Arquivo diário: 9 de setembro de 2015

Platini está cada vez mais perto da presidência da Fifa

Ali bin Al Hussein e MIchel Platini: agora, rivais

Ali bin Al Hussein e Michel Platini: agora, rivais 

O príncipe jordaniano Ali bin Al Hussein, que deve ao apoio da UEFA boa parte dos 73 votos obtidos contra Joseph Blatter no primeiro turno das eleições da Fifa, anunciou hoje em Amã que será candidato contra Michel Platini nas eleições marcadas para fevereiro em Zurique.

O fair play não entrou na festa. Cercado de súditos jordanianos, o príncipe já tratou de abrir a campanha chutando as canelas do ex-aliado francês, favorito disparado à sucessão de Blatter:

– Outros me usaram para fazer uma pesquisa para eles mesmos. Não tiveram a valentia de se apresentar como candidatos, mas eu o fiz. Poucos dias depois da renúncia de Blatter, se apressaram para obter o cargo.

O irmão do rei Abdullah II não tem o apoio nem da Confederação Asiática de Futebol.

Seleção é campeã de audiência

Segundo muita gente que vive de dar palpite sobre o futebol e a vida nacional, a Seleção não desperta mais nenhum interesse do torcedor brasileiro.

Pois o programa de maior audiência em todas as emissoras abertas do País nesta terça-feira foi a transmissão do jogo Brasil 4 x 1 Estados Unidos – 24,1 pontos no Ibope.

O Corinthians tem de perder

A bola começa a rolar às 19h30:

♦ No Independência, para não correr o risco de perder o Corinthians de vista, o vice-líder Atlético Mineiro tem de vencer o Avaí, afundando-o mais ainda no Z-4, que pode até ser ocupado exclusivamente por equipes catarinenses e o Vasco, que já é sócio remido, quando esta 24ª se encerrar amanhã à noite.

♦ No Beira-Rio, o Palmeiras não pode perder se quiser continuar alimentando o sonho de voltar ao G-4 e o Internacional tem de vencer para sonhar com algum conforto no meião da tabela;

♦ No Moisés Lucarelli, a Ponte Preta tenta se afastar um pouco mais do Z-4 e o Vasco quer apenas se livrar de mais uma vergonha;

Em seguida, às 21 horas, no Orlando Scarpelli, para não retomar o caminho do Z-4, o Figueirense tem de interromper a caminhada do Atlético Paranaense rumo ao G-4.

Tite orienta Cássio para enfrentar o Grêmio - Foto: Agência Corinthians

Tite orienta Cássio para enfrentar o Grêmio – Foto: Agência Corinthians

É às 22 horas que o bicho vai pegar em várias frentes deste Brasileirão que ainda tem o Corinthians como o grande favorito e o Atlético Mineiro e o Grêmio como únicos adversários a ameaçar este favoritismo que se mede em cinco pontos de vantagem sobre o vice-líder e 15 rodadas de invencibilidade.

Pois é no Itaquerão que se dará o mais importante confronto da 24ª rodada. Tendo vencido os últimos nove jogos lá disputados, o Corinthians de Tite vai receber o Grêmio de Roger Machado, invicto há sete rodadas.

Um empate em Itaquera faria a alegria do Atlético Mineiro, desde que tenha vencido o Avaí, e devolveria alguma graça ao pódio, que assim ficaria: Corinthians, com 51 pontos; Atlético Mineiro, com 48; Grêmio, com 45.

O horário das 22 horas ainda reserva dois espetáculos promissores, estrelados por coadjuvantes com algum destaque no Brasileirão:

♦ Na Vila Belmiro, onde até agora só foi derrotado pelo Grêmio, tenso vencido os seis jogos seguintes, o Santos de Dorival Júnior recebe o inconstante São Paulo de Juan Carlos Osorio, que precisa desesperadamente da vitória para se segurar no G-4.

♦ No Couto Pereira, é de outra ordem o desespero do Coritiba: colado ao Z-4, corre sério risco de para lá escorregar se não conseguir vencer o Fluminense, que entrou em queda livre depois de um bom começo de campeonato, perdeu os últimos quatro jogos e, depois de ter frequentado o G-4, pode ir para a metade inferior da tabela de classificação se mais uma vez for derrotado.

Feitas todas as contas, o Corinthians tem de perder para o Brasileirão ganhar de novo alguma graça. Não é impossível, mas não é provável.

A transação que salvou o palmeirense Dudu

O palmeirense Dudu, que deveria ser julgado amanhã em última instância pelo tal Superior Tribunal de Justiça Desportiva por ter dado um empurrão no árbitro Guilherme Ceretta no jogo decisivo do Campeonato Paulista, já conhece a pena, que por decisão do TJD de São Paulo, era de 180 dias: suspensão por seis jogos, dos quais dois já foram cumpridos.

Como os TJDs e o STJD são um arremedo de justiça, antes do julgamento, os advogados do Palmeiras conseguiram um acordo com a procuradoria garantindo a redução da pena. Nos tapetões da vida, tal acordo é oficialmente chamado de transação.

Em termos jurídicos, entende-se por transação um acordo em que as partes fazem concessões recíprocas para acertar cláusulas e condições que evitem ou encerrem um conflito.

Miguel Angelo Cançado, auditor do STJD, informa em seu despacho que “homologa a transação ofertada pela Procuradoria aplicando ao atleta Eduardo Pereira Rodrigues  (Dudu), a pena de suspensão por 6 (seis) partidas, a ser cumprida no Campeonato Brasileiro da Série A do corrente ano, descontadas as duas partidas de suspensão já cumpridas, e ainda ao pagamento da doação no valor R$ 50.000,00 (cinqüenta mil reais) ao programa ‘Médicos sem fronteira’, no prazo máximo de sete (7) dias”.

E assim, ofertada pela Procuradoria, a transação salvou o Palmeiras de ficar meio ano sem um de seus principais jogadores na campanha do Brasileirão.