Arquivo diário: 13 de agosto de 2015

E tudo vai acabar em Santa Catarina

O título, simbólico, de campeão do primeiro turno do Campeonato Brasileiro vai se decidir no domingo, dia 16, em campos de Santa Catarina: às 16 horas, na Ressacada, o Avaí recebe o Corinthians; às 18h30, na Arena Condá, a Chapecoense recebe o Atlético Mineiro.

Se vencer em Florianópolis, o Corinthians será o campeão. Se perder ou empatar, o Atlético terá de vencer em Chapecó para ficar com o título.

E até o Grêmio, que não tem mais chance de fechar o turno como líder, terá pela frente um adversário catarinense no domingo, também às 18h30, recepcionando em sua arena o Joinville, que ainda habita o Z-4, mas enfiou 3 a 0 no Cruzeiro na noite desta quarta-feira.

Anúncios

Grêmio tira Atlético da liderança e entra na briga pelo titulo

Douglas: gol em noite brilhante no Mineirão

Douglas: com direito a gol, noite brilhante no Mineirão

O Atlético Mineiro caiu na armadilha do Grêmio e, no Mineirão tomado por quase 50 mil torcedores, perdeu em dois contra-ataques fatais o jogo e a liderança do Brasileirão.

Os 2 a 0, com gols de Douglas e Luan, colocam o Grêmio em terceiro lugar, a apenas quatro pontos do líder Corinthians.

Foi mais um belo jogo nesta 18ª rodada, marcado no primeiro tempo pelo estilo ofensivo do Atlético, que insistiu em procurar o gol até abrir o amplo espaço em seu campo de defesa que o Grêmio aproveitou em contra-ataque trabalhado desde sua área até a troca de passes entre Douglas e Giuliano que se encerrou com o gol do camisa 10 aos 40 minutos.

O Atlético nem teve tempo de ensaiar a reação no segundo tempo, pois o garoto Luan, concluindo em outro rapidíssimo contra-ataque uma precisa troca de passes com Douglas e Giuliano, fez 2 a 0 logo aos 9 minutos. O trio brilhou em todo o jogo.

Levir Culpi resolveu arriscar ainda mais e trocou o volante Leandro Donizete pelo atacante Luan, que a torcida mineira pedia desde o intervalo.

Se o jogo com um Luan já era bom, ficou mais animado ainda com os dois em campo.

E o Atlético continuou martelando no ataque, procurando insistentemente o gol, criou algumas boas chances, chegou a acertar o poste direito de Marcelo Grohe em chute de Dátolo, mas não conseguiu dobrar a boa marcação gremista.

A torcida atleticana reconheceu o esforço, tanto que aplaudiu o time no final do jogo e abriu o berro:

– Galo, Galo, Galo.

O Grêmio está na briga direta pelo título e o Corinthians lhe dá boas vindas.

Atlético e Grêmio confrontam ambições no Mineirão

Promessa de grande jogo entre inquilinos do G-4

Promessa de grande jogo entre inquilinos do G-4

É um exagero achar que o Atlético decidirá contra o Grêmio sua sorte no Brasileirão, mas o melhor time do campeonato tem de mostrar no Mineirão o futebol e a disposição de favorito indiscutível ao título se quiser continuar à frente do Corinthians antes de viajarem os dois para seus jogos em Santa Catarina que definirão o campeão, simbólico, do primeiro turno.

O Corinthians está invicto há dez rodadas, com sete vitórias e três empates, 80% de aproveitamento. Batendo o Grêmio nesta quinta-feira, o Atlético Mineiro somará oito vitórias, um empate e uma derrota (para o próprio Corinthians) no mesmo período, o que representa rendimento ligeiramente superior, de 83,3%.

Para não ceder a liderança do Brasileirão, assumida provisoriamente pelo Corinthians, o Atlético precisa pelo menos empatar com o Grêmio, que desembarcou em Belo Horizonte turbinado por uma goleada histórica no Internacional e só deixará o G-4 neste 18ª rodada se sofrer um vexame ainda maior no Mineirão.

Ao contrário, se derrotar o anfitrião, o Grêmio voltará para casa com 33 pontos, a apenas quatro da liderança, e definitivamente no rol dos candidatos ao título brasileiro de 2015.

Levir Culpi deve contar novamente com o artilheiro Lucas Pratto e, pelo menos no banco, com Luan, mas não terá o meia Giovanni Augusto. E ainda contará com a redobrada animação do jovem lateral Douglas Santos, uma das surpresas da Seleção chamada hoje por Dunga para dois amistosos nos Estados Unidos.

Roger Machado sabe que o jogo do Mineirão é fundamental para as pretensões do Grêmio no campeonato. Ele aposta na marcação forte e no talento ofensivo do garoto Luan, que tem sido seu melhor jogador e foi o maior destaque do Gre-Nal, para subir pelo menos mais um degrau no G-4.

Espera-se, a partir das 21 horas, um jogo pelo menos tão bom quanto foi o Corinthians 4 x 3 Sport de ontem.

Por falar naquele pênalti…

Corinthians 4 x 3 Sport: só se fala no pênalti

Corinthians 4 x 3 Sport: só se fala no pênalti que decidiu o jogo no Itaquerão

Como as ruas, a mídia e as redes sociais de todo o Brasil estão falando mais do controvertido pênalti que deu a vitória ao Corinthians por 4 a 3 sobre o Sport do que da convocação de Dunga para os amistosos da Seleção com os Estados Unidos e a Costa Rica no começo de agosto, vale a pena conferir as referências ao tema nas Regras do Futebol.

O que diz a Regra 12:

Também será concedido um tiro livre direto para a equipe adversária se um jogador cometer uma das seguintes três infrações:

♦ tocar na bola com as mãos intencionalmente (exceto o goleiro dentro de sua própria área penal)

O que diz, no capítulo da Regra 12, a Interpretação das Regras de Futebol e Diretrizes para Árbitros:

Tocar a bola com a mão implica a ação deliberada de um jogador fazer contato na bola com as mãos ou os braços. O árbitro deverá considerar as seguintes circunstâncias:

♦ o movimento da mão em direção à bola (e não da bola em direção à mão).

♦ a distância entre o adversário e a bola (bola que chega de forma inesperada).

♦ a posição da mão não pressupõe necessariamente uma infração.

Os tópicos são reprodução fiel do Livro de Regras 2014/2015, publicado oficialmente pela CBF e à disposição dos interessados no site da entidade.

Além de transcrever o documento oficial, o blogueiro se limita a sublinhar alguns conceitos das regras do futebol que os árbitros evidentemente estão desrespeitando, como foi o caso do brasileiro Luiz Flávio de Oliveira ao marcar pênalti no lance em que a bola cruzada por Guilherme Arana bateu no braço de Rithely.

São muitos os pênaltis marcados neste Brasileirão em desrespeito claro às regras do futebol – o que caracteriza erro de direito e, portanto, torna possível a anulação dos jogos.

O time não precisa ser velho para ser experiente

Em 25 de julho, durante o sorteio em São Petersburgo dos jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo, Dunga lamentou a pouco experiência da Seleção que tinha disputado a Copa América no Chile:

– No nosso grupo, apenas três jogadores haviam jogado uma Copa América ou as Eliminatórias. Outros até fizeram parte do grupo, mas experiência se adquire jogando, não adianta ir à biblioteca ler livros. É dentro de campo. As seleções com média de 27, 28 anos, jogaram de uma forma mais segura. Tivemos de nos adequar e agora sabemos como vão ser as Eliminatórias.

O argumento tinha sido usado por Luiz Felipe Scolari após o vexame na Copa do Mundo de 2014, seguido da promessa: “teremos 12, 13 ou 14 jogadores deste grupo preparados para a Copa de 2018”.

Dunga tem boas razões para renovar aquele grupo, mas nesta quinta-feira voltou a confundir a média de idade do time com a experiência em campo. O time não precisa ser velho para ser experiente, como lembrei numa coluna  que assinava no site Migalhas durante a Copa do Mundo e me permito repetir parcialmente aqui:

Na verdade, dos 23 jogadores de Felipão, somente Neymar, Oscar e Bernard terão menos de 30 anos na Copa que será disputada na Rússia. Farão 30 anos em 2018 o lateral Marcelo, o volante Paulinho e o meia Willian. O zagueiro David Luiz, destaque de 2014 apesar da atuação atabalhoada contra a Alemanha e candidato a líder da nova geração, e os volantes Luiz Gustavo e Ramires já terão feito 31 anos.

Renovação é com a Alemanha.

Não terão ainda 30 anos na Copa de 2018 os titulares Boateng, Hummels, Ozil, Muller, Kroos. Quase sempre titular agora, Goetze terá 26 anos. Hoewedes, se for à Rússia, lá desembarcará com 30 anos. Khedira terá feito 31 dois meses antes da abertura. Reservas que foram utilizados por Joachim Low no Brasil, o zagueiro Shkodran Mustafi terá 26 anos, o volante Christoph Kramer terá 27 e o meia Julian Draxler ainda não terá completado 25. O goleiro Ron-Robert Zieler chegará à Copa com 29 anos, mas muito dificilmente tomará o lugar do excepcional Neuer, que terá então 32 anos e três meses – ou seja, dois anos e meio a menos do que tem hoje o nosso Júlio César.

Toni Kroos, o meia de 24 anos que foi o grande destaque dos 7 a 1, completou contra o Brasil seu décimo jogo numa Copa do Mundo – quatro em 2010, seis agora em 2014. Thomas Muller, que vai fazer 25 anos em setembro, já tem 12 jogos em Copas – seis na última, seis nesta. Mesut Ozil tem 13 – os sete de 2010 e os seis de 2014.

Neymar, Oscar e Bernard, somados, participaram de 14 partidas da Copa.

A experiência será sempre importante no futebol de alto nível, mas o jogo corrido dos tempos atuais também pede juventude. É obrigação do treinador mesclar jogadores que possam atender às duas exigências.

Dunga convoca Brasil de cara velha

Pode ser que ele mude alguns nomes desta lista para os amistosos com Costa Rica e Estados Unidos quando convocar o time para os jogos contra o Chile e a Venezuela pelas Eliminatórias, mas é evidente que Dunga está esboçando o time com que pretende garantir a vaga na Copa do Mundo de 2018.

Uma ótima novidade na lista divulgada há pouco na CBF é o santista Lucas Lima, meia com virtudes que faltam a outros jogadores testados até agora por Dunga.

Outro bom sinal é a convocação do zagueiro Gabriel Paulista, do Arsenal, que ainda vai fazer 25 anos e rejuvenesce uma lista que inclui trintões em demasia quando se pensa na próxima Copa e não apenas na caminhada até a Rússia: o goleiro Jeferson, o zagueiro Miranda, os laterais Daniel Alves e Luís Felipe, os volantes Fernandinho e Elias, e o meia Kaká.

E ainda se pode lembrar que, em 2018, já terão 30 ou mais anos o goleiro Marcelo Grohe, o zagueiro David Luiz, os volantes Luiz Gustavo e Ramires, o meia Willian e o atacante Hulk.

O Vasco é muito, muito carioca

O Vasco está mal no Campeonato Brasileiro?

Ainda bem que o campeão carioca não disputa o Paulistão. Nos jogos contra times paulistas, foram estes os seus resultados:

Vasco 0 x 3 Ponte

Vasco 0 x 4 São Paulo

Vasco 1 x 4 Palmeiras

Corinthians 3 x 0 Vasco

Santos 1 x 0 Vasco

Bem diferente seria a situação se a equipe de São Januário  enfrentasse apenas adversários do Rio no Brasileirão:

Vasco 1 x 0 Flamengo

Fluminense 1 x 2 Vasco

A única vitória vascaína sobre um adversário de fora do Rio foi o 1 a 0 sobre o Avaí na décima rodada.