Arquivo diário: 3 de agosto de 2015

Daniel Alves pode se igualar a Maldini

Daniel Alves: em busca do tetra

Daniel:  tetra?

Campeão pelo Sevilha em 2006 e pelo Barcelona em 2009 e 2011, Daniel Alves vai tentar na terça-feira da próxima semana, dia 11, o quarto título da SuperTaça Europeia.

Em Tbilissi, na Geórgia, disputarão o título os vencedores da Liga dos Campeões e da Liga da Europa, ou seja, o Barça de Daniel e o Sevilha que já foi de Daniel.

Ficando com o caneco, o lateral brasileiro igualará o recorde do italiano Paolo Maldini, quatro vezes campeão da SuperTaça Europeia, sempre pelo Milan.

Anúncios

Torcida do Flu ainda espera para ver Ronaldinho

A estreia de Ronaldinho Gaúcho com a camisa do Fluminense no 1 a 0 sobre o Grêmio levou 33.238 torcedores ao Maracanã, público inferior ao de três outros jogos da 16ª rodada do Brasileirão:

♦ Flamengo 2 x 2 Santos: 61.421

♦ Atlético Mineiro 3 x 1 São Paulo: 50.691

♦ Palmeiras 0 x 1 Atlético Paranaense: 38.794

Parece que a torcida do Flu quer ver antes de pagar pela nova atração.

E se a Chapecoense for campeã?

Chapecoense logo 038xQuem poderia imaginar que, a esta altura do Brasileirão, o time da Chapecoense seria considerado por gente séria, como o matemático Tristão Garcia em seu blog Infobola, um dos nove candidatos ao título?

Pois é, as chances matemáticas são mínimas, 1% apenas, mas o nono lugar na principal competição do País ao final da 16ª rodada, à frente de equipes como o Internacional, o Flamengo, o Cruzeiro, o Santos e o Vasco, já é muito mais do que sonhava a Chapecoense ao estrear em 2015 com a ambição de também se garantir na Primeira Divisão em 2016.

Em Chapecó, a menos populosa de todas as 12 cidades representadas no Brasileirão, com cerca de 200 mil habitantes, o time do treinador Vinícius Eutrópio dificilmente é batido: nos oito jogos disputados até agora, venceu seis, perdeu apenas para o São Paulo e empatou com o Sport. O aproveitamento é de 79%.

Fora de casa, a Chapecoense ainda se assusta com a força do adversário. Perdeu seis vezes, venceu somente o Cruzeiro em Belo Horizonte e, neste final de semana, empatou com o Internacional em Porto Alegre.

Se melhorar minimamente o rendimento como visitante, a Chapecoense não chegará a ameaçar o Atlético Mineiro, que hoje tem 41% de chances de ficar com o caneco segundo os cálculos de Tristão Garcia, nem o Corinthians, com 31%, mas pode chegar aos 3% de São Paulo e Sport, um feito e tanto para um time que sonhava apenas em continuar no Brasileirão.

E se a Chapecoense for campeã? O Benebol mudará a redação para Marte, se conseguir, claro, uma vaga no projeto Mars One, que já tem 202.586 candidatos a embarcar na primeira expedição ao planeta.

As chances são pequenas, mas nunca se sabe…