Arquivo da tag: Carlo Ancelotti

Por que o Corinthians de Tite é hexacampeão

Tite, novamente campeão com o Corinthians: permanentemente ligado

Tite, novamente campeão com o Corinthians: permanentemente ligado

Em outros tempos, quando seu time enrolava muito o jogo e mais se defendia do que atacava, ele tratava de também enrolar a linguagem nas entrevistas e mesas redondas. Falava em titês, um dialeto aparentado com o lazaronês, embora seu criador, tendo sido boleiro, jamais tenha chegado ao exagero de se dispor a galgar parâmetros, como se obrigava em outros tempos o colega Sebstião Lazaroni.

Galgou-os, no entanto. E como!

O futebol contido e a fala empolada lhe deram, em outra encarnação no Corinthians, os títulos de campeão brasileiro de 2011, campeão da Libertadores e do Mundial de Clubes em 2012.

Foi, no entanto, ao reencarnar com a camisa corintiana, depois de um ano longe do trabalho nos campos de treino e de jogo, procurando conhecer de perto o que fazem seus colegas de profissão no futebol europeu, agora cada vez mais antenado com os novos rumos da bola pelo mundo afora, que o gaúcho Adenor Leonardo Bachi se transformou em unanimidade nacional que muitos gostariam de ver no comando técnico da Seleção.

Parece outro treinador este Tite que voltou ao trabalho nesta temporada depois de assinar novo contrato com o Corinthians no finalzinho de 2014.

Continua sério, embora bem humorado, dedicado e sincero, mas parece mais leve e feliz no trato com os boleiros e os torcedores e acrescentou ao repertório do time opções ofensivas que aquele Corinthians multicampeão de 2011 e 2012 nem sonhava exercitar.

O que mudou?

A chave para entender o novo Tite talvez esteja numa entrevista que ele deu a Marcelo Rizzo, da Folha, ainda em março (para ler, clique aqui), em que conta o que mais o marcou nos cinco dias de convivência com Carlo Ancelotti, acompanhando o trabalho do colega italiano no Real Madrid:

– O que levo dele é exigir concentração alta dos atletas o tempo todo. Ele abriu seu sistema de trabalho de uma forma que, admito, eu não faria com outro profissional.

O Corinthians de 2015 é um time permanentemente ligado, dos treinos aos jogos, passando às vezes até pelos curtos períodos de folga.

O Tite de hoje, embora menos tenso, parece o Bernardinho de sempre. Não faz muito tempo, até contou que dorme com um caderno de anotações na cabeceira e, às vezes, acorda para registrar recados para ele mesmo ler no dia seguinte.

Sorte dos seus pupilos corintianos. Bernardinho dispara, no meio da noite, recados para os seus jogadores, às vezes simplesmente perguntando o que eles fizeram naquele dia para alcançar uma ótima performance no próximo jogo ou na próxima competição.

Tite é mais relax. Nem por isso está menos alerta. Mais do que o novo desenho tático, a distribuição mais equilibrada do time, a movimentação incessante dos jogadores e o alargamento do campo de ataque com a abertura dos meias em direção às laterais, o segredo do Corinthians  campeão brasileiro de 2015 é a permanente mobilização mental.

Tite conseguiu fazer Cássio, Fagner (Edílson), Felipe, Gil, Uendel (Guilherme Arana), Ralf, Elias, Renato Augusto, Jadson, Malcom (Lucca), Vagner Love (Luciano), Danilo e companhia menos assídua jogarem tudo o que podem – às vezes, quando a necessidade aperta, um pouquinho mais do que sabem.

Tite simplificou a linguagem e galgou parâmetros.

Por isso, o Corinthians é hexacampeão brasileiro – vença, empate ou perca o jogo desta quinta-feira contra o Vasco.

Publicidade

E agora, Tite?

Tite: como montar o Corinthians sem Luciano?

Tite: como montar o Corinthians sem Luciano?

A notícia não poderia ser pior para o Corinthians a esta altura do Brasileirão, se a gente lembrar que a Copa do Brasil tem tudo para acabar na quarta-feira: o garoto Luciano só voltará aos campos em 2016.

E agora, Tite?

O que será deste Corinthians que lidera o Brasileirão, mas tem enorme dificuldade para marcar gols, e foi competentemente rearrumado por você após se ter esfarelado o sonho da Libertadores e, pior ainda, terem ido embora os atacantes Sheik e Guerrero?

Insistir com Vágner Love, que fazia o time empacar diante de quase todas as defesas e forçou você, após alguma relutância, a escalar Luciano, como já tinha feito com outro garoto, Malcom, para fazer o ataque funcionar?

Para quem olha de fora, outra saída não há, mas será solução?

Este Corinthians que estava retomando com o garoto de 22 anos o gosto por fazer gols e assim apeou da liderança o favorito Atlético Mineiro, para nela se instalar com jeito de mais forte candidato ao título, mostrará mais uma vez capacidade de reação diante da adversidade?

Em março, não eram poucos os que apressadamente listavam o seu time entre os melhores da história do futebol, capaz de jogar como igual contra o Barça de Messi, o Real de Cristiano Ronaldo ou o Bayern de Thomas Muller.

Veio um Guaraní lá do Paraguai para desfazer os devaneios que, aliás, você jamais alimentou. Em seguida, os dirigentes começaram o desmonte do time e apressadamente muitos decretaram o fim de todos os sonhos nesta temporada. Aqui mesmo, em 4 de junho, este blog decretou (para reler a nota, clique aqui):

A torcida corintiana pode guardar seu dinheirinho para comprar ingressos no ano que vem. O Corinthians desistiu de 2015.

Até você andava um pouco descrente, tanto que chegou a dizer algo parecido:

O presidente deu um passo para trás agora para dar dois à frente no ano que vem.

Continuou, porém, trabalhando duro e refez o time, rejuvenescendo-o na linha de frente, apostando novamente na força da marcação forte em todas as partes do campo,  pregando sempre que o saldo é muito mais importante do que o úmero de gols, exigindo “concentração alta dos atletas o tempo todo”, lição que confessou ter trazido do convívio com Carlo Ancelotti no ano passado.

Deu certo, tanto que o seu Corinthians foi o campeão simbólico do primeiro turno do Brasileirão. Deu certo, mas com a decisiva ajuda do goleador Luciano.

E agora, Tite?

Luciano não há mais.

Real demite Ancelotti contra vontade de torcida e craque

Ancelotti: campeão europeu e mundial em 2014, demitido em 2015

Ancelotti: campeão europeu e mundial em 2014, demitido em 2015

Embora tivesse contrato até a metade do ano que vem, Carlo Ancelotti não trabalha mais no Real Madrid, anunciou hoje o todo poderoso presidente Florentino Pérez, com um argumento fulminante:

– No Real Madrid, a exigência é total e achamos que este é o momento de dar um novo impulso que nos permita conquistar novos títulos e alcançar nosso nível máximo.

Faz seis meses que Ancelotti se sagrou campeão mundial de clubes, no mesmo ano em que conquistou também os títulos da Copa do Rei, da Liga dos Campeões da Europa e da Supercopa. Em 2015, o Real não conseguiu chegar às finais da Copa do Rei e da Liga dos Campeões e teve de se contentar com o vice espanhol.

A torcida queria que ele ficasse e, sábado, gritou seu nome no Santiago Bernabeu durante boa parte da sensacional goleada que o Real aplicou no Getafe.

Cristiano Ronaldo, autor de três gols nos 7 a 3, artilheiro do Campeonato Espanhol e eleito o melhor jogador do mundo em 2015, tuitou sobre Ancelotti, ainda no sábado:

– Super treinador e um homem incrível. Espero que trabalhemos juntos na próxima temporada.

Se acontecer, não será no Real de Florentino Pérez.

Juve x Real: teremos gol?

Allegri x Ancelotti: duelo em Turim por vaga na final da Liga

Allegri x Ancelotti: duelo em Turim por vaga na final da Liga

De alma leve após se sagrar tetracampeão italiano, embora mal tenha podido comemorar o título conquistado no sábado, o time da Juventus recebe o Real Madrid hoje em Turim (às 15h45 de Brasília) para o primeiro embate pela vaga na final da Liga dos Campeões da Europa.

Massimiliano Allegri, treinador da Juve, nem procura disfarçar a preocupação:

– É uma semifinal, o adversário é o campeão europeu e, por isso, diria que tem ligeiro favoritismo.

Seu compatriota Carlo Ancelotti, técnico do Real, também põe mais fé na própria equipe, embora se manifeste de forma sutil:

– Queremos atacar e estamos nos preparando para um jogo ofensivo. Quando um time tem coragem, vence; quando tem medo, perde.

Pode ser, pode ser, mas Ancelotti não está de todo despreocupado:

– Também vai ser preciso defender bem.

Tentando traduzir o que de verdade se passa pela cabeça dos dois treinadores, o mais provável é que tenhamos um jogo de muitos cuidados e poucos gols.

Afinal, nos 180 minutos que cada um jogou nas quartas de final, a Juve fez apenas um gol no Monaco; e o Real, um golzinho só no Atlético de Madrid.

É uma pena que o Real não possa contar com Modrić e Benzema, e a Juve continue sem Pogba.

Simeone x Ancelotti: mais um duelo na Liga dos Campeões

Simeone e Ancelotti 1Não faltam atrações em campos da América do Sul e da Europa nesta terça-feira, 14 de março, mas as atenções de todo o mundo estarão voltadas para o clássico de Madri que reprisará, na abertura das quartas de final, a decisão da Liga dos Campeões da Europa no ano passado: Atlético x Real.

O jogão das 15h45 (de Brasília) pode parecer a muitos mais um passo do bilionário Real Madrid rumo ao título, mas não se deve apostar em tão franco favoritismo – e não apenas porque o confronto se dará no estádio Vicente Calderon, casa do Atlético de Madrid.

Que o Real é superior tecnicamente ao Atlético ninguém há de negar, mas você sabia que, nas seis vezes em que os dois se enfrentaram após a final da última Liga dos Campeões, a equipe de Diego Simeone venceu quatro e empatou duas?

Carlo Ancelotti sabe, tanto que disse ontem aos jornalistas que acompanham o dia a dia do Real:

– O Simeone é um grande treinador, já provou isso. Gosto muito dele e é um dos melhores do mundo. Para mim, é uma honra competir com ele, mas também é um problema. O Atlético é um adversário muito complicado, porque tem uma organização defensiva fantástica. Temos o máximo respeito por eles. Lutam do primeiro ao último minuto. É o que eu também espero de minha equipe.

O italiano está certíssimo ao esperar um jogo duro e difícil, mas o argentino também sabe que não terá moleza pela frente:

– Eles têm mais talento individual do que nós em várias posições. Têm jogadores extraordinários e respeitamos o talento de todos eles, mas não podemos escolher os nossos adversários. É um motivo de orgulho poder enfrentar os melhores e Carlo é um deles. Precisamos nos concentrar apenas neste desafio, pois temos chances de vencer.

O Real já deve ter aprendido que não basta o talento, mesmo extraordinário, para dobrar este adversário levado por seu treinador a “viver cada minuto como se fosse o último”.