Liga dos Campeões: o bilionário futebol inglês corre perigo

Concentram-se nos dois jogos do Grupo B, logo mais às 17h45 (horário brasileiro), as mais fortes emoções da última rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa: um empate em casa com o Manchester United garantirá o Wolfsburg nas oitavas e dará  ao PSV a chance de conquistar a outra vaga se, também em casa, vencer o CSKA.

Três vezes campeão europeu (em 1968, 1999 e 2008), o Manchester não terá Wayne Rooney, sua maior estrela, contra o Wolfsburg dos brasileiros Dante, Naldo e Luiz Gustavo, mas está confiante de que sairá da Alemanha classificado para continuar a brigar pelo título que será decidido em 2016:

– Nós não dependemos dos demais resultados, apenas das nossas forças e isso, no meu entender,  é o mais importante – diz o avisou o técnico Louis Van Gaal.

Outra equipe poderosa do futebol britânico, o Chelsea campeão de 2012, também corre risco, embora reduzido, de se despedir amanhã da Liga. Derrotando o Porto em Londres, fechará a fase como o primeiro colocado do Grupo G. Dançará, porém, se perder e o Dinamo Kiev derrotar em casa o Maccabi Tel-Aviv, que não conseguiu nenhum ponto nas cinco rodadas anteriores, marcar um só gol e levou 15.

Bem mais complicada é a situação do Arsenal, que também amanhã visitará o Olympiacos precisando da vitória por um placar mínimo de 3 a 2, como lhe impingiram os gregos no jogo em Londres, para continuar na Liga.

Dos quatro representantes do badalado e bilionário futebol britânico nesta edição da Liga dos Campeões da Europa, somente o Manchester City chegou à última rodada da fase de grupos em situação relativamente cômoda: já classificado para as oitavas de final, pode até ficar em primeiro lugar no Grupo D se hoje vencer em casa o Borussia Mönchengladbach e a Juventus for derrotada pelo Sevilla na Espanha.

No total, ainda há sete vagas abertas nas oitavas. Também estão na briga até amanhã: BATE Borisov, Bayer Leverkusen, Gent, Roma e Valência.

Atualização

Não deu mesmo para o Manchester United, despachado da Liga dos Campeões ao perder para o Wolfsburg por 3 a 2 na Alemanha enquanto, na Holanda, o PSV vencia o CSKA por 2 a 1. O time alemão é o primeiro do Grupo B, o holandês é o segundo.

Para o Manchester City, no Grupo C, deu tudo certo: além de vencer o Borussia Mönchengladbach por 4 a 2, foi ajudado pela derrota da Juventus para o Sevilla por 1 a 0.

Pelo Grupo C, o Atlético de Madrid terminou em primeiro lugar ao derrotar o Benfica por 2 a 1 em  Portugal.

Nenhuma surpresa no Grupo A: o Real Madrid goleou o Malmoe por 8 a 0, com quatro gols de Cristiano Eonaldo, e o PSG venceu o Shakhtar Donesk por 2 a 0.

A sexta rodada se completará amanhã.

Barcelona, Bayern e Zenite já estão garantidos nas oitavas de final. Roma, Bayer Leverkusen, BATE Borisov, Olympiacos, Arsenal, Chelsea, Porto, Dinamo Kiev, Gent e Valencia brigarão pelas cinco vagas que ainda restam nas oitavas.

Anúncios

Flamengo de Muricy é a esperança do futebol carioca

Muricy Ramalho no Fla: "O clube está pronto para crescer"

Muricy Ramalho no Fla: “O clube está pronto para crescer”

Não se pode dizer que a primeira gestão de Eduardo Bandeira de Mello tenha feito sucesso no futebol: 12º colocado no Brasileirão de 2015, décimo em 2014, 16º em 2013, o Flamengo patina na mediocridade geral em que se afundou o futebol carioca nas últimas temporadas.

Tendo perdido o apoio do ídolo Zico ao longo do primeiro mandato, Bandeira se reelegeu nesta segunda-feira com a promessa de que vai recolocar o Flamengo no topo do futebol brasileiro. Começou bem ao confirmar o que todo mundo já sabia: Muricy Ramalho vai comandar o trabalho de ressurreição do futebol rubro-negro.

Com as contas em dia e as dívidas devidamente equacionadas, pelo menos segundo os seus dirigentes, o Flamengo teria fôlego para montar um time mais forte em 2016, construir finalmente um centro de treinamento, modernizar a precária estrutura do departamento de futebol e voltar a sonhar com títulos.

Muricy Ramalho está animado, talvez até demais:

– O Flamengo não atrasou salário nenhum dia esse ano. A parte administrativa está estruturada, a parte da dívida está estruturada. O clube está pronto para crescer. Me falaram que a estrutura do CT não é boa, mas nós vamos melhorar isso. Com certeza, o Flamengo em pouco tempo será fortíssimo em termos de estrutura e títulos. O Flamengo é grande, quem não quer dirigir o Flamengo? Por isso aceitei esse desafio. É um gigante do futebol mundial, tem uma gestão profissional e muito séria.

Se conseguir tempo e tranquilidade para realizar os sonhos do clube que demitiu três treinadores na atual temporada, Muricy estará ajudando todo o futebol carioca, que chega ao fim de 2015 com o Vasco rebaixado, o Flamengo e o Fluminense colocados na metade inferior da tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, abaixo de todos os seus concorrentes de São Paulo, Minas e Rio Grande do Sul.

O quadro esportivo é tão grave que a melhor notícia do ano é botafoguense: a conquista do título da Segundona.

A crise técnica se reflete fora de campo, claro.

A torcida do Flamengo não tem negado força do time, tanto que, em casa, é responsável pela segunda melhor média de público no Brasileirão: 30.962 pagantes por jogo, apenas 3.187 a menos do que o campeão Corinthians. Acontece, porém, que o Corinthians faturou quase R$ 39 milhões nas bilheterias; o Fla, pouquinho mais de R$ 26 milhões. Os jogos do Corinthians têm 73% dos assentos vendidos; os do Flamengo, 41%.

Bem mais grave é a situação do Fluminense, com média de 16.351 pagantes por jogo em casa, e do Vasco, com apenas 12.874.

Ou Muricy muda as coisas no Flamengo e o Flamengo dá partida numa mudança radical na gestão dos clubes do Rio ou o futebol carioca vai virar logo, logo uma mera referência histórica.

Ou Muricy salva o Fla ou o futebol carioca vai pro beleléu.

Desta vez, Eurico Miranda acertou

Eurico Miranda: "O responsável pelo rebaixamento sou eu"

Eurico Miranda: “O responsável pelo rebaixamento sou eu”

Na entrevista coletiva em que está deitando falação e jogando pedras em Roberto Dinamite,  realmente tão culpado quanto ele pelos repetidos vexames do Vasco nos últimos sete anos, o cartola Eurico Miranda disse pelo menos uma verdade:

– Eu não passo a responsabilidade por essa queda do Vasco para ninguém. A responsabilidade é minha.O único e exclusivo responsável pelo rebaixamento sou eu.

O site Netvasco exibe uma enquete, neste momento com quase 10 mil votos que comprovam o quanto Eurico Miranda está certo no que acaba de reconhecer aos jornalistas em São Januário:

De quem é a culpa pelo rebaixamento do Vasco no Brasileiro?

Arbitragem (981 votos – 10,29%)
Celso Roth (2225 votos – 23,35%)
Doriva (159 votos – 1,67%)
Eurico (5675 votos – 59,56%)
Fatalidade (199 votos – 2,09%)
Jogadores (253 votos – 2,66%)
Jorginho (37 votos – 0,39%)

No final de 2008, a mesma enquete teve as seguintes respostas:

Arbitragem (253 votos – 1,93%)
Dinamite (1779 votos – 13,59%)
Eurico (8972 votos – 68,54%)
Fatalidade (206 votos – 1,57%)
Jogadores (1026 votos – 7,84%)
Lopes (92 votos – 0,70%)
Renato (87 votos – 0,66%)
Tita (676 votos – 5,16%)

No final de 2013, foram estas as respostas:

Arbitragem (235 votos – 1,87%)
Dinamite (10510 votos – 83,82%)
Fatalidade (203 votos – 1,62%)
Jogadores (889 votos – 7,09%)
Paulo Autuori (264 votos – 2,11%)
Dorival Jr. (340 votos – 2,71%)
Adílson Batista (98 votos – 0,78%)

A torcida está certa. Realmente, o rebaixamento para a Série B em 2016 é obra de Eurico, como o rebaixamento em 2014 foi obra de Dinamite e o de 2009 foi obra conjunta da dupla.

Eurico, que não para de falar, já disse também que não vai cumprir a promessa de se mudar para a Sibéria. Ou seja: o Vasco continuará correndo perigo.

Parece que Ralf fica

Ralf: "Preferia estar feliz por já ter renovado"

Ralf: “Preferia estar feliz por já ter renovado”

Andrés Sanchez mudou de tom, já não fala de Ralf no passado nem lhe deseja felicidade em outro time, e o cabeça de área, em entrevista   a Marcelo Braga, do GloboEsporte.com,  dá a entender que deve acertar em breve a renovação contrato com o Corinthians:

– Não está tudo certo, mas está bem encaminhado, bem adiantado. Espero que nos próximos dias se resolva.

Ralf não está totalmente satisfeito:

– Estou feliz com o título de campeão, mas preferia estar feliz por já ter renovado ou por ter alguma coisa acertada, para ir para as férias com a cabeça tranquila.

O menos badalado jogador do meio de campo corintiano é um autêntico cão de guarda, protetor atento e incansável do sistema defensivo, daqueles que pouco ladram, mas mordem muito.

Se valer a opinião de Tite, que o escolheu como capitão para receber pelo Corinthians o troféu de campeão brasileiro, e dos companheiros Elias, Renato Augusto e Jadson, Ralf fica.

Libertadores: a história favorece gaúchos e mineiros

Corinthians, São Paulo e Palmeiras, juntos, vão disputar a Libertadores pela terceira vez.

A primeira foi em 2006. O campeão foi um gaúcho: o Internacional, que venceu o São Paulo nas finais.

A segunda foi em 2013. O campeão foi um mineiro: o Atlético, que venceu o paraguaio Olimpia na final, tendo antes eliminado o São Paulo nas oitavas de final.

Mineiros e gaúchos esperam que a história se repita em 2016.

Um prêmio de consolação para os colorados

Como dizem os gaúchos, o Internacional andou costeando o G-4, mas ficou de fora por dois pontos.

O quinto lugar do Brasileirão, embora frustrante, lhe reserva um prêmio de consolação além da cota de R$ 2,2 milhões que lhe pagará a CBF: a entrada diretamente na fase de oitavas de final da Copa do Brasil de 2016, livrando-o dos jogos cansativos e deficitários das fases iniciais.

Se não tivesse vencido o Cruzeiro neste domingo, o Inter perderia tais benesses para o Sport.

O novo mapa da elite

A única região que não emplacou nenhum time no Brasileirão de 2015 foi o Norte. Em 2016, com o rebaixamento do Goiás, o Centro-Oeste também ficará fora da mais importante competição do futebol brasileiro.

O Nordeste, representado exclusivamente pelo Sport em 2015, terá o reforço de Santa Cruz e Vitória, vindo da Série B.

O Sul, que participou de 2015 com oito representantes, perderá duas vagas – as dos rebaixados Figueirense e Joinville.

O Sudeste perderá o Vasco em 2016, mas terá de volta o Botafogo e ganhará mais um representante vindo da Série B, o América Mineiro.

Assim, de Sul a Nordeste, o  Brasileirão de 2016 terá dois times gaúchos, dois catarinenses, dois paranaenses, cinco paulistas, três cariocas, três mineiros, um baiano e dois pernambucanos