Arquivo diário: 1 de dezembro de 2015

Palmeiras e Santos apostam nos números – do outro!

Amanhã, quarta-feira, Palmeiras e Santos farão no Allianz Parque a finalíssima da Copa do Brasil.

Ao Santos, que venceu o primeiro jogo na Vila Belmiro por 1 a 0, bastará um empate para ser campeão.

O Palmeiras conquistará o título se vencer o jogo por, no mínimo, dois gols de diferença. A decisão irá para os pênaltis se o Palmeiras vencer por apenas um gol de diferença.

Você apostaria no Santos?

Saiba que, fora de casa, o Santos venceu apenas um dos 19 jogos que fez no Brasileirão, perdeu 11 e empatou sete.

Perder como visitante tem sido rotina, embora não tanto na Copa do Brasil, em que os santistas venceram quatro de seis jogos em casa alheia, incluindo o Itaquerão e o Morumbi.

É o caso de apostar no Palmeiras?

Saiba que, após vencer o Figueirense por 2 a 0 em 12 de setembro, o Palmeiras sofreu pelo menos um gol em cada um das 17 partidas que fez depois – 12 pelo Brasileirão, cinco pela Copa do Brasil.

Repetindo a sina amanhã, o Palmeiras teria de marcar, no mínimo, dois gols para levar a decisão para os pênaltis; ou três para ganhar o caneco nos 90 minutos de jogo. Afinal, o Santos marcou pelo menos um golzinho em todos os 13 jogos que fez até agora pela Copa do Brasil.

Os números de Palmeiras e Santos em 2015 não iluminam muito a finalíssima de amanhã? Que tal examinar o confronto direto?

Seis vezes o clássico já foi disputado nesta temporada – três no Paulistão, duas no Brasileirão e uma na Copa do Brasil. Foram quatro jogos na Vila Belmiro, todos com vitória santista, todos por um gol de diferença; e dois jogos no Allianz Parque, ambos com vitória palmeirense, ambos por um gol de diferença.

Esqueça os números.

Anúncios

Uma vez Maria Antonieta, sempre Maria Antonieta

Maria Antonieta, nossa copeira mais vascaína do que a Fátima Bernardes, não gostou da nota Semana de aflição para Vasco, Figueirense e Avaí que este blogueiro aqui postou na segunda-feira e, depois de passar a terça fazendo e refazendo contas, se chegou hoje para reclamar:

– Qual é, chefinho? Que história é essa de que “o Coritiba está quase salvo” e “o Vasco não tem mais como alcançá-lo”? Você não faz as contas antes de escrever, não?

E, como se estivesse ensinando tabuada a uma criança da sua Cachoeira do Riacho do Sangue natal, tratou de me mostrar as contas que ela fez:

– Para a gente se salvar da Segundona, basta ganhar do Curitiba por oito gols de diferença e o Corinthians não perder para o Avaí. Sem essa de precisar do Fluminense… eles podem apanhar de quanto quiserem do Figueirense, não é problema nosso.

O otimismo ou, melhor, a fé desta gente vascaína comove o mais empedernido materialista e, nas rodadas recentes do Brasileirão, tem removido barreiras quase irremovíveis.

Dê uma espiadinha nas redes sociais e você verá que nossa Maria Antonieta não é uma crente solitária.

Ídolos, como Geovani, Edmundo e Mauro Galvão, e torcedores famosos, como Camila Pitanga, Fátima Bernardes e Bruno Mazzeo (que postou em sua conta no Twitter: #EuEscolhiAcreditar desesperadamente), estão tão crentes quanto a nossa Maria Antonieta de que o Vasco, sabe-se lá por que milagre, vai escapar da terceira descida à Segundona em menos de uma década.

Riascos: dieta de poucos gols alimenta esperança de Maria Antonieta

Riascos: jejum alimenta as esperanças de Maria Antonieta

Além da matemática muito otimista, nossa Maria Antonieta alega um motivo futebolístico para apostar no milagre:

– O Riascos está com fome de gol?

– O Riascos? Por quê?

– Até agora, ele ficou em jejum quase completo. Fez só quatro golzinhos no campeonato… com fome, claro.

Tão convencida está de que Riascos vai matar a própria fome e empanturrá-la de felicidade no domingo, Maria Antonieta já cuida dos ingredientes para preparar e enviar ao ‘artilheiro’ colombiano, na segunda-feira, uma fornada de brioches.

– E se o Riascos continuar de jejum no domingo? – quis saber um engraçadinho da minoria não vascaína da redação.

– Nunca mais eu faço um brioche na vida.

– E como é que a gente fica, Maria Antonieta?

– Não tem brioche? Comam pãozinho.

Uma vez Maria Antonieta, sempre Maria Antonieta.

Mano e Cruzeiro: um jogo de perdedores

Pelo que tem falado nos últimos dias, Mano Menezes está mais propenso a substituir Cuca no comando técnico do Shandong Luneng do que a honrar o contrato com o Cruzeiro na próxima temporada brasileira.

O clube chinês estaria disposto a pagar a multa contratual de R$ 7 milhões para tirar do Cruzeiro o treinador que o comandou o time nas últimas 15 rodadas do Brasileirão, levando-o a oito vitórias, seis empates e uma única derrota, o que representa um aproveitamento de 66,% dos 45 pontos disputados. Ou seja: uma campanha de vice-campeão.

A disposição que Mano vem mostrando para mudar de emprego, já devidamente comunicada à diretoria cruzeirense, comprova que romper contrato não é exclusividade dos clubes em nosso futebol.

Nem por isso o Cruzeiro tem moral para chiar. No Brasileirão que chegará ao fim neste domingo, demitiu Marcelo Oliveira, técnico do bi de 2013/2014, e Vanderlei Luxemburgo antes de acertar o rumo com Mano.

O Cruzeiro, que parecia pronto para começar bem a próxima temporada, vai perder muito se tiver de mudar de técnico.

E será que, além de um bom dinheiro, Mano Menezes tem algo a ganhar trocando o futebol brasileiro pelo futebol chinês?

Parece um jogo sem ganhadores.

Em busca de um goleador

O Grêmio procura desesperadamente um goleador para reforçar o time na próxima temporada.

Segundo o presidente Romildo Bolzan Júnior, é “a prioridade das prioridades”.

Foi o que lhe pediu o técnico Roger Machado.

Garantido na Libertadores, ainda sonhando com o vice-campeonato, o Grêmio tem hoje o sexto ataque mais positivo do Brasileirão, com 50 gols marcados em 37 jogos, menos do que o Corinthians (70), o Atlético Mineiro (62), o Santos (54), o São Paulo e o Sport, ambos com 52.