Fla ou o futebol carioca vai pro beleléu.

Anúncios

Flu e Corinthians fazem o dever de casa

O Fluminense mostrou mais uma vez que é uma exceção no atual futebol carioca e, ao vencer o Santos no Maracanã por 2 a 1, instalou-se no G-4 do Brasileirão entre o Atlético Mineiro, vice-líder, e o Grêmio, quarto colocado, todos os três com 20 pontos, dois a menos do que o líder Sport.

Foi uma vitória merecida, embora o Santos não tenha jogado mal, mas, desde que Robinho saiu do time para servir à Seleção, esta tem sido a sina do time de Marcelo Fernandes: atuações razoáveis e resultados ruins.

E, assim, Lucas Lima, Geuvânio e o artilheiro amargam o 16º lugar, coladinho no Z-4. E o pior é que Robinho não vai voltar!

No Flu, a dúvida está no futuro: e se a Juventus levar o garoto Gérson?

Um pouco mais cedo, o Corinthians também fez o dever de casa em Itaquera, bateu a Ponte por 2 a 0 e está ali na beiradinha do G4 com 19 pontos, em sexto lugar, perdendo para o Atlético Paranaense apenas no saldo de gols. A Ponte também não jogou mal, mas vai se distanciando da turma da frente e já está em oitavo lugar, com 16 pontos.

A quarta vitória corintiana nas últimas cinco rodadas sugere que Tite talvez consiga  remontar um time minimamente forte depois de perder Emerson Sheik e Guerrero.

A conferir nas próximas rodadas.