Arquivo diário: 18 de setembro de 2015

A bola rola muito pouco nos jogos do Brasileirão

Em apenas 47 dos 260 jogos disputados até agora no Brasileirão, a bola rolou pelo menos 60 minutos, mínimo recomendado pela Fifa.

Anúncios

A Liga quer Leonardo, difícil é Leonardo querer a Liga

A Liga Sul-Minas-Rio quer contratar Leonardo Nascimento de Araújo como CEO – informa o repórter Marcus Alves, do ESPN.com.br.

Não converso com Leonardo há algum tempo, mas o acompanho desde os tempos de jogador e conheço relativamente bem suas ideias sobre futebol e gestão.

Acho mais fácil Marco Polo Del Nero viajar agora para a Europa e os Estados Unidos do que o tetracampeão Leonardo voltar ao Brasil para trabalhar num projeto como a Liga Sul-Minas-Rio.

A matemática pode mudar no fim de semana

A matemática está de acordo com o que temos visto nos gramados: a briga pelo título do Brasileirão se limita a Corinthians, Atlético Mineiro e Grêmio.

No fim de semana pode ser que os números se alterem, pois os três têm jogos dificílimos pela 27ª rodada:

♦ Sábado, às 19 horas, no Pacaembu: Palmeiras x Grêmio

♦ Domingo, às 11 horas, no Itaquerão: Corinthians x Santos

♦ Domingo, às 16 horas, no Independência: Atlético Mineiro x Flamengo

Ao final da 26ª rodada, os números são muito, muito favoráveis ao Corinthians. Confira abaixo as chances de cada um.

No Infobola:

♦ Corinthians – 71%

♦ Atlético Mineiro – 15%

♦ Grêmio – 11%

No Departamento de Matemática  da Universidade Federal de Minas Gerais:

♦ Corinthians – 66.9%

♦ Atlético Mineiro – 16.1%

♦ Grêmio – 12.5%

O ‘projeto’ que seduziu Eduardo Baptista

Eduardo Baptista:

Eduardo Baptista: “Chego ao Fluminense muito animado”

O presidente do Sport, João Humberto Martorelli, garante que não tentou impedir a saída do treinador Eduardo Baptista, contratado pelo Fluminense para substituir Enderson Moreira e justifica:

– Ele já chegou dizendo que estava saindo por causa da proposta financeira. Já chegou com a decisão unilateral. Eu achava que isso poderia acontecer, mas não esperava que acontecesse da maneira como aconteceu.

Eduardo Baptista, 45 anos, filho e antigo auxiliar de Nelsinho Baptista, dá uma explicação diferente para ter topado assumir seu segundo emprego de treinador apenas três meses depois de dizer, em  entrevista à ESPN, que não deixaria o Sport antes do fim do contrato por nenhuma outra oferta e enfatizar: “pode vir a proposta que for”. O que ele diz agora:

– O que me seduziu foi o projeto apresentado pelo presidente Peter Siemsen, que tem uma leitura sobre futebol muito parecida com a minha. Acredita na importância dos jogadores experientes e nas divisões de base. Chego ao Fluminense muito animado.

Se a “leitura sobre futebol” do presidente do Flu não tiver mudado nos últimos dias, Eduardo Baptista pode se preparar para procurar o terceiro emprego daqui a seis meses. É a média de duração de um técnico no clube desde que Peter Siemsen assumiu a presidência em 2010.

Bem informado, o jovem treinador que comandou o Sport por um ano e sete meses certamente está sabendo o que o espera no novo trabalho: a oito pontos do G-4 e a seis do Z-4, o Fluminense fechou a 26ª rodada em 11º lugar no Brasileirão, com 34 pontos, e ainda corre pelo menos 5% de risco de ser rebaixado, segundo o matemático Tristão Garcia em seu site Infobola, ou 5,9%, segundo o Departamento de Matemática  da Universidade Federal de Minas Gerais.

É pouco? É, mas a classificação e a pontuação de hoje são exatamente iguais às da 26ª rodada do Brasileirão de 2013, ano em que o Flu acabou  rebaixado no campo e salvo no tapetão porque a Portuguesa, após escalar irregularmente o jogador Héverton numa partida, foi punida com a perda de pontos.