Arquivo diário: 10 de setembro de 2015

A Libertadores já não é apenas um sonho para o Flamengo

Allan Patrick: gol abre para o Fla o caminho do G-4

Allan Patrick: gol abre para o Fla o caminho do G-4

O Sport tratou mais cedo de facilitar as coisas, perdendo para o Goiás por 1 a 0 no Serra Dourada, e assim o Flamengo teve tranquilidade no Maracanã para ir cozinhando o Cruzeiro até fazer 1 a 0, no finzinho do primeiro tempo, com um belo gol de Allan Patrick.

Na metade do segundo tempo, logo depois que Sheik teve de sair, outro golaço: Luiz Antonio fez 2 a 0 num sem-pulo de fora da área.

Estava liquidada a fatura.

A quinta vitória consecutiva, todas sob o comando de Oswaldo de Oliveira, coloca o Flamengo no G-4, com 38 pontos, como o São Paulo e o Atlético Paranaense. O Fla chegou à 12ª vitória no Brasileirão, uma a mais do que os dois.

O bicampeão Cruzeiro estacionou nos 28 pontos, um além da zona de rebaixamento.

Há na Gávea quem ainda sonhe com o título brasileiro, mas já é querer demais. O Flamengo está sete pontos atrás do Grêmio, dez do Atlético Mineiro e 13 do Corinthians.

É melhor se preocupar com os times que o seguem na briga por uma vaga na Libertadores de 2016 e não são poucos. Todos estão mais perto da vaga do que o Fla do Grêmio, terceiro colocado no campeonato.

Estão nesta briga o Sport, que desaprendeu a vencer, mas tem 33 pontos, e mais  o Inter, o Flu, o Palmeiras e o Santos, além, é claro, de Atlético Paranaense e São Paulo.

Anúncios

Brasileirão é aprovado por 50% dos torcedores

Este campeonato que está fazendo a alegria de corintianos, atleticanos e gremistas é considerado “ótimo” ou “bom” por apenas 50% dos brasileiros. Para 32%, o Brasileirão não é mais do que “regular”; para 16%, é “ruim” ou “péssimo”. E 2% não têm a mínima ideia do que rola em nossos campos.

Os dados são de uma pesquisa do Ibope, feita em 248 cidades, entre 17 a 22 de junho, por encomenda da CBF, que somente hoje a está divulgando em seu site . Foram ouvidas 1200 pessoas, por telefone:

♦ 69% querem que os jogos dos dias de semana comecem no máximo às 21h30.

♦ 50% são favoráveis aos jogos às 11 horas nas manhãs de domingo; 47% são contrárias. As mulheres (59%) são mais favoráveis do que os homens.

♦ 76% consideram “ótima” ou “boa” a qualidade dos estádios.

♦ 75% não se sentem seguras nos estádios.

♦ 56% dizem que “mais segurança nos estádios” levaria mais gente aos jogos; 24% acham que “ingressos mais baratos” seriam a principal medida para lotar os estádios.

Fla de Oswaldo terá noite de sonho ou de pesadelo

Não chega a ser uma moleza, mas também não será dureza instransponível para este Flamengo de alma nova desde a chegada de Oswaldo de Oliveira com seu jeito maneiro, quase maneiroso, para reverter o desempenho negativo sob o comando, igualmente sereno, de Cristóvão Borges.

O Fla é o favorito no confronto com o Cruzeiro às 21 horas desta quinta-feira no Maracanã e, se emplacar mesmo a quinta vitória consecutiva, vai coroar a fase de recuperação no Campeonato Brasileiro com o ingresso no G-4.

Será – ou seria – merecido.

Mesmo sem contar nas últimas três partidas com Guerrero, que se encontrava a serviço da seleção peruana e está se recuperando de uma lesão no tornozelo, O time reaprendeu a jogar ofensivamente, como é sua vocação.

E, por se distribuir melhor em campo, acabou se reequilibrando na defesa, tanto que marcou nove gols e sofreu apenas dois nas quatro vitórias sob o comando de Oswaldo.

É verdade que o Cruzeiro, agora comandado por Mano Menezes, também ensaia uma reação no campeonato, tendo vencido a Ponte Preta por 2 a 1 em Campinas e goleado o Figueirense por 5 a 1 em Belo Horizonte após uma sequência de quatro rodadas sem uma única vitória.

E é também verdade que os dois adversários recentemente batidos pelo Cruzeiro não têm no Brasileirão a força de Fluminense, Sport e São Paulo, três das quatro vítimas recentes do Fla.

O maior problema de Oswaldo de Oliveira serão os desfalques: ainda sem Guerrero e Ederson, contundidos, ele não terá Everton, expulso nos 3 a 1 sobre o Fluminense, e dificilmente poderá contar com Sheik, suspenso pelo STJD. O Flamengo ainda tenta uma manobra jurídica para escalá-lo hoje.

Tantos desfalques reduzem, é claro, o favoritismo do Fla no jogo que lhe pode valer o quarto lugar, posição que o time ocupou pela última vez na edição de 2011 do Brasileirão.

Se o Cruzeiro vencer no Maracanã, o Fla perderá mais do que o sonho de ingresso no G-4, pois continuará atrás de Santos, Atlético Paranaense e São Paulo e ainda correrá o risco de cair do sétimo para o oitavo lugar.

Basta que o Sport, que ainda não conseguiu vencer um jogo sequer fora de casa, derrote o Goiás no Serra Dourada.

Oswaldo de Oliveira pode ter, pois, uma noite de sonho ou de pesadelo.

Benebol festeja Vasco mais perto do líder

A vasta porção vascaína deste Benebol fez festa no café da manhã.

Maria Antonieta, nossa copeira, trouxe até brioches de casa para incrementar o cardápio.

Tudo para comemorar o fato de que o Vasco chegou mais perto do líder no Brasileirão.

Agora, são 35 pontos de distância entre o Vasco e o Corinthians. Eram 37.

O resultado que 19 torcidas queriam

Renato Augusto: euforia com 1 a 1 que outras torcidas também festejaram

Renato Augusto: euforia com 1 a 1 que outras torcidas também festejaram

No Itaquerão, o Corinthians sofreu para segurar o Grêmio, que fez 1 a 0 com um gol de Bobô em mais uma jogada minuciosamente trabalhada de pé em pé no ataque, mas conseguiu o 1 a 1 poucos minutos depois graças a um cabeceio de Renato Augusto. Tudo isso entre os 13 e os 20 minutos do primeiro tempo.

Foi um jogo escassos em emoções fortes, mas de muita disposição e permanente aplicação tática das duas equipes, destaques deste Brasileirão desde as últimas rodadas do primeiro turno. Não é à toa que o líder Corinthians está invicto há 16 rodadas e o Grêmio não perde há oito e é o terceiro colocado, a três pontos do vice-líder Atlético Mineiro.

O empate em Itaquera era tudo o que queria o Atlético Mineiro depois de vencer o Avaí no Independência por 2 a 0. Agora a três pontos do Corinthians, que vai enfrentar em Belo Horizonte daqui a nove rodadas, o Atlético de Levir Culpi se coloca novamente como candidato ao título que ia pendendo para o time de Tite nos últimos tempos.

Nos outros jogos, uma única e enorme surpresa: o Vasco venceu a Ponte Preta em Campinas por 1 a 0. O resultado não altera a ordem das coisas no Brasileirão, mas agrava muito a situação da Ponte, cada vez mais próxima da zona de rebaixamento.

Na Vila Belmiro, surpreendente foi o tamanho da pancada desferida pelo Santos no São Paulo: 3 a 0. O time de Dorival Júnior não para de subir e vai dormir em sexto lugar, posição que pode perder nesta quinta se o Flamengo derrotar o Cruzeiro e se instalar no G-4. Qualquer que seja o resultado do jogo no Maracanã, porém, o Santos fechará a rodada a um ponto do quarto colocado.

Mais cedo, no Beira-Rio, o Internacional de Argel Fucks tinha vencido por 1 a 0, detonando o sonho palmeirense de encostar novamente no grupo que aspira pelo menos a uma vaga na Libertadores do ano que vem.

Em Florianópolis, o 1 a 1 com o Figueirense também frustrou o Atlético Paranaense, que saiu na frente com um gol de Walter, mas deixou escapar a chance de voltar ao pelotão de elite.

A noite da quarta reanimou o campeonato ao frear um pouco o ritmo corintiano na corrida rumo ao título, como desejavam as outras 19 torcidas. Não mudou, porém, a aflição em que vivem o Flu, em queda vertiginosa no campeonato, e o Coritiba, que vem melhorando de rendimento, mas não sai da vizinhança do Z-4. O confronto entre os dois, em Curitiba, terminou num melancólico empate por 1 a 1.

Bem diferente do Corinthians 1 x 1 Grêmio que devolveu a graça ao Brasileirão.