Arquivo diário: 6 de maio de 2015

Corinthians se complica na Libertadores

Parece que o Corinthians perdeu de vez a passada.

Nem Guerrero reanimou o time nem o time ajudou Guerrero em Assunção.

Resultado: 2 a 0 para o Guaraní, quarto jogo seguido do Corinthians sem conseguir uma a vitória.

O caminho aparentemente fácil da classificação para as quartas de final da Libertadores ficou bem complicado.

Vencer por diferença de três gols em Itaquera na próxima quarta-feira, dia 13, não é impossível, mas fácil também não é.

O Barça tem Messi. E nada lhe falta.

Messi abraça Neymar, após detonar o Bayern em  apenas 17 minutos

Messi abraça Neymar, após detonar o Bayern em apenas 17 minutos

Já se tinham passado 30 minutos do segundo tempo e estava claro, claríssimo, que Barcelona e Bayern não faziam o jogaço  que todo o mundo da bola estava esperando desde que o sorteio da Uefa os indicou como adversários nas semifinais da Liga dos Campeões da Europa.

Acontece que o futebol tem mistérios que só aos craques cabe desvendar.

Aos 31, Messi fez 1 a 0.

Aos 35, Messi fez 2 a 0. Se o futebol fosse feito mais de justiça do que de espetáculo, o gol deveria valer em dobro, tão fantástico foi o corte em Boateng e o toquinho sobre Neuer.

E muito provavelmente para corrigir a injustiça matemática, quando já estávamos aos 48 minutos do segundo tempo em Barcelona, Messi resolveu enfiar uma bola para que, depois de gingar levemente diante de Neuer, Neymar fizesse 3 a 0.

Bastaram 17 minutos e um Messi em campo para que tivéssemos um jogaço.

Precisava mais?

O Bayern que se cuide também em Munique.

Sorte dos mineiros: Michel Bastos e Nilmar não podem jogar

Se pudesse acreditar em seu presidente, o torcedor estaria conferindo hoje o time escalado por Alejandro Sabella para enfrentar o Cruzeiro no jogo que pode decidir a sorte do São Paulo na Libertadores.

Afinal, se não se der bem no Morumbi, dificilmente os são-paulinos se salvarão, semana que vem, no Mineirão.

O pior é que nem Milton Cruz, ‘por enquanto’ efetivado no comando técnico, pôde escalar o time. Apareceu um assistente técnico, aparentemente interino, e decidiu tirar Michel Bastos do jogo.

É um tal de Aedes Aegypti, não se sabe se trazido da África pelos cartolas que tanto falaram em importar um treineiro ou simplesmente cultivado nas águas paradas em que se afunda a atual administração tricolor.

A ausência de Michel Bastos é tão boa notícia para o Cruzeiro no Morumbi quanto a do colorado Nilmar para o Atlético Mineiro no Independência.

Um dos destaques da boa campanha que, após um início de altos e baixos, o Inter vem fazendo nesta temporada, Nilmar é mais uma vez vítima da fragilidade muscular que tão frequentemente o tira de campo.

Estreiam com muita sorte os times mineiros nos confrontos equilibrados das oitavas de final da Libertadores.

Se souber aproveitá-la em São Paulo, o Cruzeiro ficará muito próximo das quartas de final.

Se não desperdiçá-la em Belo Horizonte, o Atlético ganhará tranquilidade para o segundo jogo, em Porto Alegre.

Guerrero reanima o Corinthians na Libertadores

Guerrero: ânimo novo em Assunção

Guerrero: ânimo novo em Assunção 

O único peso que o Corinthians leva para campo logo mais, às 19h45, é a obrigação de derrotar o Guaraní no Defensores del Chaco, tal é a disparidade técnica entre os dois times, como ficou demonstrado na fase de grupos desta Libertadores.

É certo que, na reta final da Libertadores e até mesmo do Paulistão, o Corinthians não foi aquele considerado por alguns como a reencarnação do melhor futebol brasileiro em andamento mais moderno e, portanto, mais veloz.

Pode-se tirar uma dúvida hoje no Paraguai: é o Corinthians armado por Tite um quando tem à frente dos seus muitos armadores e armandinhos o matador peruano José Paolo Guerrero Gonzales e outro, bem menos contundente, quando joga com o brasileiro Vágner Silva de Souza, o Vágner Love?

É claro que os 14 dias de intervalo entre a derrota para o São Paulo na última rodada da primeira fase e o compromisso de hoje em Assunção deram tempo à comissão técnica para recuperar pernas e pulmões depois de tantos jogos em pouquíssimo tempo e reensaiar as opções técnicas e táticas que encantaram torcedores e palpiteiros no começo da temporada.

O time parece animado, como deixa claro o meia Jadson, um dos destaques da temporada:

– Nossa equipe vai para cima deles. Não viemos para empatar.

É Guerrero, no entanto, quem dará a medida do desempenho corintiano diante do Guaraní, mesmo que não jogue todos os 90 minutos.

Os filhos do sr. Iomar duelam em Barcelona

Rafinha e ThiagoRafinha, do Barça, e Thiago Alcântara, do Bayern: luta de irmãos por vaga na final da Liga

Um dos filhos do senhor Iomar do Nascimento, paraibano de Santa Rita que fez 49 anos há menos de um mês, estará na final, em Berlim, daqui a 30 dias – ou Thiago Alcântara do Nascimento, com a camisa do Bayern, ou Rafael Alcântara do Nascimento, com a camisa do Barcelona.

Papai Iomar é o Mazinho, lateral esquerdo e volante que brilhou no Vasco e no Palmeiras, jogou na Itália e na Espanha, foi tetracampeão do mundo em 1994 e, nesta quarta-feira, dividirá o coração de torcedor entre o Barça e o Bayern no primeiro jogão entre os dois (mostrado por várias emissoras brasileiras, a partir das 15h45 de Brasília, como você pode conferir em nosso canal Ao Vivo) por uma das vagas na final do dia 6 de junho.

Thiago é um dos protagonistas do Bayern, embora tenha começado no Barça, como o irmão Rafinha, que ainda é coadjuvante no elenco em que brilham o argentino Lionel Andrés Messi, o brasileiro Neymar da Silva Santos Júnior e o uruguaio Luis Alberto Suárez Díaz.

E não estamos falando de uma competição sul-americana.

Trata-se da Liga dos Campeões da Europa, a mais importante competições entre clubes do futebol mundial. Ontem, já foi assim: o argentino Carlos Alberto Martínez Tévez fez e desfez em Turim e garantiu a vitória da Juventus por 2 a 1 sobre o Real Madrid, aplainando o caminho rumo a Berlim para o confronto com um dos filhos do senhor Iomar do Nascimento.

Até parece que a Liga dos Campeões é apenas um aperitivo da Copa América que vem aí. Não é, não. É muito mais, mas essa é outra história, que envolve dinheiro, poder e capacidade gerencial, coisas sobre as quais estaremos sempre conversando por aqui.