Arquivo da tag: Eduardo Baptista

Paulistão sem troca-troca deveria inspirar CBF

O Campeonato Paulista de 2016 terá uma novidade que deveria ser adotada pela CBF, começando pelo Brasileirão: nenhum técnico poderá trocar de clube durante a competição.

Quem pedir demissão ou for demitido deve ir procurar emprego em outra freguesia.

Se tal norma valesse no Brasileirão de 2015, Doriva não estaria no São Paulo nem teria treinado a Ponte Preta depois de sair do Vasco.

E mais: Marcelo Oliveira não teria assumido o comando do Palmeiras depois de ser demitido do Cruzeiro.

E muito mais:

♦ Vanderlei Luxemburgo não teria trabalhado no Flamengo e no Cruzeiro

♦ Oswaldo de Oliveira não teria ido para o Fla depois de perder o emprego no Palmeiras

♦ Cristóvão Borges não estaria trabalhando no Atlético Paranaense após ser despedido do Fla

♦ Guto Ferreira não estaria sofrendo na Chapecoense depois de ser dispensado pela Ponte Preta

♦ Argel Fucks não teria abandonado o Figueirense para comandar o Internacional

♦ Eduardo Baptista não teria trocado o Sport pelo Fluminense

Anúncios

Flu espera que Ronaldinho finalmente estreie

Ele já entrou em campo algumas vezes desde que foi apesentado nas Laranjeiras em 19 de julho, mas a torcida continua esperando que Ronaldinho Gaúcho estreie de verdade com a camisa do Fluminense. Pode ser hoje, no Maracanã, contra o Goiás, aposta o técnico Eduardo Baptista:

– Gostei de como ele entrou contra o Grêmio. Ele pode ser titular sim. É um jogador que conduz bem a bola, tem o drible.

Pode não ser:

– Não tomamos a decisão ainda, mas é uma opção muito forte.

Por que o novo treinador do Flu está em dúvida?

– O Marcos Junior me dá mais velocidade, mais penetração, e o Ronaldo me dá mais jogo. A dúvida é entre eles dois.

Como a situação tricolor é aflitiva, pois está em 12º lugar, a apenas três pontos da Z-4, Eduardo Baptista tende a apostar na experiência de Ronaldinho para o jogo das 18h30 contra um adversário também desesperado, pois é o 16º colocado, com os mesmos 31 pontos da Chapecoense, que abre o quarteto ameaçado pelo rebaixamento.

Ronaldinho, que hoje dribla mais os repórteres do que os marcadores dentro de campo, promete vagamente:

– Estou tentando chegar ao meu melhor.

O Flu está precisando de algo mais concreto: vencer, algo que não consegue há não vence há oito rodadas do Brasileirão. E, para finalmente vencer, o Flu precisa que Ronaldinho Gaúcho estreie.

O ‘projeto’ que seduziu Eduardo Baptista

Eduardo Baptista:

Eduardo Baptista: “Chego ao Fluminense muito animado”

O presidente do Sport, João Humberto Martorelli, garante que não tentou impedir a saída do treinador Eduardo Baptista, contratado pelo Fluminense para substituir Enderson Moreira e justifica:

– Ele já chegou dizendo que estava saindo por causa da proposta financeira. Já chegou com a decisão unilateral. Eu achava que isso poderia acontecer, mas não esperava que acontecesse da maneira como aconteceu.

Eduardo Baptista, 45 anos, filho e antigo auxiliar de Nelsinho Baptista, dá uma explicação diferente para ter topado assumir seu segundo emprego de treinador apenas três meses depois de dizer, em  entrevista à ESPN, que não deixaria o Sport antes do fim do contrato por nenhuma outra oferta e enfatizar: “pode vir a proposta que for”. O que ele diz agora:

– O que me seduziu foi o projeto apresentado pelo presidente Peter Siemsen, que tem uma leitura sobre futebol muito parecida com a minha. Acredita na importância dos jogadores experientes e nas divisões de base. Chego ao Fluminense muito animado.

Se a “leitura sobre futebol” do presidente do Flu não tiver mudado nos últimos dias, Eduardo Baptista pode se preparar para procurar o terceiro emprego daqui a seis meses. É a média de duração de um técnico no clube desde que Peter Siemsen assumiu a presidência em 2010.

Bem informado, o jovem treinador que comandou o Sport por um ano e sete meses certamente está sabendo o que o espera no novo trabalho: a oito pontos do G-4 e a seis do Z-4, o Fluminense fechou a 26ª rodada em 11º lugar no Brasileirão, com 34 pontos, e ainda corre pelo menos 5% de risco de ser rebaixado, segundo o matemático Tristão Garcia em seu site Infobola, ou 5,9%, segundo o Departamento de Matemática  da Universidade Federal de Minas Gerais.

É pouco? É, mas a classificação e a pontuação de hoje são exatamente iguais às da 26ª rodada do Brasileirão de 2013, ano em que o Flu acabou  rebaixado no campo e salvo no tapetão porque a Portuguesa, após escalar irregularmente o jogador Héverton numa partida, foi punida com a perda de pontos.

Não será fácil a vida do Sport nos próximos 40 dias

Eduardo Baptista: "conseguimos nos preparar"

Eduardo Baptista: “conseguimos nos preparar”

Quinto colocado no Brasileirão com pontuação suficiente para estar no G-4, o Sport é um time peculiar: em 17 rodadas, não venceu nenhum jogo fora de casa (como o Santos e o Coritiba), não perdeu nenhum em casa (como o Grêmio e o São Paulo) e não teve nenhum jogador expulso.

Se não tivesse sofrido aos 52 minutos do segundo tempo o gol de empate do Atlético Paranaense no domingo em Curitiba, a equipe do jovem técnico Eduardo Baptista estaria em terceiro lugar no Brasileirão, a apenas dois pontos do vice-líder Corinthians e a quatro do líder Atlético Mineiro.

É a mais surpreendente campanha deste primeiro turno que se encerrará no fim de semana, cabendo ainda ao Sport encarar o Corinthians, amanhã em Itaquera, e a Ponte, domingo no Recife.

São dois jogos cruciais para o sonho de disputar a Libertadores em 2016, bastante viável a esta altura do Campeonato Brasileiro, mas um tanto complicado pela maratona que a equipe vai ter de enfrentar nos próximos 40 dias. Serão mais sete partidas pelo Brasileirão e quatro pela Copa Sul-Americana, praticamente uma partida a cada três dias de amanhã a 20 de setembro.

Terá o time pernambucano fôlego e elenco para manter até o final de setembro a boa performance que, nestes primeiros dias de agosto, embala os sonhos de sua torcida? Eduardo Baptista garante que sim:

– Nesses próximos tempos, quem tiver um elenco mais equilibrado e menor número de lesões e suspensões vai estar à frente. Não vai adiantar ter só um time forte, e sim um elenco forte porque fatalmente vão acontecer lesões e desgaste. Vai ser preciso segurar um ou outro jogador em determinadas partidas, mas nós conseguimos nos preparar para esse momento crítico do campeonato.

Será a prova de fogo do técnico que é a grande revelação deste campeonato.

O Grêmio de Roger vence mais uma e anima Brasileirão

Fábio pega tudo, menos o pênalti cobrado por Douglas

Fábio pega tudo, menos o pênalti cobrado por Douglas

Ninguém pega o Sport de Eduardo Baptista, que manteve a liderança isolada ao derrotar no Recife o Internacional de Diego Aguirre por 3 a 0, mas o Atlético Mineiro de Levir Culpi e o Grêmio de Roger Machado continuam vencendo e estão chegando cada vez mais perto, colocados a apenas dois pontos do líder.

Em Minas, o Atlético venceu o Coritiba, agora vice-lanterna, por 2 a 0. No Rio Grande do Sul, o Grêmio quase empacou no goleirão Fábio, mas acabou vencendo-o com um  pênalti cobrado por Douglas.

O 1 a 0 sobre o Cruzeiro foi a quarta vitória consecutiva dos gremistas neste Brasileirão, a quinta sob o comando de Roger, que em sete jogos tem um aproveitamento de 76% dos pontos disputados – índice bem superior aos 70% que valeram ao adversário de hoje o título no ano passado e, mais ainda, aos 66% do título de 2013.

Quer dizer que o Grêmio vai ser o campeão de 2015?

Muito dificilmente, pois lhe falta elenco e lhe sobram adversários fortes, como o líder Sport,  o vice-líder Atlético Mineiroe até o Atlético Paranaense, que venceu o São Paulo por 2 a 1 e é o quarto colocado, pelo menos até que se encerrem os jogos desta quinta-feira, dia 2.

E não se esqueça que o Fluminense, apesar dos altos e baixos, está por perto, o Corinthians voltou a crescer e o Palmeiras, reanimado por Marcelo Oliveira venceu mais uma em casa, fazendo 2 a 0 sobre a Chapecoense, e está aos poucos retomando o caminho em direção ao G-4.

O Brasileirão está ficando animado, como se viu na noite desta quarta-feira.

Parece que o problema era Felipão

Dois dias antes de pedir demissão do Grêmio, tendo empatado em casa com a Ponte na estreia e perdido para o Coritiba fora, Luiz Felipe Scolari tinha analisado com  pessimismo as chances do time no Brasileirão:

– Todos nós sabemos que vai ser difícil. Os atletas sabem disso. A torcida sempre foi notificada de que nós iríamos passar dificuldades.

Ou seja: o responsáveis pela má campanha eram e seriam os jogadores.

Depois que Felipão abandonou o barco, o Grêmio fez sete jogos, venceu cinco, perdeu um e empatou outro. O interino James Freitas levou o time à primeira vitória no campeonato, 1 a 0 sobre o Figueirense, e passou o comando técnico ao jovem Roger Machado, que acaba de vencer o Avaí na Ressacada por 2 a 1 e, até agora, conquistou 13 dos 18 pontos que disputou.

Roger tem, pois, 72% de aproveitamento – índice inferior apenas aos 77.8% de Eduardo Baptista com o líder Sport, que empatou há pouco por 1 a 1 com a Chapecoense.

Por que o Sport é líder e o Fla e o Vasco moram no Z-4

Assim falou Eduardo Baptista, treinador do líder do Brasileirão, a Luciano Borges, do Blog do Boleiro:

O Sport tem uma estrutura muito boa. Se você conhece o CT do São Paulo e vier aqui conhecer o CT do Sport, vai ver que não há diferença. Aqui, temos quatro campos com gramados perfeitos para treinar. Temos hotel, estrutura de fisioterapia, sala de musculação, tudo moderno e bem montado. É uma estrutura nova e funcional. Acho também que atletas como o Diego são atraídos também por salários em dia. Aqui no Sport não este negócio de receber salário em carteira e não receber direitos de imagens. Aqui está tudo rigorosamente em dia, incluindo as premiações. Isso é importante. Dá tranquilidade para o jogador em casa, com a família e isso reflete em campo.

Agora pergunte ao Cristóvão Borges, que conhece bem o Vasco e está conhecendo o Flamengo, como é o CT e como andam as contas de um e outro.

A resposta explica por que o time pernambucano lidera o Brasileirão e a dupla carioca chafurda da zona de rebaixamento.