Arquivo da tag: Romário

Romário: “o mar sempre esteve, está e estará para peixe”

Romário no Twitter e no Facebook: fim do silêncio

Romário no Twitter e no Facebook: fim do silêncio

Ele andava calado nos últimos dias, o que  nunca foi de seu feitio, mas hoje tocou o trombone em suas contas no Twitter   e no Facebook,  e ilustrou a falação com a imagem reproduzida ao lado.

Entre outras coisas, disse Romário:

♦ O Brasil é um país de tantos absurdos, que eu não condeno aqueles que têm acreditado nestes roteiros sórdidos que estão sendo disseminados ao meu respeito. Peço apenas que aguardem a resposta do Ministério Público da Suíça. Aos contrários, que insistem em me atacar sem provas, já adianto: vão me pedir desculpas de novo. Sou responsável pelo que digo e escrevo, não pelo que as pessoas interpretam.

♦ Volto a afirmar: A conta Nº 032254AA, cujo extrato foi publicado na revista Veja com saldo de R$ 7,5 milhões, não é minha, NUNCA foi e, detalhe, eu não tenho conta nenhuma no banco BSI.

 Como principal interessado na verdade plena e porque me garanto, tive a iniciativa de acionar a Procuradoria Geral da República, para que eles provoquem uma investigação na Suíça (Protocolo PGR – 00306189/2015). O objetivo é esclarecer os fatos respondendo as seguintes perguntas e tudo mais que eles entenderem ser necessário:

1) A suposta conta bancária apontada pela revista VEJA, como sendo de minha no BSI, realmente existe? 2) Algum dia existiu? 3) Houve qualquer movimentação na suposta conta bancária?

♦ Reafirmo o que disse lá atrás: Não finjo ser decente e direito, eu sou. E o mar sempre esteve, está e estará para peixe.

Anúncios

Ricardo Oliveira não é o problema

Ricardo Oliveira treina a mira na Fonte Nova – Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Ricardo Oliveira treina a mira na Fonte Nova – Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Ficou mais ou menos claro no 1 a 1 com a Argentina que Ricardo Oliveira não é a solução dos problemas ofensivos da Seleção Brasileira. Também não é o problema.

O problema não era o Fred?

Pois, depois das pífias atuações na Copa do Mundo de 2014, ele tem sido sempre solução no ataque do Fluminense. O problema da Seleção só mudou de nome.

Será a Seleção o grande problema?

Em parte, sim.

O Brasil se acostumou mal – melhor dizendo, se acostumou bem – com uma linhagem incomparável de grandes centroavantes que se encerrou com o fenômeno Ronaldo, teve antes Romário e Careca e poderia ter começado, se tão frágeis não fossem suas condições físicas, com o atleticano Reinaldo.

Sem um craque indiscutível para vestir a camisa 9, é melhor procurar novos e variados caminhos – como Dunga procurou no Monumental de Núñez ao se convencer de que, com um especialista fincado na área, o Brasil não escaparia da derrota nitidamente desenhada do primeiro até o 58º minuto do jogo com a Argentina.

Procurou e achou.

Ao trocar o estilo pouco participativo de um grande finalizador, como é o santista Ricardo Oliveira e continua sendo o tricolor Fred, pela movimentação de um meia/atacante, como é o alemão Douglas Costa e pode ser o francês Lucas ou até o russo Hulk, Dunga dá à Seleção a chance de jogar bola e não apenas disparar chutões da defesa em busca de alguém que lá na frente resolva a parada.

No futebol dos nossos dias, o jogo é jogado em todo o campo. Especialista, só o goleiro, que, mesmo assim, tem de saber sair jogando e deve reinar soberano em sua grande área, virtude que o jovem Alisson ainda não mostrou, mas essa é outra conversa. Estamos aqui falando do centroavante – talvez, mais apropriadamente, do fim do centroavante.

O centroavante é uma espécie em extinção, prenunciavam a Hungria de Hidegkuti em 1954, o Brasil de Tostão em 1970 e as várias Holandas que antecederam o fenômeno Van Basten. Em vários jogos da Copa de 2014, a campeã Alemanha  e a Holanda, terceira colocada, confirmaram: mais vale a versatilidade do que a especialização no arremate a gol.

O futebol é criação. A finalização não pode ser uma especialidade. É um fundamento técnico que se deve cobrar de todos que se aproximam do gol adversário. Foi bom que Lucas Lima, um tanto avesso à finalização, tenha feito o gol do empate com a Argentina. A Seleção precisa multiplicar os seus goleadores.

E tem de se preparar para tal realidade, escalando como parceiro de Neymar um atacante que também se movimente muito, participe do jogo em todo o campo e lhe faça companhia nas cercanias da área.

É mais ou menos o que Gabigol tem feito no Santos e no time olímpico que se prepara para a Rio 2016. Talvez, mais tarde, possa ser uma opção para Dunga fazer este time do Brasil jogar.

Não podemos, porém, esperar o futuro chegar. Amanhã, tem Peru.

Assim falou Romário

Romário: “É preciso agradecer ao FBI"

Romário: “É preciso agradecer ao FBI”

Pitacos de Romário em entrevista ao correspondente Éric Frosio, publicada hoje pelo jornal L’Équipe (para ler em francês, pagando € 0,99, clique aqui):

♦ Platini colaborou muitos anos com esta máfia na Fifa. Não digo que ele é corrupto, mas foi contaminado pelo sistema. Se for eleito, poderá manter tudo isto e a Fifa vai continuar sendo a merda que vemos hoje.

♦ É preciso agradecer ao FBI pelo trabalho que tem questionado os dirigentes da Fifa.

♦ O Brasil não tem nenhum jogador digno de vestir a camisa 9.

♦ As outras seleções são ainda piores do que o Brasil. Portanto, tenho certeza de que vamos nos classificar para a Copa.

Valdívia não é Romário

Valdívia:

Valdívia: “Quando não faço o gol, eu acho que não jogo bem”

Um dos destaques na vitória por 2 a 1 sobre o Sport na noite deste sábado, como tem sido em quase todos os jogos do Internacional, Valdívia saiu do Beira-Rio discordando dos elogios recebidos com um argumento muito peculiar:

Quando não faço o gol, eu acho que não jogo bem.

O mato-grossense Wanderson Ferreira de Oliveira, que está completando 21 anos neste domingo, é um meia veloz e habilidoso, conhecido nos campos de futebol como Valdívia graças à semelhança física com o meia chileno, mas se parece mais com o brasileiro Romário ao desdenhar dos elogios à sua boa atuação na vitória que, pelo menos temporariamente, mantém o Inter com chances de ainda chegar ao G-4 no Brasileirão.

Matador preciso e refinado, com mais de mil gols contabilizados na carreira, o atacante Romário podia limitar suas andanças à grande área e cercanias para decidir jogos, fáceis ou difíceis, do seu time e da Seleção. Quando resolvia trabalhar em todo o campo de ataque, o que era raro, transformava-se em craque completo, incomparável.

Quando voltou à Seleção em 26 de fevereiro de 1997, encerrando um distanciamento de dois anos e meio após a conquista do tetra nos Estados Unidos, Romário de Souza Faria multiplicou-se por todo o extenso gramado do Serra Dourada, fez e desfez, mandou no jogo, levando o público de 49.546 pagantes ao delírio na vitória sobre a Polônia por 4 a 2, com dois gols de Giovanni e dois do fenômeno Ronaldo.

Por pura coincidência, nos encontramos depois do jogo no elevador do hotel em que estávamos hospedados. Ainda entusiasmado com a exibição do mais atrevido Baixinho de nosso futebol, comentei:

– Que partida, Romário! Você estraçalhou.

– Mas não fiz gol – lamentou-se o craque.

Alguns meses depois, numa longa conversa antes de um jogo do Torneio da França em Lion, voltei a comentar aquela noite em Goiânia e Romário logo me interrompeu:

– Benevides, põe uma coisa em sua cabeça: eu nunca entro em campo para jogar bem. Entro em campo para fazer gol.

O meia Valdívia, com cinco gols marcados neste Brasileirão, não pode se dar a esse luxo.

Palmeiras e Vasco enfrentam tabus históricos

Depois de perder para o Inter, o Goiás, o Atlético Mineiro, o Coritiba e o Cruzeiro os últimos cinco jogos que disputou fora de casa, o Palmeiras visita hoje o Fluminense no Maracanã, às 19h30, obrigado a vencer para não sair da vizinhança do G-4.

A história do confronto também não favorece as pretensões palmeirenses. Na última vez que venceu o Fluminense pelo Brasileirão no Rio, o Palmeiras ainda tinha Edmundo no ataque. Foi em 2007.

É verdade, em compensação, que o retrospecto recente do Flu encoraja qualquer adversário: são cinco derrotas, duas em casa, e um empate.

Tem um cheirinho de empate no ar.

No Mineirão, depois de vencer os dois últimos jogos, o Vasco tentará um feito inédito a partir das 22 horas: emplacar a terceira vitória consecutiva neste Brasileirão.

O adversário é o Cruzeiro, que também faz uma campanha ruim e, se for derrotado hoje, pode até fechar a 26ª rodada no Z-4, dependendo dos resultados de Goiás, Figueirense e Coritiba. A esperança do atual bicampeão brasileiro é reeditar os bons momentos vividos em alguns jogos recentes, já sob o comando de Mano Menezes.

A história também joga contra o Vasco. A última vitória vascaína sobre o Cruzeiro no Mineirão aconteceu no Campeonato Brasileiro de 2000 – 3 a 1, com direito a gol do atual senador Romário de Souza Faria.

O jogo foi pelas semifinais do Brasileirão, pois ainda não tinha sido adotada a fórmula dos pontos corridos; Jorginho, o técnico atual, era o lateral direito e o Vasco encerrou a temporada como campeão brasileiro.

Eram outros tempos.

Eurico vai ver a Segundona da Sibéria

O Vasco teve muito mais posse de bola, uns 60%, mas este talvez seja o problema: o time não sabe o que fazer com ela, principalmente quando chega à área adversária.

Perdeu vários gols até que, aos 48 minutos, Marcão aproveitou um contra-ataque e fulminou Martín Silva.

Resultado: 1 a 0 para o Figueirense no Maracanã e, no mínimo, mais duas rodadas na lanterna do Brasileirão.

São sete jogos seguidos sem uma única vitória, o sexto sem marcar um golzinho sequer.

Talvez por isso, Jorginho tenha apelado para a família Souza Faria e, aos 38 do segundo tempo, pôs Romarinho em campo. Neste time do Vasco, porém, nem papai Romário daria jeito.

Eurico Miranda vai acompanhar a Segundona de 2016 da Sibéria.

Isto é Romário em estado puro

Duas ou três coisas ditas por Romário ao repórter Rafael Andery, que você pode ler na revista Serafina que está nas bancas com a Folha de S.Paulo deste domingo, 26 de julho, ou simplesmente clicando aqui:

“Essa geração é uma merda. Tem o Neymar, o Neymar e o Neymar.”

“Tudo tem um limite. E o futebol brasileiro chegou ao seu.”

“Eu não tenho meia palavra, não levo três minutos pra falar uma coisa que pode ser falada em cinco segundos.”

Rafael Andery lhe lembra, a certa altura da conversa, que, como jogador, ele jamais tocaria a bola para um companheiro se tivesse 0,1% de chance de fazer um gol, e Romário não desconversa:

“Não daria o gol nem para a Ivy. Ela teria que esperar a próxima.”

Ivy, de 10 anos, é filha caçula e xodó de Romário, tem síndrome de Down e acompanhou a entrevista em Brasília.