Arquivo diário: 30 de maio de 2015

Assim se conta a história da Copa do Rei

Messi Barça 305Foi bonita a festa no Camp Nou: Lionel Messi reinou soberanamente mais uma vez

Mais uma obra-prima de Messi, mais um gol de Neymar, mais um título do Barcelona, que acaba de bater o Athletic Bilbao no Camp Nou por 3 a 1 e conquistar o título da Copa do Rei.

Falta agora ao campeão espanhol o título da Liga dos Campões da Europa para fechar a temporada com a tríplice coroa.

Essa é uma conversa para o próximo sábado, 6 de junho, que envolve um adversário muito mais qualificado, que também quer chegar à tríplice coroa no encerramento da temporada europeia em Berlim, depois de conquistar os títulos do Campeonato Italiano e da Copa da Itália.

Em Barcelona, de onde pode ter se despedido o nosso Daniel Alves com direito a um penteado para sempre inesquecível, despediu-se mais uma vez o o inesquecível capitão Xavi, novamente homenageado pela torcida como um dos seus maiores craques em todos os tempos.

Foi bonita a festa que também consagrou o nosso Neymar como um dos artilheiros da Copa dos Reis e caprichoso encrenqueiro com a bola nos pés, cultor de firulas como o misto de carretilha e chapéu que procurava encurtar o caminho para o gol, mas apenas tirou do sério o lateral Bustinza e por pouco não transformou o espetáculo em batalha campal.

Durante muitas décadas, faltou talento ao futebol espanhol. Hoje lhe falta senso de humor. A criatividade alheia é tratada por alguns jogadores como ofensa pessoal. Os muito toscos que nos perdoem, mas a firula é fundamental – desde que tenha como objetivo a definição da jogada, claro.

O Barça ganhou neste sábado o menos importante dos três títulos que cobiça desde o começo da temporada, mas ninguém vai esquecer este jogo por muito tempo – e, acima de tudo, pelo primeiro dos dois gols assinados por Lionel Messi, aquele em que ele driblou meio mundo, no campo e nas arquibancadas, antes mandar a bola com jeito e com força no cantinho do goleiro Herrerín.

Assim se conta a história da Copa do Rei Lionel Messi 1º.  E único.

Ceretta perdoou cachorro da PM, mas quer pegar Dudu

Ceretta: manso com a PM, valente com Dudu

Ceretta: manso com a PM, valente com Dudu

O próprio Guilherme Ceretta de Lima confirmou ao repórter Marco Aurélio Cunha, da TV Globo, que entrou na justiça comum com um processo por danos morais contra o palmeirense Dudu, que, revoltado com sua arbitragem, o empurrou e xingou no final dos 2 a 1 que deram ao Santos o título paulista de 2015.

Dudu foi punido com 180 dias de suspensão pelo TJD. É o bastante.

O processo agora movido por Ceretta é mero oportunismo, que não lhe ocorreu quando, trabalhando como quarto árbitro no Ponte Preta 3 x 3 Paraná da Série B do Campeonato Brasileiro de 2009, foi mordido no gramado Moisés Lucarelli por um cachorro da PM. Será que a mordida não lhe causou mais danos do que o empurrão?

Cachorros da PM, como se sabe, são treinados para identificar malfeitos.

O futuro do nosso futebol está na Nova Zelândia

Sub-20: Rogério Micale conversa com o time antes de treino em New Plymouth - Foto:CBF

Sub-20: Rogério Micale conversa com o time antes de treino em New Plymouth – Foto:CBF

A seleção brasileira Sub-20 chegou na quinta-feira, 28, à Nova Zelândia e ontem já treinou em New Plymouth, onde jogará as duas primeiras partidas do Mundial – contra a Nigéria na segunda-feira, 1º de junho, às 13 horas de lá, e 22 do domingo aqui; contra a Hungria na quinta, 4 de junho, às 4 da madrugada daqui.

Não são horários amigáveis para o torcedor brasileiro, mas o Mundial Sub-20 é uma boa oportunidade para antever o futuro de nosso futebol.

O Brasil comandado por Rogério Micale desembarcou na Nova Zelândia com jogadores do Atlético Paranaense, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Palmeiras, São Paulo (dois de cada), Bahia, Corinthians, Coritiba, Criciúma e Santos (um de cada) e mais quatro estrangeiros (do Braga, do Manchester United, do Olympique de Marseille e do Real Madrid).

Ou seja: parte do nosso futuro já dá trato à bola em campos da Europa.

Entre os que continuam por aqui, não se sabe por quanto tempo, alguns já são conhecidos da torcida, como o cruzeirense Judivan, os palmeirenses João Pedro e Gabriel Jesus, os são-paulinos Lucão e Boschilla e o corintiano Malcom.

Pelas 19 edições do Mundial Sub-20 já passaram moleques de muito talento, como os argentinos Maradona, Messi e Riquelme, os brasileiros Bebeto, Ronaldinho Gaúcho e Kaká, os uruguaios Francescoli e Diego Forlán, o holandês Marco van Basten, o português Luis Figo, o espanhol Iniesta e o francês Paul Pogba.