Arquivo da tag: Ganso

São Paulo bate Sport e volta à luta contra o Santos

Michel Bastos: em resposta às vaias, o gol

Michel Bastos: em resposta às vaias, o gol

O Palmeiras vai chorar até o final do Brasileirão os três pontos perdidos em casa para o Sport na rodada passada. Foi a única vitória do time pernambucano como visitante.

Neste sábado, no Morumbi, o Sport voltou à rotina de tombar fora de casa – desta vez, sem Diego Souza, por elásticos 3 a 0 diante do São Paulo.

Poucos foram os são-paulinos que se animaram a ver o jogo, alguns apenas para vaiar parte do time, que merecia tratamento mais carinhoso pois jogou o suficiente para merecer os 3 a 0, gols de Ganso e Luís Fabiano no primeiro tempo e de Michel Bastos, um dos vaiados, no segundo.

O São Paulo está momentaneamente no G-4, com 53 pontos, e, para de lá não sair nesta 33ª rodada, torce por uma vitória do Palmeiras sobre o Santos ou pelo menos um empate, amanhã na Vila Belmiro.

Afinal, o outro time que pode ultrapassá-lo é o Internacional, que para tal precisaria golear o Goiás por dez gols de diferença.

A bola está com o Santos dos artilheiros Ricardo Oliveira e Gabigol. Depois de tirar o São Paulo da Copa do Brasil, vai ter de enfrentá-lo, rodada a rodada, pela vaga no G-4 do Brasileirão.

Publicidade

Dorival Júnior é exceção

Dos quatro times que começam a disputar nesta noite as semifinais, somente o São Paulo nunca conquistou o título da Copa do Brasil.

Mesmo assim, tem dois campeões no elenco – Wesley e Ganso, ambos pelo Santos, em 2010.

O Santos atual não tem nenhum campeão.

Aliás, tem um fora do campo. Dorival Júnior é o único dos treinadores destas semifinais que já ganhou o título da Copa do Brasil – pelo próprio Santos, em 2010.

Juan Carlos Osorio ainda tem muito o que aprender

Osorio: "experiências novas"

Osorio: “experiências novas”

Assustado com mais um tititi no São Paulo, desta vez em torno da saída de Paulo Henrique Ganso e/ou Luís Fabiano, o colombiano Juan Carlos Osorio abriu o jogo com os repórteres que acompanham o dia a dia do clube:

– São experiências novas para mim. Procuro manter o foco no meu trabalho, mas já aprendi que no futebol brasileiro não existem certezas. A qualquer momento, podemos perder jogadores.

Com mais algum tempo no Brasil, Osorio vai aprender também que, a qualquer momento, pode perder o emprego.

Cruzeiro espera adversário argentino: ou Boca ou River

Foi grande o sofrimento no Mineirão, torcedor cruzeirense?

Prepare-se para mais: amanhã, Boca e River definem na Bambonera o adversário do Cruzeiro nas quartas de final da Libertadores.

Qualquer que seja o adversário argentino, a ida das quartas para as semifinais será uma parada duríssima para este Cruzeiro aguerrido, veloz, mas ainda pouco criativo e nada contundente.

Hoje pelas oitavas, Cruzeiro e São Paulo fizeram um jogo pegado, de muita correria e poucas chances de gol, todas criadas pelo Cruzeiro.

O São Paulo foi a Belo Horizonte para empatar. Depois de levar o gol, marcado por Leandro Damião aos 9 minutos do segundo tempo, cuidou de não perder a chance de levar a decisão da vaga para os pênaltis.

E levou. Em vão. Deu Cruzeiro, após seis cobranças de cada time, por 6 a 4.

Depois dos dois 1 a 0 em 180 minutos de bola corrida, o tricolor Paulo Henrique Ganso já tinha o discurso ensaiado para se conformar com a desclassificação nos pênaltis:

– Faz parte do futebol…

Estrelas brilham no Morumbi e no Maracanã

Fred 1Na noite das estrelas tricolores, Fred fez os dois gols do Flu – Imagem: Beneclick

No Morumbi, o São Paulo fez 3 a 0 no Red Bull, gols de Rogério Ceni, Pato e Ganso.

O São Paulo já faz companhia ao Corinthians nas semifinais do Paulistão.

No Maracanã, embora tenha jogado melhor e procurado mais a vitória, o Botafogo perdeu por 2 a 1 para o Fluminense, gols de Fred, o 300º e o 301º na carreira de goleador, 150 deles com a camisa tricolor.

Para chegar à final do Campeonato Carioca, o Botafogo precisa vencer o Flu no segundo jogo das semifinais por um golzinho de diferença. O Flu joga pelo empate.

Lá e cá, a noite teve a assinatura das estrelas em todos os gols tricolores.

O São Paulo só não queria perder. Perdeu.

Muricy Ramalho tinha prometido um futebol ofensivo, mas o São Paulo quis muito pouco e volta de Buenos Aires sem nada.

Quase nada, haverá de replicar o são-paulino mais otimista se é que ainda há otimismo na torcida para contrabalançar o fastio que estrelas como Ganso e Pato mostram em campo.

Nem a derrota por 1 a 0 tira o São Paulo do segundo lugar no Grupo 2 da Libertadores, agora empatado em pontos com o próprio San Lorenzo, cada um com seis após quatro jogos, mas à sua frente na tabela de classificação graças ao saldo de dois gols.

Os argentinos estão zerados, fizeram três gols e levaram três até agora. O São Paulo fez cinco gols, quatro ao golear o Danubio no Morumbi.

Assim, São Paulo e São Lorenzo, atual campeão da Libertadores, vão brigar até o fim pela segunda vaga do grupo nas oitavas de final.

Desde o começo do jogo no Nuevo Gasometro, contrariando a exigência do treinador, o São Paulo se mostrou mais temeroso do que as circunstâncias pediam. Marcou o San Lorenzo muito atrás e cedeu um enorme corredor pela esquerda de sua defesa que os argentinos exploraram com frequência, embora com pouca eficácia.

Nos primeiros 25 minutos, pelo meio da área, Toloi já ensaiava o repertório de bobagens que redundariam no gol do atacante Cauteruccio exatamente aos 25 do segundo tempo.

Ainda na metade do primeiro, depois de algumas broncas de Muricy, o time adiantou-se e acertou a marcação, mas passou a errar os passes em todas as manobras de ataque. Trocava bolas entre as duas intermediárias, mas não entrava na área do goleiro Torrico.

Aliás, está virando marca registrada: o São erra sempre o último passe, quase sempre o penúltimo, muitas vezes o antepenúltimo.

O jogo continuou nesta toada durante o segundo tempo, antes e depois da lesão que tirou Alan Kardec de campo. O 0 a 0 parecia bom demais para os são-paulinos.

Os argentinos, ao contrário, mostravam vontade, mais vontade do que bola, o suficiente para garantir a vitória com o gol de Cauteruccio após estender um lençol desmoralizante diante do apalermado Toloi.

O São Paulo volta sem nada de Buenos Aires. Com quase nada, conceda-se aos são- paulinos otimistas. Difícil será encontrá-los.

Chegou o dia da verdade

Ganso e Rogério CeniGanso e Rogério: pela sobrevivência na LibertadoresFoto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Este 1º de abril de 2015 pode ficar para sempre marcado na história do São Paulo.

Ao que parece, bem menos modificado do que sugeriam tantos analistas nos últimos dias, o time comandado por Muricy Ramalho e liderado em campo pelo eterno Rogério Ceni enfrenta o San Lorenzo em Buenos Aires num jogo absolutamente decisivo para as suas pretensões na Libertadores. A transmissão para o Brasil, a partir das 19h45, será da FOX Sports.

Se perder para o atual campeão, o São Paulo terá muitas dificuldades para se classficar.

Se vencer, terá praticamente garantida a classificação para as oitavas de final.

Se empatar, continuará  dependerá apenas dos seus resultados nas próximas duas rodadas da fase de grupo para continuar vivo na Libertadores.

Este 1º de abril de 2015 também pode ficar para sempre marcado na história Paulo Henrique Ganso.

Chegou o dia verdade para o meia que tem jeito de craque, carrega a bola como craque, passa como craque, dribla como craque, mas não tem exibido em campo a confiança que sobra a Rogério Ceni e é a marca definidora do craque.