Arquivo diário: 17 de maio de 2015

O protagonista e o assistente

Robinho e Geuvânio 175Robinho dá a palavra a Geuvânio, após Santos 1 x 0 Cruzeiro: “Hoje, o protagonista é ele”

Ele também já foi menino da Vila e não é ainda um velhinho, mas um trintão que se dá muito bem com a meninada e sabe que é dela que a bola gosta mais. Não é à toa que, nos últimos tempos, Robinho trocou o drible pelo passe, a arrancada pelo lançamento.

Virou garçom o moleque que, em outras eras, se servia tão bem da assistência que lhe davam os mais velhos. Pois hoje, na Vila, a assistência foi dele para que o garoto Geuvânio, 23 anos, marcasse o golaço da vitória santista por 1 a 0 sobre o bicampeão Cruzeiro.

Muito se pode falar sobre o jogo, em que o Santos foi sempre superior, mas o que realmente interessa é o golaço do garoto, muito parecido com aquele que o veterano  D’Alessandro marcou no Internacional 3 x 1 Atlético Mineiro da quarta-feira pela Libertadores.

O colorado trabalhou mais a jogada antes da finalização venenosa. Ao receber a bola de Robinho, no finalzinho do primeiro tempo, o santista simplificou a jogada, pois pressa combina com juventude, e, ao chutar a gol, abusou do veneno com tal convicção que nem se deu ao trabalho de acompanhar com os olhos a trajetória da bola.

Ele sabia onde ela ia pousar. Também sabia o experiente Fábio, que nem se deu ao trabalhode se mover em direção à bola. Simplesmente ficou olhando o caminho por ela percorrido até cair docemente em suas redes.

Alguém tinha de ver, do começo ao fim, o golaço de Geuvânio.

Foi o que definiu o jogo, tanto que, no final, Robinho encurtou as entrevistas para dar a palavra ao garoto:

– Hoje o protagonista é ele.

Barça é campeão espanhol e quer muito mais

Messi: campeão vai brigar por artilharia

Messi: campeão vai brigar por artilharia

Faltou Suárez, mas Pedro cumpriu bem o papel de coadjuvante no minuto decisivo, o 20º do segundo tempo: Messi recebeu a bola dentro da área do Atlético, tocou-a para ele, que a devolveu para que o camisa 10 fizesse 1 a 0, o bastante para o Barcelona conquistar o título espanhol sem depender das idas e vindas do placar de Espanyol x Real Madrid.

Cristiano Ronaldo acabou fazendo três na vitória do Real por 4 a 1 e lidera o pelotão de artilheiros, com 44 gols, três a mais do que Messi.

É o que resta para ser decidido na última rodada.

E o Barça de Messi ganhou tempo de sobra para as duas últimas batalhas da temporada, ambas valendo caneco: a Copa do Rei, no dia 30, e a Liga dos Campeões da Europa, no dia 6 de junho.

O título espanhol é apenas o começo. O Barça quer tudo e, ao que parece, tudo terá.

Vale a pena ver a queda do cartola

O Melbourne Victory venceu o Sydney FC por 3 a 0 e se sagrou campeão australiano, mas a cena que vai ficar na memória da torcida aconteceu depois do jogo, no palco entrega da taça: a queda espetacular de Frank Lowy, presidente da Federação, captada quadro a quadro pelos fotógrafos Robert Prezioso e Robert Cianfione, da Getty Images.

Como as fotos da agência, quase sempre ótimas, são muita caras, reunimos nosso conselho de administração na tentativa de aprovar uma verba extra que permitisse sua aquisição para publicação no blog.

Acontece que o conselho de administração do Benebol.com,  bem mais zeloso do que o da Petrobrás, simplesmente vetou a despesa.

Sugerimos, então, que dê um pulinho até o portal Terra e confira a sensacional sequência fotográfica. Vale a pena!

Pode curtir as fotos da dupla Robert & Robert sem sentimento de culpa. O cartola, de 84 anos, machucou o ombro, mas passa bem.

Matinê sem graça em Florianópolis

Já são 180 minutos de bola em jogo e o Vasco ainda não marcou um golzinho sequer no Brasileirão. Na primeira rodada, empatou em casa com o Goiás. Na matinê deste domingo, no Orlando Scarpelli, repetiu o 0 a 0 diante do Figueirense.

No primeiro tempo, Gilberto e Rafael Silva tiveram chance de tirar o Vasco do zero.

No segundo, os 11.004 pagantes poderiam invocar o Código de Defesa do Consumidor e pedir ressarcimento dos R$ 301.650,00 que entraram nas bilheterias.

Afinal, pagaram para ver e nada viram.

Conmebol sempre pega leve com o Boca

Clarín, de Buenos Aires, ecoa opinião publica: "punição leve"

Clarín ecoa opinião publica: “punição leve”

Embora a eliminação da Copa América 2015 tenha aprovação quase unânime, as demais sanções impostas ao Boca Juniors pela Conmebol frustraram o mundo do futebol.

Além de uma multa de US 200 mil, a comissão disciplinar aplicou as seguintes sanções, informadas à opinião pública em texto oficial:

  • 1 – Desqualificar o Club Atlético Boca Juniors da Copa Bridgestone Libertadores 2015, sem exclusão de futuras competições.
  • 2 – Impor ao Club Atlético Boca Juniors uma sanção que consiste em jogar suas próximas quatro partidas como local em competições oficiais organizadas pela Conmebol com portões fechados.
  • 3 – Proibir o Club Atlético Boca Juniors de vender entradas a seus aficionados para os próximos quatro jogos que dispute como visitante em competições oficiais organizados pela Conmebol. Esta proibição de venda de entradas aos aficionados do Club Atlético Boca Juniors se estende aos clubes que atuem como locais nos referidos encontros.

A força política do Boca no futebol sul-americano é inequívoca e alimenta a impunidade.

Disfarçada em sanções sempre suaves, a impunidade tem sido a regra, como mostra um levantamento dos casos recentes de violência no estádio do Boca feito por El Gráfico, revista argentina que já foi uma das mais importantes publicações esportivas de todo o mundo – “La Bombonera, 7 sanciones en diez años”.

Cinco casos aconteceram de três anos para cá. A Bombonera é o estádio com o maior número de partidas suspensas na história da Libertadores.

Para ler o levantamento de El Gráfico, clique aqui.

E por tudo que aconteceu na quinta-feira, 14 de maio, a Conmebol pegou leve mais uma vez. Até quando?