Arquivo da tag: Pep Guardiola

Você tem de escolher: Bayern ou Barça?

É uma pena que sejam no mesmo horário – como deveriam ser e não serão vários e decisivos jogos do Brasileirão no fim de semana – e a gente tenha de escolher entre Bayern x Olympiacos e Barcelona x Roma, jogões das 17h45 (no horário de Brasília) desta terça-feira pela fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa.

Imagino que até Pep Guardiola, que pariu um e está gestando o outro, teria dificuldade de escolher entre o Barça de Messi, Neymar, Suárez e Iniesta e o Bayern de Lahm, Robben, Müller e Lewandowski se não fosse obrigado por contrato a acompanhar os seus pupilos em Munique.

Bayern e Olympiacos estão empatados em pontos no Grupo F, cada um com nove. O Bayern já foi derrotado pelo Arsenal; o Olympiacos, em casa, pelo próprio Bayern. Os alemães marcaram 13 gols e sofreram três até agora; os gregos marcaram seis e sofreram outros seis.

Se der empate no jogo de hoje, os dois times estarão classificados para as oitavas. Alguém arrisca um palpite?

Em casa, com Messi de volta, o Barcelona precisa apenas de um empate com a Roma para garantir antecipadamente o primeiro lugar do Grupo D, que lidera folgadamente com 10 pontos, cinco a mais do que o adversário. Em Roma, foi 1 a 1.

Pep Guradiola: fez o Barça, comanda o Bayern

Pep Guardiola: fez o Barça, comanda o Bayern

Deixemos Luis Enrique, que herdou de Guardiola este Barça multicampeão e vem lhe dando maior ímpeto ofensivo, falar do jogo:

– É a oportunidade de terminar em primeiro lugar. Creio que podemos fazer melhor do que fizemos sábado nos 4 a 0 sobre o Real Madrid, mas espero um jogo difícil porque eles precisam vencer. Deve ser um jogo muito aberto.

Voltando ao começo: é pena não ver o Bayern, que tem a média 3,25 gols por jogo, fica com a bola durante 71% do tempo e acerta 91% dos passes, mas, obrigado a escolher, vou ver o Barça de Messi. Talvez veja o Barça de Neymar.

Guardiola não vai reclamar.

Atualização

Valeu a pena ver o Barcelona, que desta vez não teve gol de Neymar. Gols não faltaram, porém: foram dois de Messi, dois de Suárez, um de Piqué e um de Adriano,  6 a no total. Neymar participou das jogadas dos seis gols e ainda perdeu um pênalti.

Os adversários que se cuidem que este Barça cada vez mais afinado, pois o técnico Luis Enrique prometeu depois da goleada sobre a Romsa:

– O melhor ainda está por vir. Falta muito. Estamos em um momento mágico e temos que estender isso ao máximo.

Anúncios

Arsenal enfrenta Bayern para sobreviver na Liga

Vice-líder do Campeonato Inglês, empatado em pontos com o líder Manchester City, o Arsenal de Arsène Wenger faz hoje em Munique um jogo decisivo para sua sobrevivência na Liga dos Campeões da Europa.

Lanterninha do Grupo F com apenas três pontos acumulados nos primeiros três jogos, precisa vencer o líder Bayern, que tem seis pontos, para não cair fora da competição ainda na primeira fase.

Os três pontos do Arsenal foram conquistados justamente contra os alemães, em Londres. A história muda em Munique, como avisa Pep Guardiola:

– Queremos pressioná-los fortemente para que não possam sair jogando da defesa. Digo sempre aos meus jogadores para atacar o mais possível e criar o máximo de oportunidades.

O brasileiro Thiago Alcántara, que nasceu na Itália, defende a seleção da Espanha e é um dos destaques do Bayern, concorda com o treinador: 

A nossa filosofia é tentar ganhar todos os jogos.

O Arsenal correr sério risco de tombar na Alemanha.

Atualização

O Arsenal tombou feio: 5 a 1 para o Bayern.

Nem só de gols vive o artilheiro

Lewandowski: "Quero sempre mais"

Lewandowski e o gol: “Quero sempre mais”

Depois de marcar gols em seis jogos seguidos, pelo Bayern e pela seleção polonesa, o artilheiro Robert  Lewandoski certamente não gostou de passar em branco no 1 a 0 do sábado sobre o Werder Bremen, pela nona rodada do Campeonato Alemão, pois se trata de fominha assumido, que já chegou a dizer:

– Não importa quantos gols marquei, quero sempre mais.

Pep Guardiola cobra menos de seu goleador, como reconhece o próprio Lewandowski em entrevista  ao site da Uefa na véspera do Arsenal x Bayern pela terceira rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa:

– Sei que não tenho de marcar em todos os jogos para o treinador ficar satisfeito com o meu desempenho. Ele está satisfeito com os meus gols, mas também quer que eu pratique bom futebol e ajude os meus colegas. Às vezes, a movimentação em campo e a forma como exploro os espaços vazios são mais importantes para ele.

O artilheiro não se furta ao trabalho de equipe, mas parece mesmo ligar é em mandar a bola para as redes:

– Sei que sempre vão aparecer oportunidades de gol. É uma questão de tempo até começar a transformá-las em gols. Estou muito feliz com a fase atual e trabalho bastante para que ela continue.

O Arsenal, que perdeu os dois primeiros jogos e está na lanterna do Grupo F, corre perigo em Londres.   Lewandowski  não fez gol nos 3 a 0 sobre o  Olympiacos, mas marcou três nos 5 a 0 sobre o Dinamo Zagreb e quer a terceira vitória consecutiva na Liga dos Campeões para manter o Bayern na liderança isolada do grupo. Com gols seus, claro.

Bayern não tem time para continuar sendo campeão

Líder do Campeonato Alemão, com 100% de aproveitamento em oito rodadas, sete pontos à frente do vice-líder Borussia Dortmund, o Bayern de Munique visitará amanhã o Werder Bremen – 14º colocado, com apenas sete pontos ganhos até agora – num jogo que está tirando a tranquilidade do sempre tranquilo Pep Guardiola:

– Não tenho mais do que 13 jogadores e muitos deles estão com problemas de lesões – lamenta o treinador.

A situação atual do tricampeão alemão é mesmo grave: Mario Gotze, Kirrchhoff, Sebastian Rode, Benatia, Coman, Arjen Robben, Javi Martinez e Alex Vidal estão em tratamento, Badstuber e Frank Ribery voltaram a treinar no começo da semana.

Guardiola avisa:

– É impossível ser campeão com 13 jogadores.

A nova esperança de alemães e brasileiros

Douglas Costa: aposta de Guardiola e Dunga - Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Douglas Costa: aposta de Guardiola e Dunga – Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Ele alegrou a torcida ao marcar, aos 46 minutos do segundo tempo, o gol da vitória brasileira por 2 a 1 sobre o Peru na estreia da Copa América. Tinha entrado aos 20, substituindo Tardelli.

Passou em branco na derrota para a Colômbia por 1 a 0. Jogou então, meio tempo, tempo substituído Willian.

Nas quartas de final, entrou aos 15 do segundo tempo, novamente substituindo Willian, viu de perto o Paraguai empatar o jogo aos 25 e, depois do 1 a 1 no tempo normal, perdeu um dos pênaltis que custaram a eliminação do Brasil.

Depois da Copa América, o gaúcho Douglas Costa de Souza, que vai fazer 25 anos daqui a um mês, trocou o Shakhtar Donetsk pelo Bayern de Munique numa transação de 30 milhões de euros, sinal claro de que os alemães viram nele algo além do que mostrou nos campos do Chile.

A torcida do Bayern o recebeu com certa desconfiança, a mesma que o cerca por aqui desde que foi chamado pela primeira vez para a Seleção por Mano Menezes em 2010, mas Pep Guardiola apostou nele para substituir Ribéry, ainda às voltas com as renitentes lesões dos últimos tempos, e abrir pelos lados os caminhos para os gols do tricampeão alemão.

Douglas Costa tem correspondido tão bem à confiança do técnico que, há poucos dias, Guardiola chegou a dizer que ele será em pouco tempo um dos melhores jogadores do mundo.

É tudo que Dunga espera, tanto que ontem o convocou novamente, desta vez para os ensaios que a Seleção fará nos Estados Unidos visando os primeiros jogos pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

E hoje Douglas Costa mostrou mais uma vez que Guardiola pode estar certo: na abertura do Campeonato Alemão, foi um dos destaques do Bayern nos 5 a 0 sobre o Hamburgo, com direito a um gol e uma assistência.

Que autoridade tem a Uefa para censurar a torcida?

A Uefa resolveu multar em 30 mil euros o Barcelona por conta das manifestações de seus torcedores favoráveis à independência da Catalunha durante a final da Liga dos Campeões da Europa em Berlim no dia 6 de junho.

Será que vai multar também o treinador  Pep Guardiola, que há dois dias assinou uma lista em apoio à independência da Catalunha?

É inadmissível que entidades esportivas censurem manifestações pacíficas de torcedores e esportistas.

Aliás, a Uefa deveria estar mais preocupada com as frequentes manifestações racistas em estádios europeus e com o que se anda revelando em federações e confederações de futebol, inclusive na Fifa, depois que o FBI resolveu entrar em campo.

Barça, o campeão que todos esperavam

Gol de Suárez 66Suárez faz 2 a 1 para o Barça aos 23 do segundo tempo e garante o título europeu

Não foi o Barcelona esfuziante dos últimos tempos e ficou até a impressão de que Messi não entrou inteiro no jogo, mas o caneco da Liga dos Campeões da Europa ficou com que mais o mereceu.

Juventus deu rápida e passageira demonstração de coragem no início do jogo, partindo para cima da defesa espanhola como se quisesse surpreender Messi e companhia, muito mais acostumados a determinar o andamento da bola do que a se trancar na defensiva.

Aos 4 minutos, porém, o volante Rakitic desfez as ilusões, mandando para as redes de Buffon a bola que lhe foi tocada por Iniesta, que recebera de Neymar e passara por Alba após o lançamento precioso e preciso de Messi.

Daí em diante, o Barça tratou de tocar a bola como nos tempos de Pep Guardiola, abdicando um pouco da contundência que lhe imprimiu Luis Enrique para aproveitar o talento e entrosamento de Messi, Neymar e Suárez.

No segundo tempo, quando a torcida do Barça já ensaiava um coro de ‘olé’, o espanhol Morata empatou o jogo aos 9 minutos e a Juve voltou a passar a sensação de que poderia reverter o placar.

De novo, era pura ilusão. Aos 23, aproveitando o rebote do goleiraço Buffon num chute forte de Messi, o uruguaio Suárez garantiu o título.

Os 2 a 1 eram pouco, talvez não pelo jogo deste sábado,  certamente por toda a obra do Barça ao longo da competição, e Neymar tratou de ampliar a vantagem dois minutos depois, mas a arbitragem anulou o gol invocando um toque de mão na bola que mais pareceu um toque da bola na mão do brasileiro.

Não adiantou. Já aos 51, Neymar decretou em 3 a 1 o placar da vitória e, assim, se tornou, em companhia de Messi e de Cristiano Ronaldo, um dos artilheiros desta Liga dos Campeões da Europa, cada um deles com 10 gols.

Será este o trio que veremos na festa da Bola de Ouro de 2015?

Mesmo que não vá à festa como um dos destaques da temporada, Neymar entrou definitivamente para a história, como o segundo jogador a conquistar os títulos da Libertadores e da Liga dos Campeões da Europa fazendo gol nas finais e o primeiro na era moderna da competição europeia a marcar em todos os jogos das quartas, das semifinais e da final.

Veja mais algumas imagens marcantes da final em Berlim

Liga dos Campeões 2015

   O jovem Pogba consola o veterano Pirlo + Os brasileiros Daniel Alves e Adriano exageram na comemoração + Messi é marcado com a severidade de sempre + Neymar se ajoeha para chorar + Piqué saboreia a glória de campeão