Arquivo diário: 20 de setembro de 2015

Dátolo confirma: o Atlético está na briga pelo caneco

Dátolo deixa rubro-negros para trás e marca quarto gol atleticano no Independência

Dátolo deixa rubro-negros para trás e marca quarto gol atleticano

É no Independência, onde paga aluguel ao América, que o Atlético Mineiro realmente joga em casa. Que o diga o Flamengo, que acaba de ser goleado por 4 a 1 em mais uma das ótimas partidas da equipe de Levir Culpi neste Brasileirão, desta vez com o argentino Dátolo como protagonista da companhia.

O placar é um tanto exagerado para um jogo marcado por relativo equilíbrio e que poderia ter resultado diferente se Alan Patrick não tivesse perdido um pênalti aos 9 minutos – aliás, o primeiro marcado a favor do Flamengo no campeonato.

Sete minutos depois, o zagueiro Marcelo mostraria que a tarde não era mesmo rubro-negra. Ao tentar cortar um cruzamento para Luan, cabeceou contra o goleiro Paulo Victor e fez 1 a 0 para o Atlético.

Aos 18, foi a vez Marcos Rocha retribuir, desviando o chute de Paulinho que Victor defenderia. O 1 a 1 refletia o que rolava em campo.

Dátolo começou, então, mandar no jogo. Aos 25, em cobrança de falta, colocou a bola na cabeça de Jemerson para que ele fizesse 2 a 1.

Já no segundo tempo, aos 9 minutos, cobrou um escanteio na cabeça de Jemerson. O zagueiro não perdoou: 3 a 1 para o Atlético.

E, para fechar a tarde de gala, Dátolo fez 4 a 1 aos 25. Um golaço: ele deixou dois ou três rubro-negros para trás, aplicou uma caneta em Pará e chutou forte e colocado para matar Paulo Victor.

O Atlético se mantém cinco pontos atrás do Corinthians e, a esta altura do Brasileirão, talvez seja o único adversário que ainda pode sonhar em lhe roubar o título. Afinal, sobram apenas 33 pontos em jogo até o fim do campeonato e o Grêmio, terceiro colocado, teria de descontar pelo menos nove de diferença para o líder para continuar sonhando com o caneco..

Quatro pontos atrás do Atlético, o Grêmio tem 48 e talvez deva se preocupar mais com a perseguição do Palmeiras, que o venceu ontem por 3 a 2, chegou aos 44 e voltou ao G-4.

E, mesmo após a derrota de hoje para o Avaí por 2 a 1, ainda não se pode eliminar o São Paulo desta briga por uma vaga na elite, com que sonham também o Flamengo e o Internacional, ambos com 41 pontos, e até o Atlético Paranaense, que, vencendo o Coritiba daqui a pouco, alcançará a mesma pontuação.

Está, pois, mais renhida a briga por duas vagas no G-4 do que pelo título brasileiro de 2015, que muito dificilmente não será de um alvinegro.

Anúncios

Quem dá bola é o Jádson

Jadson 209@                         Jádson: dois gols no finalzinho do jogo dão vitória ao Corinthians

O Corinthians martelou, martelou, mandou no jogo desde o começo, andou muito perto da vitória já no primeiro tempo, mas só  garantiu os três pontos nos últimos minutos do segundo, sob  o intenso calor no Itaquerão – Jádson, cobrando pênalti, fez 1 a 0 aos 40, e, em complemento ao contra-ataque puxado por Lucca, 2 a 0 aos 43.

O Santos deu a impressão de sofrer ainda mais com o sol quente. Foi um mero arremedo do Santos dos últimos tempos.

No primeiro tempo, o Corinthians teve mais posse de bola e mais chances de gol.

Vanderlei impediu o gol corintiano em lances cara a cara com Vagner Love e Jádson. Cássio fez uma grande defesa no último minuto em chute cruzado de Lucas Lima.

No segundo, o Corinthians continuou melhor, mas o ritmo de jogo caiu e a torcida já parecia não mais acreditar na vitória quando o lateral Zeca cometeu um pênalti grotesco em Vagner Love que o juiz Flávio Rodrigues Guerra, em cima do lance, não viu. Foi salvo pelo bandeirinha, que viu e avisou ao árbitro desatento.

Tão desatento que expulsou David Braz pelo pênalti que Zeca cometeu. Vamos conferir na súmula a historinha que Flávio Rodrigues Guerra contará.

A vitória do Corinthians foi justíssima, deixou nervoso o sempre calmo Tite, enlouqueceu a galera no Itaquerão e mantém o time com merecida folga na dianteira do Brasileirão.

O Santos já esteve bem mais perto do G-4. Com 40 pontos, vai almoçar em oitavo lugar, mas pode jantar em nono se o Atlético Paranaense derrotar o Coritiba às 18h30.

Atualização

A historinha montada na súmula pelo Flávio Rodrigues Guerra sobre a expulsão de David Braz, transcrita aqui sem nenhuma correção:

Expulso com cartão vermelho direto por, após a marcação de um penalti contra sua equipe, vir em minha direção gesticulando de forma acintosa e ofensiva proferindo as seguintes palavras: “você está louco”, “contra o corinthians é assim mesmo”, “vai se foder, não foi penalti”, “você vai ver, vocês vão ser punidos”, sendo que em ato contínuo gesticulou de forma acintosa em direção ao assistente número 1, proferindo as seguintes palavras: “vocês estão loucos, não foi penalti”.após ser expulso, ao sair do campo de jogo, e passar em frente à área tecnica do corinthians, desentendeu-se com o tecnico do corinthians, sr. adenor leonardo bachi, sendo contidos por integrantes das duas equipes.

Quem conferir as imagens verá que o árbitro mentiu na súmula, tanto que nada faz quando o zagueiro santista fala com ele e só lhe mostra o cartão vermelho após conversar com o bandeirinha Rogerio Pablos Zanardo na linha de fundo.

Vettel ultrapassa Senna em Cingapura

Vettel: pela 42ª vez, banho de champanhe

Vettel: pela 42ª vez, banho de champanhe

Nem as duas entradas de safety car impediram que o tetracampeão Sebastian Vettel dominasse inteiramente a corrida no circuito de Marina Bay para vencer o Grande Prêmio de Cingapura e, assim, ultrapassar nosso Ayrton Senna no pódio histórico da Fórmula 1.

Com 42 vitórias, Vettel é agora o terceiro maior vencedor da história, atrás apenas de Michael Schumacher, que venceu 91 GPs, e Alain Prost, que venceu 51.

No campeonato de 2015, Vettel é o terceiro colocado, com 203 pontos, a 49 do líder Lewis Hamilton.

Esbanjando alegria, sua marca registrada, o carismático piloto da Ferrari comemorou a vitória histórica em Cingapura:

– Esta deve ser uma das melhores corridas da minha carreira. Foi muito intensa. Comecei a ditar o ritmo e estava tentando administrar a vantagem. Foi realmente um grande fim de semana.