Arquivo diário: 17 de novembro de 2015

Eliminatórias: em noite de Douglas Costa, Brasil ganha folga

Douglas Costa: arquiteto e engenheiro de Brasil 3 x 0 Peru

Douglas Costa: arquiteto e engenheiro de Brasil 3 x 0 Peru em Salvador

Não se pode reclamar do futebol que o Brasil mostrou nos 3 a 0 sobre o Peru nesta terça-feira em Salvador, mas o que deixa uma ponta de dúvida é a qualidade do adversário.

A Seleção mandou no jogo do sexto ao 94º minuto e mereceu amplamente a vitória construída em boa parte pelo polivalente Douglas Costa, autor do primeiro gol, arquiteto e engenheiro do segundo e do terceiro, marcados por Renato Augusto e Filipe Luís.

A Seleção também tinha jogado bem contra a Venezuela, lanterna destas Eliminatórias sem ter conseguido um pontinho sequer nas quatro primeiros rodadas, e agora detonou o vice-lanterna, que tem apenas três pontos até agora.

Vamos ter de esperar pelos jogos de março, contra o Uruguai no Recife e o Paraguai em Assunção, para tirar as dúvidas sobre a qualidade do time que Dunga vai aos poucos remontando,  foi derrotado pelo Chile e sofreu para empatar com a Argentina.

De qualquer maneira, a boa atuação nos 3 a 0 desta terça-feira deixa o Brasil em posição bem menos desconfortável do que estava nas Eliminatórias, agora em terceiro lugar, com sete pontos, dois a menos do que o vice-líder Uruguai, cinco abaixo do líder Equador.

Não é o que se espera do futebol pentacampeão do mundo, mas é o suficiente para lhe dar alguma folga na corrida por uma vaga na Copa do Mundo de 2018 e um mínimo de tranquilidade nas festas de fim de ano.

Colômbia 0 x1 Argentina, Venezuela 1 x 3 Equador, Paraguai 2 x 1 Bolívia e Uruguai 3 x 0 Chile completaram a rodada e deixam assim a ordem de classificação das Eliminatórias Sul-Americanas:

 1º – Equador  – 12 pontos

 2º – Uruguai – 9 pontos

 3º – Brasil – 7 pontos

 4º – Paraguai – 7 pontos

 5º – Chile – 7 pontos

 6º – Argentina – 5 pontos

 7º – Colômbia – 4 pontos

 8º – Bolívia – 3 pontos

 9º – Peru – 3 pontos

10º – Venezuela – 0 ponto

Como se sabe, os quatro primeiros terão presença garantida na Rússia e o quinto disputará uma vaga com o campeão da Oceania.

A esta altura das Eliminatórias Sul-Americanas, a Argentina, vice campeão do mundo em 2014, estaria fora da Copa de 2018 e o Chile, campeão da Copa América, iria para a repescagem.

Hoje é dia de jogo, bebê!

Concentração do Brasil @1711@@@

Em 12 jogos que já fez desde 1969 na velha e na atual Fonte Nova, a Seleção Brasileira jamais foi derrotada. Que bom!

Contados amistosos e jogos oficiais da Copa América e da Copa das Confederações, foram sete vitórias e cinco empates. Não tão bom assim, né?

Dos empates, um foi com o Peru, por 0 a 0, na Copa América de 1989. Dunga estava em campo, como volante. Que mau!

Dunga e Taffarel, nosso goleiro no 0 a 0, bem poderiam relembrar aos seus jogadores a tristeza que foi aquele 3 de julho em que pouco mais de 13 mil torcedores foram à velha Fonte Nova e passaram boa parte da noite vaiando a Seleção.

Podem relembrar também que, em rodadas seguintes, o Brasil se recuperou e acabou sendo o campeão daquela Copa América, com direito a festa diante de mais de 100 mil torcedores no Maracanã.

Afinal, a Seleção atual também precisa se recuperar do início capenga nas Eliminatórias e se instalar logo entre os primeiros aspirantes às quatro vagas que a América do Sul tem direito assegurado na Copa do Mundo de 2018.

O Brasil está em quarto lugar, com quatro pontos, à frente do Paraguai e da Colômbia apenas no número de gols, e pode até sair desta quarta rodada como vice-líder, mas também corre o risco, embora remoto, de despencar para o nono lugar.

É cedo demais para festa, festinha e demais formas de badalação, como a animada visita dos onipresentes e deslumbrados Ivete Sangalo, Léo Santana e David Brazil à concentração do Brasil na noite desta segunda-feira.

É de concentração que a Seleção anda precisando. Afinal, está em Salvador para trabalhar. E hoje é dia de trabalho duro para que a torcida faça festa na Fonte Nova.

Neymar, Lucas Lima, Hulk e companhia precisam ouvir de Dunga como foi a noite de 3 de julho de 1989 na Fonte Nova.

(As fotos foram reproduzidas das contas de Ivete Sangalo e David Brazil no Instagram)

Uruguai x Chile ou Cavani x Jara?

Jara x Cavani @1711@@@Uruguai x Chile, às 21 horas (de Brasília), pode definir nesta terça-feira muita coisa na ordem de classificação das Eliminatórias Sul-Americanas, até mesmo a liderança se os chilenos vencerem em Montevidéu e, muito pouco provável, o Equador perder para a Venezuela em Ciudad Guayana.

Com sete pontos ganhos nas três primeiras rodadas, dois a menos do que o Equador, o Chile é o vice-líder da competição, à frente do Uruguai, que tem seis. Uma vitória uruguaia em casa inverterá as posições e deixaria o Brasil em condições de  igualar a pontuação dos chilenos.

É disso que deveríamos estar falando, mas o que mais chama a atenção da mídia no jogo do Centenário é o reencontro entre o uruguaio Cavani e o chileno Jara, protagonistas na Copa América de uma cena que, no dia seguinte a Chile 1 x 0 Uruguai, valeu a bem humorada manchete do jornal La República:

Meteram-nos o dedo e a mão

A capa do jornal, reproduzida acima, explica a primeira parte da manchete. A segunda se refere à atuação do árbitro brasileiro Sandro Meira Ricci. Aquele 1 a 0 tirou o Uruguai da Copa América e pavimentou o caminho do Chile rumo ao título.

Expulso naquele jogo após revidar de leve a provocação do chileno, o uruguaio Cavani garante que já esqueceu o que aconteceu:

– Está superado. Eu também já cometi erros na vida.

Jara também contemporiza:

– Talvez isso seja o assunto das pessoas antes da partida, que certamente será diferente e jogada com muito mais intensidade.

Óscar Tabárez, treinador uruguaio, não gostou de ouvir, na entrevista coletiva que concedeu após o treino de ontem, uma pergunta sobre o episódio:

– É verdade que vocês querem continuar falando sobre isso? Me nego a comentar, já ouvi bobagens demais.

Futebol faz lobby no Congresso para não pagar impostos

O Congresso Nacional decide, nesta terça-feira, se mantém ou reverte o veto da presidente Dilma Rousseff ao artigo do Profut que dá tratamento fiscal escandalosamente generoso aos clubes que se transformarem em empresas – cobrando-lhes apenas uma contribuição única de 5% sobre o faturamento mensal, abrangendo todas as receitas, inclusive financeiras.

Estes 5% saldariam IRPJ, PIS/PASEP, CSLL, COFINS et cetera, etc. e bota etc. nisso.

A pressão de cartolas e lobistas sobre deputados e senadores é enorme.

O Profut, sigla de Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro, beira a irresponsabilidade ao perdoar boa parte das dívidas acumuladas pelos clubes nos últimos anos e lhes dar 20 anos de prazo para saldar o que não foi perdoado.

Os clubes querem mais. Era só o que faltava!

Consultor de marketing e gestão esportiva, Amir Somoggi define, em entrevista recente   a Hiltor Mombach, editor de esportes  e blogueiro do Correio do Povo, o que está acontecendo no mundo da bola enquanto os cidadãos e as empresas do mundo real convivem com a expectativa de pagar mais impostos:

– O certo seria os clubes pagarem por mês ao longo de 20 anos e quitarem sua dívida como qualquer empresa. Os clubes conseguiram uma oportunidade única de pagar com regras bem vantajosas. No início, o pagamento será mais baixo; mais para frente, mais alto. É sempre bom lembrar que os clubes devem porque não recolhem impostos e contribuições sociais há décadas. Pagam salários fora da realidade e não pagam o que devem ao governo, sempre esperando ajuda. A ajuda mais uma vez chegou.

O especialista acha que o Profut pode ter resultados positivos para o futebol brasileiro se os clubes finalmente quitarem as dívidas e adotarem um projeto de reestruturação administrativa-financeira, mas critica os “muitos descontos para os maus pagadores e nenhum benefício para os que pagaram em dia” e adverte:

– Para voltar a ter equilíbrio e pagar as parcelas mensais corrigidas pela Selic, precisarão cortar custos e/ou aumentar receitas. Se não fizerem isso, podem em alguns anos entrar em desacordo com a Lei que fala em redução progressiva dos déficits e pagamento em dia das dívidas.

Ou seja: daqui a não muito tempo, podem estar pedindo uma nova lei com os velhos descontos.

Atualização

O Congresso manteve o veto da presidente Dilma Rousseff ao artigo do Profut que dava uma enorme colher de chá aos clubes que viessem a se transformar em empresa.

O futebol continua igual às outras atividades perante o Fisco. Nada mais justo.